Categorias
Governança Opinião

Opinião: revendo seus conceitos

 

Por V. Criscio

Ano passado eu estava a trabalho em Madrid. Num certo momento do dia tive uma folga e pedi a um taxista para me levar ao Santiago Bernabeau. Para conhecer… Notei que o taxista ficou um pouco incomodado e me perguntou se eu conhecia o Vicente Calderon.

Claro, era um torcedor do Atlético. Decidi ir visitar os dois estádios. No caminho ia conversando com o agora mais animado taxista. Até que ele começou a contar sobre o Atlético. E comparar com o Real. Curiosamente ele tratava o Atlético – seu time – como um time de segunda linha. Os maiores – dizia ele – eram Barcelona e Real. E ele dizia com certa ponta de orgulho que os torcedores desses times quando ganhavam um título não comemoravam tanto quanto um atleticano. E nas derrotas, eles – os torcedores adversários – sofriam muito enquanto (pasmem) os atleticanos já acostumados com os infortúnios sofriam menos. E sentiam certo orgulho de chegar onde chegavam, mesmo que não fosse o título.

Bang! Lembrei dessa passagem quando parte dos 30 mil torcedores palmeirenses gritavam olé ao final de uma partida onde o Palmeiras estava sendo fatalmente eliminado na primeira fase da Libertadores.

Eu sei que posso parecer antipático. Também não estou pregando violência ou agressividade. Mas gritar olé, naquelas circunstâncias, me acende um alerta: será que (parte da) nossa torcida está se acostumando com desempenhos pífios e começa a comemorar goleada sobre time pequeno? Mesmo que signifique eliminação? Será que estamos nos acostumando com a mediocridade geral – 9o lugar no Brasileiro passou a ser resultado aceitável – ? Mesmo com o maior orçamento do futebol brasileiro? Mesmo com todas as promessas de anos anteriores de que “o ano que vem será melhor”?

Não critico as palmas do final do jogo. Em alguns casos, se reconhece o esforço com palmas. Resignadas. Saímos tristes e fim de papo. Aliás, derrotas são inevitáveis no futebol. Ninguém ganha tudo. Aliás é comum perder mais títulos do que ganhar títulos.

Mas a lição que fica aqui prá quem esqueceu ou comprou o discurso derrotista, é que time de futebol GRANDE disputa títulos. Sempre. Na Libertadores é inaceitável ser eliminado antes das quartas de final. É caso prá demissão de responsáveis. Uma Copa do Brasil tem que ter Palmeiras pelo menos disputando até as semi finais. No Campeonato Paulista, você já entra na semi final. Logo o objetivo é chegar na final. Um Brasileiro de pontos corridos tem que nos levar a disputar o título até a última rodada. Temos obrigação de estar sempre entre os quatro melhores do Brasil. E não abandonar a ambição do título faltando 10 rodadas ou mais, como aconteceu nos últimos anos.

Para o Palmeiras, qualquer resultado diferente disso não é digno de nossa história. O palmeirense no mínimo precisa refletir e repensar … como chegamos a isso?

Saudações Alviverdes!

72 respostas em “Opinião: revendo seus conceitos”

Não adianta só reclamar em site, por mais que quase sempre concorde com o Vicente.

A eleição está logo aí e teremos mais do mesmo.

Por que não tenta?

não é bem assim V… não temos uma postura derrotista, diria que temos uma pulga atrás da orelha esperando qual vai ser a próxima cagada da diretoria ou o próximo vexame para sermos zuados por outros torcedores… mas com certeza não somos medíocres, todo palmeirense sabe que o Palmeiras é o maior clube do mundo mas que passa por maus momentos porque tem uma história impecável e a melhor torcida… o time de quarta-feira só foi aplaudido porque cumpriu o seu papel, que era golear, não é tarefa fácil… vale a reflexão

Pensamento medíocre em mão dupla, torcida e a farsa chamada PN.

Em tempo o atlético de Madrid está na semi final da Champions e há pouco tempo atrás foi campeão espanhol.

Já o nosso amado Palmeiras não conquista o campeonato Brasileiro há 22 anos.

Saudações alviverdes e chega de pensamento e modus operandi medíocre!

Abraço 3 Vvistas!

