Feliz 2017

 

Por Vicente Criscio

Tempos de reflexão. De um 2016 que já praticamente ficou para trás.

Pro palmeirense – olhando apenas o lado esportivo – não podemos reclamar. Campeão Brasileiro 2016, com o resgate da auto-estima que Cuca e seus comandados nos presentearam. Se não fosse o acidente trágico e estúpido do avião da Chapecoense, e teria sido para nós um ano esportivo quase perfeito. Aliás, mesmo na tragédia abominável desse acidente vimos uma solidariedade do povo colombiano e de muitos e muitos torcedores brasileiros que nos emocionou.

Mas voltemos às coisas boas de 2016. A eleição de final de ano – com candidato único – trouxe um alento para o Palmeirense que é mais antenado na vida política do clube. O Presidente Mauricio Galiotte é um integrador. Aquela gestão do medo e do egocentrismo ficou para trás. Perspectivas de um clube mais unido no novo ano. Até aqui parece que esse o caminho que o novo Presidente está traçando é bom. Vamos continuar na torcida, sem perder o espírito crítico construtor e apoiando tudo que for bom para o Palmeiras e seu torcedor. E fica outra promessa aqui: durante janeiro e nos próximos meses falaremos da tempestade em copo d’água sobre a candidatura Leila, de política e mesmo do assunto da minha não candidatura em 2016. Agora é hora de celebrar o novo ano.

Mas tem mais: o Palmeiras e o palmeirense terão a chance de um ano de 2017 mais promissor que 2016. Parece difícil mas não é. Cuca deixou uma base montada. Eduardo Batista chega e já ganhou um grande reforço – Alejandro Guerra, craque da Libertadores 2016 no Atlético Nacional. E com os adversários ainda em processo de reestruturação, o Palmeiras é favorito a tudo em 2017.

A torcida percebe isso. As ruas são cada vez mais lotadas de camisas verdes. Somos a bola da vez.

Para nós aqui no 3VV foi um ano duro. Com cada vez menos tempo para postagens, o conteúdo que diferenciou esse site tempos atrás minguou. Mas prometemos novos tempos no novo ano. Vamos trabalhar para voltar a ter um conteúdo diferenciado, crítico, construtivo, falando de modelos de gestão mas também de história palmeirense de ontem, hoje e sempre. Mas sem esquecer nossa obsessão: um futebol ferido como os grandes clubes mundiais do século XXI. Com cada vez mais governança e sem donos ou mecenas. O Palmeiras é maior que tudo isso e por isso deveria estar sendo preparado para isso. Há tempos. Mas vamos ter oportunidade de voltar a esse tema. Essa é a nossa promessa de novo ano.

Assim fechamos 2016. E além do campo esportivo, na vida profissional, pessoal, familiar, em todas as esferas, desejamos que você nosso leitor e amigo tenha um 2017 melhor que 2016, com muito sucesso e realizações.

Deseje e trabalhe para isso. Ele virá!

Feliz 2017!!!