Categorias
Opinião

Opinião: nada como um título

 

Por Vicente Criscio

Nada como um título. Caminhando pelas ruas no entorno do Allianz Parque na última 4a feira, minutos antes da partida – eu estava atrasado – eu sentia a energia da torcida. Na boa, deveria haver uns, 5, 10 mil palmeirenses do lado de fora. Não era só uma prontidão de torcedores que não tiveram acesso aos ingressos e queriam estar perto do time. Era muito mais. Era uma mobilização de uma torcida que esperava esse título como há muito não se via. Inacreditável…

2012 foi diferente. O jogo final em Barueri. A segunda partida em Curitiba. Depois um segundo semestre deprimente e a queda. A gente teve pouco tempo para comemorar e logo a depressão do resultado do Brasileiro de 2012.

Esse ano era diferente. E se percebia isso nos olhos das pessoas.

Dentro do estádio a tensão era tão grande que ninguém assistiu ao jogo sentado. Eu observava um pouco as pessoas ao lado durante a partida. Um jovem ao meu lado parecia estar vendo a última partida da vida.

No intervalo observo mais as pessoas. Mais a esquerda dois garotos com quem imagino que seja o pai. Deviam ter 8 ou 10 anos. Tinham visto na vida apenas um Paulista em 2008 (que nem se lembravam) e uma queda em 2012 (junto com a já citada CdB 12). Olhos abertos, muito abertos. Ainda lembro deles. Querendo ver uma comemoração de título no final.

Começa o 2o tempo e a tensão era grande. O time jogava bem, melhor que o Santos. Mas o adversário era perigoso. A saída de David Braz deu mais alento. Parecia um Santos cansado e ao mesmo tempo com a soberba de que poderia vencer quando quisesse. Estavam enganados.

Do lado direito começa uma discussão feia. Entre palmeirenses. Dedo na cara, gritaria, peito erguido, e o jogo correndo. Quase já se estapeando. Uns 5 ou 6 na confusão. E apenas 1 ou 2 tentando acalmar.

Aí saiu o primeiro gol.

No meio da celebração o jovem do meu lado esquerdo pulou em cima de mim e me abraçou. Todos na fileira de trás se abraçaram e abraçaram a nós. Olho do lado direito e os briguentos estavam abraçados, quase chorando.

Sorri! Essa torcida é inacreditável… pensei eu …

Jogo caminhando. Fazemos o segundo. O grito do torcedor era tão alto que não se escutava mais nada. Tinha acabado, correto? 40 do 2o tempo.

Errado.

O gol do Santos foi algo diferente. Não era um banho de água fria. Até porque iríamos aos penais. E a confiança era grande. Mas o pensamento ruim sempre cutuca a cabeça…. será?

A torcida pelo menos naquele canto que estávamos voltou a apoiar. Imaginei lá fora: como estariam aqueles sei lá 5, 10 mil palmeirenses se acotovelando?

Fim de jogo vamos aos penais. Procuro os garotos. São sempre os mais vulneráveis em caso de derrota. Eles não têm as armas que temos. É mais difícil… e o olhar deles continuava lá. Assustados!

Do nosso lado, uma mistura de confiança e medo.

O mundo é feito de energia. Tudo a nossa volta tem energia. O Allianz Parque viveu na 4a feira sua estreia numa das muitas finais que veremos lá nas próximas décadas. A energia acumulada naquele estádio explodiu no momento do gol de Fernando Prass. Ele mesmo. O herói desse título. Não existem coincidências. Tinha que ser assim.

Nada como um título. Enquanto caminhava pelas ruas em busca do meu carro já depois do jogo, as pessoas ainda estavam lá comemorando, sorrindo, cantando. No final de tudo, o que importa é o título. Essa é a razão de ser de um clube como o Palmeiras.

Poderia não ter ganho. Poderia ter ficado contra o Flu. Poderia um monte de coisas. Uma eventual derrota levaria a amplificar as coisas ruins e ignorar as coisas boas desse ano. O título tem um efeito inverso. Mas a vantagem de ganhar a Copa do Brasil é imensa porque podemos ressaltar as coisas boas – e mantê-las – ao mesmo tempo que não podemos deixar de lado aquilo que não funcionou, como bem lembrou Luis Fernando Tredinnick em sua coluna da última sexta-feira (O Palmeiras é gigante).