O grito de olé e os aplausos foram pela melhora no futebol apresentado, desde a vitória contra o corintia, o time evoluiu, sinal que o M.O não deixou saudades.

Olé e aplausos de quem já está acostumado com a mediocridade. Normal, infelizmente.

Parabéns por mais um post preciso, Vicente. Tenha a certeza de que só vai se doer quem realmente se tornou torcedor medíocre, daqueles que aplaudem arrecadação, plano de sócio-torcedor e é mais fã de dirigente que do time que entra em campo – e hoje esse grupo de energúmenos aumenta cada vez mais.

Imagina, tudo o que é formado aqui não presta. Bom mesmo, são os meias-boca que vêm de outros times. Se for argentino, então, aí é craque.

Pois é, e tem aquele ditado. “Jogador craque de bola se faz em casa”, mas infelizmente os dirigentes preferem jogadores meia boca ou apostas para enricar os empresários.

O Audax tem 27 pontos, 8 vitórias e saldo de 7 gols, enquanto que o Palmeiras hoje tem 24 pontos, 7 vitórias e 8 gols de saldo. Se ganharmos amanhã, empataremos em vitórias e aumentaremos o saldo, então pegaremos o Santos mesmo.

a atitude dos 30 mil que foram e pagaram tiket medio de 60 reais não é digna de critica, só o fato de comparecerem num jogo de cumprimento de tabela e pagarem carissimo e depois voltar pra casa 01 da manhã, já sao motivos suficientes para serem aplaudidos.

Acredito que os aplausos após o jogo seja apenas um reconhecimento da evolução que vem ocorrendo, infelizmente essa desclassificação é o preço que pagamos por insistir no M.O.

É torcer para que o time continue evoluindo e conquistando títulos, apesar do nono colocado no brasileiro ano passado, ganhamos mais um titulo nacional que é o que os times GRANDES tem como objetivo, não é

abcs

Os torcedores que compareceram foram dignos, sim, já os jogadores, Mic.co.s e Jabba Jr, não

Sérgio Marin, o Palmeiras hoje além de está no mesmo nível do Botafogo também está no mesmo nível do Vasco, até a política do clube cruzmaltino onde quem manda lá é Eurico Miranda assim como no Palmeiras que quem manda no clube é o Jabba The Hutt.

Quem quer e quem não quer tem um argumento irrefutável, Sérgio: desde 1998 somente Palmeiras e Botafogo não ficaram entre os três primeiros colocados do Campeonato Brasileiro, dentre aqueles considerados os “12 grandes do Brasil” (grupo esse que hoje é mais imagem que conteúdo). Além disso, ambos tiveram dois rebaixamentos no século XXI. Contra esses fatos não existem argumentos, mesmo para aqueles que ainda insistem em ver o Palmeiras como o “centro do universo” no futebol…

Pode-se levar em conta também, são os dois time mais operados pela arbitragem e STJD, em 2002, o ” framengo” não caiu, graças a esse tribunal que arrancou pontos do Goiás, se não o “mengaum” era pra ter afundado junto com a gente e a estrela solitária.

Então sou baba ovo, Sérgio. Receita diferente, estádio diferente, títulos diferentes, bom programa de sócio torcedor. Ninguém aqui, pelo menos acho eu, é poliana pra ficar dizendo que tudo tá lindo. Apenas não faça comparações absurdas.

Palmeiras faz novo acordo para pagar dívida de cerca de R$ 40 mi com Nobre.

Em reunião na última quarta-feira, o COF, Conselho de Orientação e Fiscalização do Palmeiras acertou novo acordo para o clube pagar dívida de aproximadamente R$ 40 milhões com o presidente Paulo Nobre.
O valor não tem a ver com o trato feito anteriormente para a quitação de um débito de R$ 104 milhões com o dirigente por meio de 10% da receita mensal palmeirense. O acerto recente se refere a uma antiga dívida do clube com Nobre a respeito da cesta de jogadores criada na gestão de Luiz Gonzaga Belluzzo. Um trato já tinha sido feito para a quitação, mas não foi cumprido. Assim, membros do COF e o presidente estabeleceram um novo acordo para que o pagamento seja realizado em até dez anos………………O sapo sempre repete a mantra de que….. “dívida tem que ser paga”…….. mas a pergunta é sempre a mesma, quem investiga a origem dessas dívidas???? Parece ser um bom negócio lá no clube….. contratos longos….perda de casos na justiça (Piraenci)….comissões….e por ai vai.

Calma amigo, só a venda de Régis, Moisés, Dracena(esse tem futuro), Erick, Barrios( jovem jogador), compra do passe do Rafael Marques, mais Allione( parabéns ao PN por não ter vencido 50% do passe por 8 milhões ao Inter), MAIS 30% DO JESUS( jogada de mestre do PN , tínhamos 70%, mas nosso “Jênio” deu 40% para os empresários) VAMOS ARREBENTAR em 2017

O imbecil renovou com o Robinho com aumento até 2020 sendo que esse é o ultimo ano dele como presidente… Só pergunto por que Paulo podre ? O que a torcida fez pra você pra ir contra todas as nossas opiniões? Ou você é burro mesmo? Pra que renovar com esse jogador medíocre que a torcida não agüenta mais ? Talvez seja porque você e seus colegas gostam de demonstrar poder e querem provar que são donos do time. Não vejo a hora de você ser desvinculado do Palmeiras, você deveria levar esses lixos de jogadores com você maldito. Esse tipo de notícia me desanima, me irrita mesmo, faz 10 anos que acontecem essas palhaçadas, Luan, Marcinho gente boa, alecgordo, fora as dispensas né que ninguém entendeu até hoje, barcos, Leandro Pereira e outros..

Pode isso? Renovar o contrato com um meia-boca desses até o fim de 2019? É gostar de fo.d.e.r com o torcedor mesmo. Isso deveria ser papel do próximo presidente (renovar ou não com esse pé-de-rato). Tem muito torcedor aqui que está certo, e tem horas que merecemos mrsmo ser eliminado por um São Bernardo da vida, pra ver se acorda. Me diz o que o Robinho fez dr bom, para merecer um contrato até 2020? Vai tom.a.r no c.u, viu!

Gustavo, é insuportável o comportamento desses dirigentes até para o torcedor mais iludido, como vcs costumam dizer…. o que o torcedor pede é só respeito ao amor dele pelo clube… por isso não tá sempre lotado o estádio, a sensação é de que eles se sentem donos do clube e fazem o que bem entendem, andando de salto alto dentro das alamedas do Alliaz…. nem o torcedor mais apaixonado que é o palmeirense aguenta isso… e eu tenho certeza que o clube não sucumbiu até hoje por culpa exclusivamente da torcida, diferente de muitos CLUBECOS que vemos sempre por aí, que eu nem vou perder meu tempo pra falar

Você disse tudo. Um time claramente superior. Um time sem dinheiro, sem torcida mas cujos dirigentes tem vergonha na cara e mesmo endividado montou um elenco à altura do Santos. Enquanto isso, em situação financeira melhor que os rivais continuamos com vários jogadores ruins no elenco. Quem aplaude a mediocridade é cúmplice do fracasso.

Não dá para comparar o Palmeiras ao Atlético Madrid. O Atlético Madrid é uma espécie de Botafogo da Espanha. Não é pequeno, porque tem história importante e, não raro, incomoda e vence os grandes. Mas não é verdadeiramente grande, porque tem conquistas escassas e torcida menor. O Palmeiras é um gigante sob qualquer parâmetro. Não vale a comparação.

Atlético de Madrid um “Botafogo da Espanha”? Ok, vamos lá: O Atlético tem um mundial interclubes, duas Ligas Europa, duas Supercopas da UEFA, uma Recopa Européia, 10 campeonatos espanhóis, dez Copas do Rei da Espanha e duas Supercopas da Espanha. Após anos de más administrações disputa o título nacional todo ano e é frequentador assíduo da Champions. Tire o Botafogo do âmbito estadual: uma Copa Conmebol, uma Taça Brasil, um Campeonato Brasileiro, 4 Torneios Rio-SP. Não consegue chegar entre os três primeiros colocados do Campeonato Brasileiro há 21 anos, tendo nesse período disputado duas vezes a Libertadores com campanhas pífias, eliminado na primeira fase. O mundo do futebol mudou, as camisas pesadas e a tradição continuam fazendo diferença, mas quem só fica olhando para sua história perde o bonde do futuro.