Mas isso virá no tempo certo. De todos que tiveram mérito nesse título – Mattos, MO, elenco, PN, patrocinadores, parceiros de negócio, torcedores – sem dúvida a torcida é aquela que talvez tenha sofrido mais durante a temporada, foi a mais mal tratada, e que acreditou demais nesse título.

Ela merece esse sossego na alma, essa leveza que desde a madrugada da 5a feira estamos sentindo.

Parabéns Palmeiras. Parabéns Palmeirense. Que o título traga um vetor positivo. Mas sem perder a perspectiva do que é importante para o futuro.

Em tempo: leiam a coluna de Ugo Giorgetti de hoje no Estadao. Cliquem aqui. Imperdível.

Saudações Alviverdes!

175 respostas em “Opinião: nada como um título”

Eu vejo a questão por outro lado. Com exceção dos gambás, que fizeram um campeonato brasileiro consistente, TODOS os outros times foram ridículos, com uma pequena menção de elogio ao Atlético e ao Grêmio. Os bambis, na pior crise de sua história, chegou no G4. O Palmeiras fez um campeonato brasileiro horroroso, digno de vergonha. Se tivesse um pouquinho mais de critério na montagem do elenco, teria disputado esse título pau a pau, até o final. O Palmeiras ganhou um título sensacional, na bacia das almas. Ninguém vai me convencer que isso é bom. Poderia ser pior, claro, se não ganhasse o título. Mas pela grandeza do Palmeiras e pelo que foi gasto com o futebol, esse ano o resultado foi pouco.

Paulo, volto a perguntar. Exceto o Corinthians, quem teve um ano melhor que o do Palmeiras?´E outra, só vai valer agora título fácil? O Corinthians disparou no Brasileirão e ninguém fez frente, assim como o Cruzeiro fez em dois anos seguidos. Acontece. Um time encaixa e dispara. O Atlético e o Grêmio tem um bom time, que nós colocamos como “o Palmeiras deveria ser assim” e nem sequer fizeram cosquinha na disputa pelo título. O Palmeiras focou onde era possível e foi vitorioso. Futebol não existe “E se…”. Agora te pergunto, exceto o Corinthians, que foi excessão, voce trocaria de temporada com algum time? Como pode falar que “foi pouco” ganhar um título + disputar a Libertadores com um time consistente, e que ganhou quase todos os classicos que disputou? Que time do Brasil, hoje, é muito superior ao do Palmeiras? Qualquer um que vc falar, o Palmeiras ganhou/eliminou. Eu prefiro ser 9° no Brasileiro e ganhar a Copa do Brasil, do que não ganhar a Copa do Brasil e ser 2º no Brasileiro. Alias, se você ganha a Copa do Brasil, não faz a MENOR diferença ser 2º ou 16º no Brasileirão.

desculpe, mas discordo, o campeonato brasileiro do Palmeiras foi horrível, chegar em decimo segundo lugar para um time da altura e tradição do Palmeiras é péssimo, no final das contas o ano foi bom por que ganhamos um titulo e fomos pra libertadores mas não jogamos bem nos superamos na raça e na vontade.

desculpe, mas discordo, o campeonato brasileiro do Palmeiras foi horrível, chegar em decimo segundo lugar para um time da altura e tradição do Palmeiras é péssimo, no final das contas o ano foi bom por que ganhamos um titulo e fomos pra libertadores mas não jogamos bem nos superamos na raça e na vontade.

Na verdade, na verdade, o que foi pouco esse ano foi o futebol que o palmeiras jogou. Se o palmeiras fosse nota 6 esse ano, teria ganho a CB fácil e se fosse 7 disputaria o brasileirão. Se fosse 8 ganharia dos gambás. É óbvio que eu quase morri quarta feira e acordei os vizinhos no pênalti do prass, mas se for sempre assim os títulos serão esporádicos. É isso que eu quero dizer que é pouco. E eu prefiro ganhar o brasileiro, é o título mais importante do Brasil.

“O Palmeiras ganhou um título sensacional, na bacia das almas. Ninguém vai me convencer que isso é bom.”… como diria Silvio Luiz, pelo amor dos meus filhinhos!!.. Fala sério cara… não trocaria o nosso final de ano pelo dos gambás, atlético e grêmio nem pau… grêmio fez uma campanha boa no brasileiro, mas fechou o ano sem título…. atlético ganhou só um mineiro, com gol irregular contra um time do interior…. Velhinho… chega no final do ano, haverão no máximo dois times campeões de campeonatos nacionais no Brasil, nesse ano um foi o Palmeiras, de forma histórica e mais emocionante impossível, dizer que foi pouco é desdenhar do feito pelo qual estávamos (pelo menos eu e todos os palmeirenses do meu convívio) alucinadamente comemorando há uma semana atrás. Pode criticar o futebol em vários momentos, mas pra não dar valor ao nosso feito já existem os outros.

Se você acha, parabéns, eu não acho e não escrevi isso em lugar nenhum. Mas jogar bem garante títulos fáceis, jogar como jogamos esse ano só garante emoção, às vezes para o bem, às vezes para o mal. Eu gosto de emoção, mas gosto mais de TÍTULOS.

Acho que estão com dificuldade de ler o que eu escrevi, o título foi sensacional, está escrito no meu comentário. E por acaso não foi na bacia das almas? Ou alguém vai me dizer que foi fácil? Fácil foi o título dos gambás, que não tiveram adversário. Na minha concepção de futebol, o título brasileiro é muito mais importante que o da copa do brasil. E os gambás o ganharam com o pé nas costas, jogando o mesmo futebol o ano todo, com o melhor técnico e com o melhor meio campo do Brasil. Eu trocaria fácil. O que jogamos esse ano nós dá um título fortuito a cada três ou quatro anos. O que os gambás jogaram lhes garante um título é uma participação na libertadores TODO ANO. Isso pra mim é que é bom.

O Palmeiras ganhou um título sensacional, na bacia das almas. Ninguém vai me convencer que isso é bom.”. Ninguem esta com dificuldade de ler, cara… você que esqueceu o que escreveu. E esta fugindo da pergunta. Exceto SCCP, quem teve um ano melhor que o Palmeiras? Estou esperando…

Os mesmo caras que falaram durante meses que o time do Palmeiras era horrivel, tiveram que engolir o Palmeiras campeão com Vitor Hugo, Jackson, Dudu, Barrios, Robinho, Zé Roberto, … que vocês falaram que não prestavam. Agora, esses mesmos caras tão vindo aqui falar mal de novo, do mesmo Palmeiras. Se passaram 4 dias do fim da temporada, e já criticam os reforços que “estão demorando”. Não se esqueçam que não é só dos adversários que o Palmeiras esta “calando a boca”. Ano passado, o Palmeiras contratou 6 jogadores com “nome”. Arouca, Dudu, Zé Roberto, Cleiton Xavier, Barrios e Egídio. Esperem só. Assim que as contratações terminarem, voltarei com os “prints” de quem ta reclamando agora.

Velho, o Palmeiras pode contratar Messi, Suarez, Neymar e Cristiano Ronaldo. Nem isso me deixará feliz e satisfeito com a contratação do zagueirão 28 anos série B. Quando contratar bem, todo mundo ficará feliz. O Avalone, por exemplo, soltou no blog dele que a cartada do Palmeiras pode ser a contratação do Lucas Lima. Se rolar, eu vou ficar feliz pra caramba. Mas vou continuar reclamando da contratação de “baciáveis”. A mim me parece muito simples.

Esse zagueiro da série B fez 7 gols esse ano. Não é (e espero mesmo que não seja) uma contratação pra ser titular. Mas como aposta, não é absurda. Só vai fazer sentido reclamar se o Palmeiras não trouxer mais ninguem.

“Arsenal tem proposta para tirar o Gabriel Jesus do Palmeiras em Janeiro”. É inacreditável que não podemos ter um bom jogador aí já tem proposta, quando o time estava mal cheio de jogador pereba não aparecia nenhuma proposta de clubes de fora. LAMENTÁVEL.