Não concordo. Não há conformismo algum. O time, especificamente naquele jogo, mereceu os aplausos, pela entrega e esforço. As tão decantadas e elogiadas torcidas argentinas incentivam os seus respectivos times mesmo que estejam apanhando de 4, incluindo as torcidas do River Plate e do Boca Juniors. Seriam os torcedores daqueles clubes argentinos também conformistas? O Palmeiras foi campeão há apenas 4 meses de maneira épica, enfrentando um time claramente superior, mostrando porque que é o maior clube do Brasil, e a nossa torcida foi parte importantíssima dessa conquista, reconhecido até pela imprensa. As perspectivas são ótimas para o restante do ano e acredito que ainda vamos ganhar o Campeonato Brasileiro e/ou a Copa do Brasil de novo.

Perspectiva ótimas para quê? Para novos vexames e eliminações? Caímos fora da LA em um grupo em que os deslumbrados aqui dizia que era fácil. O que adianta se esforçar no último jogo contra um eliminado River Plate, quando já não se tinha mais chances? Tinha que ter se esforçado nos quatro primeiros jogos, jogadores sem vergonha, descompromissados e indolentes, além de ruins de bola. Tem que demitir a maioria deles junto com o diretor de futebol.

Se vocês me disserem qual clube brasileiro tem um elenco melhor do que o Palmeiras, me convencerão. Caímos na Libertadores porque o Marcelo Oliveira estranhamente não soube fazer desse elenco um time competitivo e quando se trocou o técnico era tarde demais.

Elenco melhor “no papel” o Atlético Mineiro tem. Defesa melhor e maior organização tática o SCCP tem. Ataque melhor o Santos tem. Cuca é bom técnico, mas Levir está no mesmo nível. Se o assunto for meio de campo, então, não vi metade dos times que disputarão o próximo Brasileirão, mas não será difícil encontrar pelo menos uns dez com material superior na criação de jogadas. Caímos na Libertadores porque o piloto brincou de montar time ele mesmo sem perguntar pra quem entendia do assunto, porque não aceitou (por orgulho e vaidade) a ajuda do patrocinador (que está lá também pra isso) e porque apostou muito na eficiência de um jogador que em um ano não fez mais do que dez partidas, quiçá umas duas completas. Caímos fora porque fomos incompetentes dentro e fora de campo e porque não somos os melhores há muito tempo, mas alguns delírios levam certas pessoas a pensar que estádio de primeiro mundo e sempre cheio, plano de sócio-torcedor bombando e ingresso caro qualificam uma equipe de futebol apenas esforçada ao estrelato internacional.

Só lembrando os deslumbrados: teremos nesse Brasileirão pelo menos dez times (Figueirense, Chapecoense, Atlético PR, Coritiba, Vitória, Sport, Santa Cruz, América MG, Ponte Preta e incluo aí o Botafogo) para os quais o “título” da temporada será a permanência na Série A, ou seja, quando vierem ao Allianz ficarão fechadinhos esperando uma bola para ganhar o jogo, algo que aconteceu inúmeras vezes na temporada passada. Em sã consciência, com esse elenco atual contando com uma defesa pífia e um meio de campo inexistente em termos de criação, algo absolutamente essencial para bater times desse nível, dá pra falar em “perspectivas ótimas”? Aqui ninguém precisa ser “Bambi ou Gambá” tampouco “Pollyanna”, basta analisar os fatos que estão aí pra quem quiser vê-los.

Bater palma pra jogador incompetente é cômico. Esses caras tiraram o Palmeiras da competição
quando nitidamente enquanto o Marcelo por lá ficou muitos ajudaram a derrubá-lo, simplesmente não obedecendo suas orientações em vários jogos. A maioria desses caras não está nem aí pro time
e podem ter gerado um prejuízo de até 30 milhões ao clube, porém, tem gente que acha isso digno de aplauso. Quero ver se tomar uma surra do Santos se essa mesma gente vai continuar
aplaudindo ( não duvido ).
( não duvido )

É bem por aí. Comentei com alguns que discursos do tipo “estamos no rumo certo” ou “esse grupo ainda vai nos dar alegrias” eram comuns na saída do estádio.
Um sujeito ainda viu minha cara emburrada e falou: “calma palmeirense, hj nós não perdemos. Ano que vem estaremos aqui de novo”. E eu, sem muita paciência, respondi: estou cheio de esperar pelo ano que vem.