O pior não é isso, Harley. Proposta de time estrangeiro para jogador bom sempre vai existir em qualquer clube brasileiro. A questão está na diferença com que se trata o “bom” e o “baciável”. Como em sã consciência alguém fecha contrato de cinco anos com Weldinho, três com Felipe Menezes e por aí vai mas não prioriza ter a maior parte dos direitos de um Gabriel Jesus, nem pede à patrocinadora que lhe dê como primeiro reforço de verdade para uma disputa de Libertadores a “contratação integral” (falando grosseiramente) do garoto? Você vê nessas atitudes algum resquício de quem pensa grande?

Pra quem prometeu um time melhor que o da Parmalat, tres reforços é pouco. Não dá pra montar nem a unha encravada do mindinho do pé esquerdo daquele time. Agora uma pergunta: Vágner, Roger Carvalho e Rodrigo são essas tres contratações ou vem coisa melhor?

Eduardo Uram ficou fornecendi durante 10 anos jogadores para as bambis. De uns 2 anos para cá se queimou lá……agora assumiu o Palmeiras. Os três contrapesos já chegaram………………. AGUARDANDO agora o Conca, Éverton Ribeiro e um super zagueiro……vamos ver.

Volantes temos: Arouca, Gabriel, Amaral, Thiago Santos, Matheus Salles, Denoni, Luiz Gustavo e Renato. Quem sai pro Rodrigo entrar? Será que ele é melhor que cinco desses aí?

Só vai sair é a grana para o empresário dele. Lembra daquilo que você escreveu outro dia, sobre buscarmos sempre alguém melhor do que aquele que já temos como titular para que o time tenha sempre um reserva à altura? Então, esqueça…

Chegou o Róger Carvalho, não se o que será, titular, reserva, companheiro do CX4,5 no DM. Agora me responde, quais zagueiros vão sair? Temos Victor Hugo, Jackson, Nathan, Leandro Almeida, e irão voltar Gabriel Dias, Wellington, Tobio e Tiago Martins. E ainda falta trazer, pelo menos, um zagueiro de categoria.

O Lance acaba de noticiar que o goleiro Vagner, do Avaí, o zagueiro Roger, do Botafogo e o volante Rodrigo, do Goiás, já fizeram exames médicos hoje a tarde na Academia e são os primeiros reforços do Palmeiras para 2016. Vamos torcer para que eles se encaixem muito bem e calem os críticos (eu sou um deles e vou ficar bem feliz se eles me calarem).

Se bem que minhas críticas foram principalmente ao zagueiro Roger, mas de qualquer forma toda a sorte pra ele a partir de agora!!!

Na boa, Paulão, esse tipo de “reforço” geralmente só se encaixa bem na lista de dispensa que sai no final da temporada. Girotos, Amarais e Alecones estão aí pra provar isso. Mas engrosso a fila dos que vão torcer por eles, mesmo sem acreditar que vão dar certo.

O ideal seria seis jogadores trazer seis jogadores melhores que os nossos titulares: dois zagueiros, um lateral-esquerdo, dois meias (não volantes), e um atacante que faça gols. Depois disso, pode trazer mil meias-boca, desconhecidos, apostas, que não irei reclamar.

Olha só, o Grêmio está acertando com o zagueiro Henrique (ex-Palmeiras) para reforçar o time para a libertadores de 2016 e o Palmeiras porque essa demora toda??? O Flavela está disposto a tirar os profissionais do Palmeiras, se isso acontecer o responsável será TODA do seu Paulo Nobre, pois não admitimos esse tipo de situação, ESTAMOS DE OLHO!!!

Apesar de não querer a volta do Henrique, não estou muito preocupado com a zaga do ano que vem. Temos o Victor Hugo Baresi e virão ainda mais umas quatro apostas, e tenho certeza que uma delas vingará.

Vingará depois de entregar qual campeonato, o Paulista (pode ser esse), a Libertadores ou a Copa do Brasil, já que ter time pra ser campeão brasileiro não parece ser prioridade de ninguém lá na Turiaçu – ih, agora é Rua Palestra Itália, né?

Os comentários estão desativados.