Concordo com você que realmente parte da torcida começa a se contentar em participar e não em ganhar. Porém na quinta feira (estava lá) acho que as palmas e o “coro de olé” dado pela mesma foram corretos, pois não foi naquele jogo que perdemos a vaga, tudo começou no final de 2015 quando o Paulo Nobre insistiu em manter o Marcelo Oliveira, quando mesmo após uma péssima estreia no paulista deste ano ele o manteve no cargo, e que só o demitiu quando perdemos de maneira inexplicável e inaceitável para o Nacional em casa (também estava lá), isso sem falar em contratações de jogadores no mínimo equivocadas (Erik, Leandro Almeida, Edu Dracena, etc, etc…..). Nosso problema é estrutural, ou seja, amadorismo na direção do clube, termos ganha a CB-2015 apenas mascarou um problema que está longe de ser solucionado.

Desse post eu discordo. Primeiro que não da para comparar o atletico de madris e o campeonato espnahol, com palmeiras e o campeonato brasileiro. Lá desde o tempo da inquisição só se tem dois times e um ou outro aparece para derruba-los., algo totalmente diferente daqui. Então o certo era xingar e ofender os jogadores, mesmo eles ganhamdo o jogo? alguém aqui sabe o significado de torcer? Alguém foi no jogo contra o Nacional quando perdemos de 2×1. Os jogadores, o técnico, o presidente , o roupeiro foram devidamente exaltados….Eu também acho pífio sair na primeira fase da libertadores, mas o post quer criticar a diretoria e presidencia foi no alvo errado, a torcida é a parte menos culpada do Palmeiras ter saido fora, ou de não estar disputando titulos com a frequencia que deveria, pelo contrário.

Victor, pesquise um pouco a história do campeonato espanhol. Quando Luís Pereira e Leivinha foram campeões nacionais pelo Atlético na temporada 1976-77, o time madrilenho tinha 8 títulos contra 9 do Barcelona e 17 do Real, que durante a ditadura de Franco deitou e rolou abrindo essa larga vantagem. Nos 38 anos que separam essa conquista histórica do momento atual, o Barça venceu 14 campeonatos, o Real 15 e o Atlético apenas dois. Antes havia um certo equilíbrio, que foi quebrado principalmente com a distribuição de recursos pelas empresas que pagam pela exibição dos jogos, exatamente como vem acontecendo no Brasil em relação a RGT/SCCP e Flamengo. Só não temos o mesmo monopólio por aqui porque os dirigentes nacionais estão, esses sim, a uma “Inquisição” e meia de distância em termos de capacidade de administração de recursos em comparação com seus colegas espanhóis, e olha que lá eles também fazem besteira.

Victor, pesquise um pouco a história do campeonato espanhol. Quando Luís Pereira e Leivinha foram campeões nacionais pelo Atlético na temporada 1976-77, o time madrilenho tinha 8 títulos contra 9 do Barcelona e 17 do Real, que durante a ditadura de Franco deitou e rolou abrindo essa larga vantagem. Nos 38 anos que separam essa conquista histórica do momento atual, o Barça venceu 14 campeonatos, o Real 15 e o Atlético apenas dois. Antes havia um certo equilíbrio, que foi quebrado principalmente com a distribuição de recursos pelas empresas que pagam pela exibição dos jogos, exatamente como vem acontecendo no Brasil em relação a RGT/SCCP e Flamengo. Só não temos o mesmo monopólio por aqui porque os dirigentes nacionais estão, esses sim, a uma “Inquisição” e meia de distância em termos de capacidade de administração de recursos em comparação com seus colegas espanhóis, e olha que lá eles também fazem besteira. O Atlético de Madrid tem feito muito bem, sim, o seu papel de administrar os poucos recursos que tem em relação aos maiores rivais, e é um exemplo a ser seguido. Só não entende isso quem não quer.

Perfeito Vicente, esse discurso derrotista está dominando nossa torcida, que anda acreditando em tudo que é colocado a ela, as mentiras ditas com exaustão estão virando verdades, o trabalho na mídia para emplacar o profissionalismo de araque está funcionando, e aí quem reclama torce contra; quando na verdade quem reclama torce tanto a favor que não aguenta essa passividade e as respostas “seja avanti para ter time forte” ou as contratações de baciada que não resolvem nada (para o time pq deve ter gente se resolvendo bem com algumas negociações), não podemos nos conformar se queremos voltar ao protagonismo que é o nosso lugar de verdade.

Vicente, você quase colocou o “dedo na ferida”.
Pra muitos Palmeirenses, o que vale mesmo é o nosso lateral direito Lucas dar um chute nas nádegas do Lucas Lima na semi final da Copa do Brasil contra o Santos na Vila Belmiro !
Pra muitos Palmeirenses, o que vale mesmo é o Gabriel jesus dar um coice na parte genital do jogador do Rosário Central no jogo da Libertadores deste ano !
Pra esta parte substancial de nossa torcida pouco importa se estamos disputando títulos, o importante é dar socos, pontapés, etc…e no final milhares de aplausos !

Assim como disseram (para mim o problema é jogador) que o MO deveria ter sido mandado embora no fim da Copa do Brasil, e o C.uc.a ter vindo antes de começar o ano, acho que a hora de mandar o Mi.c.cos embora é agora, antes de começar o Brasileirão. Motivos não faltam.

Eu esperava que a torcida mandase uma “sonora” homenagem de agradecimento si nobre presidente, por mais uma vergo..nhosa eliminaçāo, vom estádio lotado. Afinal, a mantra “nāo seremos reféns da Libertadires”… realmente se concretizou nessa gestão profissional e gastadora…………….não somos Mais torcedores e sim,…… Cheerleader.

Não foi uma desclassificação em um jogo é sim durante toda a competição. A torcida foi perdendo a esperança aos poucos e as cobranças vieram em jogos do paulista e também na Libertadores. Pressionamos e trocaram o técnico…Pressionamos é o técnico mudou o time…tudo foi feito. No último jogo todos sabiam que precisava de milagre. Por isso o ole soa como cobrança de um futebol melhor. Não tem nada a ver com torcida acostumada…

Perfeito seu comentário Criscio. Penso da mesma forma. Nos apequenamos faz tempo.
Quando temos um presidente que NÃO ENTENDE NADA DE FUTEBOL (“Fiquei surpreso com a eliminação”) e o INACREDITÁVEL Mattos (“Aproveito negócios de ocasião”) não dá.
E ainda grande parcela da imprensa dizendo que temos o “melhor elenco do Brasil”, e muitos torcedores acreditaram.
Algumas situações exigem tomadas de posição imediatas: A demissão do MO deveria ser logo após a Copa Brasil. Lembro-me muito bem quando caimos pela 1ª vez para a 2ª divisão: após algumas rodadas ficou claro que o Levir Culpi não daria certo; e a diretoria o manteve até o fim; com o CAPATAZ CADUCO 7 a 1 foi a mesma coisa, só houve a mudança quando já era tarde.
Há muito tempo temos dirigentes incompetentes, que não são do ramo.

Perfeito. Vicente.
Essa eliminação é uma das maiores veronhas palmeirenses dos últimos anos… Quase como os rebaixamentos ou o rebaixamento moral que tivemos em pleno ano de nosso centenário…. Mas para a maioria dos palmeirenses parece algo normal !!! Um absurdo e muito preocupante !!
Como chegamos nisso? Incompetência plena, perda de sentido do tamanho da SEP e falta de ambição gerados pelo Mustafismo (78-91), Mustafismo bom-e-barato (2000-2007), Autismo (2011-2012) e o Neo-Mustafismo Gourmet (2013-2016) !!!!

Infelizmente a realidade do palmeirense é sim ser um time de segunda linha. A verdade é que a Parmalat ressuscitou um time que tinha morrido em 1976, vivemos alguns momentos bons mas a grande maioria medíocre. E a nova torcida está acostumada já com a mediocridade, em alguns grupos de palmeirenses contestei o empate contra o River no Uruguai mas a grande maioria aprovava o resultado.

Chegou a esse ponto devido ao ego , devido a vaidade e pela quantidade ainda viva de “mustafás” que atrasam o crescimento do futebol do clube que já deveria ser de fato profissional.

Os comentários estão desativados.