Categorias
Paulistão 2017 Resenha dos Jogos

Pós Jogo Ituano 1×0 Palmeiras: alerta amarelo?

 

O Palmeiras perdeu para o Ituano pela segunda rodada do Paulistão 2017. 1×0. Gol no início do segundo tempo, de cabeça.

Era a estreia de Guerra e a expectativa de um grande jogo. Eduardo Baptista começou com Fabiano na direita mas logo o lateral se contundiu e Jean retornou prá ala e Thiago Santos entrou no meio.

Esse pareceu o primeiro erro em uma tarde-noite do treinador de outros enganos que custaram os três pontos. Com Felipe Melo e Thiago Santos como volantes, Guerra era o único com inteligência no meio para levar a bola para o ataque. E conseguia, tanto que deixou William e Dudu em condições de marcar em duas bolas servidas com carinho para os atacantes. Também Guedes perdeu um gol na frente do goleiro em bola enfiada de Dudu.

Mas o ataque parecia confuso e num dia pouco inspirado. Dudu mal, Guedes também. Não ajudava o fato do atacante destro ficar o tempo todo do lado esquerdo. Baptista colocou Keno e pareceu por um momento que havia melhorado.

Depois Alecsandro veio a campo. Saiu Dracena e Thiago Santos deixou a posição de primeiro volante e foi pra zaga. Alecsandro foi pro ataque e os analistas do 3VV não entenderam quem ficou no meio armando. Os atacantes continuaram batendo cabeça, Guerra desapareceu em campo, e Prass e Thiago Santos começaram a lançar a bola lá no ataque.

O resultado não ia ser outro. Derrota.

A luz amarela acendeu para alguns palmeirenses. No papel esse elenco é muito forte, mesmo sem contar ainda com Moisés, Mina e Borja em campo. A torcida ainda está em lua de mel com o time mas não tem paciência elástica. Até 5a feira, quando o Palmeiras pega o São Bernardo no Allianz, Eduardo Baptista vai sentir um pouco o calor dessa impaciência.

Até lá é só torcer.

Saudações Alviverdes!

118 respostas em “Pós Jogo Ituano 1×0 Palmeiras: alerta amarelo?”

Só espero que o Bap não seja o MO, versão 2017. Se for pra mandar o cara embora, que mandem logo. Não esperem ele c.a.g.a.r com a Libertadores pra fazer isso.

Por mim, o técnico pode ser qualquer, inclusive o Bap. O que não pode é ser cagão, retranqueiro, medroso. Hoje, temos time para, pelo menos, jogar de igual pra igual com qualquer adversário sulamericano. Mas tem que querer ser melhor.

Agora que os bambis emplacaram duas boas vitórias contra times de Série A (de acordo com o raciocínio da maioria por aqui, portanto, são candidatos a todos os títulos que disputarão no ano, certo?), os holofotes vão se voltar para o Jardim Leonor, então talvez tenhamos um pouco de paz nos próximos dias. Uma vitória e meia horinha de bom futebol pra um jogo de Campeonato Paulista (a 90 paus o ingresso mais barato, pra quem não paga meia) hoje tá bom demais.

O duro é ver o time da franga surrando as sardinhas na pocilga da Vila. Enquanto isso nosso treinador com cara de peixe morto à beira do gramado. Bem que a Leila podia dar uma jóia
igual a que o Cabral deu pra esposa pra Dona Cuca.

Infelizmente estou vendo um barco, tipo transatlântico, que é o Palmeiras, que está sendo conduzido pela imprensa e pela própria torcida em direção a um iceberg gigantesco. Se continuar assim isso não vai terminar bem pra nós esse ano. Pra mim o maior culpado dessa situação toda é o Cuca, que abandonou o time campeão brasileiro num momento em que não havia reposição possível para o cargo de treinador. É óbvio que ele não tinha obrigação de ficar, mas sua saída foi desastrosa pra nós. Não há bons técnicos no mercado e demitir o Eduardo agora é um erro monumental, a não ser que o Cuca termine seu período “família” e resolva voltar ao batente. A imprensa é, sempre foi, e sempre será contra nós, mas se nós mesmos (a torcida) entrarmos nessa pilha de “fora Eduardo”, o coitado não terá condições de trabalhar e o elenco vai se encarregar de fritá-lo de vez (sabemos que jogador brasileiro é mimado e paneleiro). Quem vai perder com isso é o Palmeiras. Se a torcida não apoiar nesse momento, logo logo a coisa vai ferver. Não podemos esquecer que não há substituição possível para o Eduardo. Cuca e Tite não querem assumir o Palmeiras neste momento, então não adianta sonhar com eles, e os demais técnicos não são melhores que o nosso. É claro que o atual técnico fez mudanças, afinal ele não é o Cuca, não adianta a gente querer que ele jogue igual, até porque alguns jogadores que foram contratados não podem ficar no banco logo de início (em especial Felipe Melo, Borja e Guerra) e somente este fato já muda o jeito de o time jogar. Os times pequenos estão treinando há mais tempo e o Ituano marcou o Palmeiras 90 minutos sem refresco. Daqui a duas ou três rodadas estaremos em plena forma e será muito mais fácil bater os adversários. O time é bom e os jogadores terão condições de se entrosarem no novo esquema. Mas precisam de um pouco mais de tempo para isso. É obvio que eu também preferia o Cuca, mas ele quis sair e agora vamos de Eduardo. Não podemos fazer pressão para tirá-lo de lá antes da hora, isso só vai prejudicar nosso time.

A Imprensa Esportiva no Brasil puxa o saco dos vencedores, Paulão. Sempre foi, é e continuará a ser assim. Quando foi a última vez que a Globosta passou jogos nossos por três finais de semana seguidos (e vai passar de novo neste próximo, totalizando quatro partidas em cinco sábados ou domingos na sequência)? Nem na época da Parmalat era assim. Estávamos desacostumados com isso graças aos times patéticos montados pelas últimas “gestões” que estiveram no comando do clube e que não davam audiência por serem produtos de segunda linha (na melhor das hipóteses). Quando ao Cuca, não se esqueça de que ele não é um técnico que tem no “papo de boleiro no vestiário” sua característica mais marcante (isto é, está longe de ser agregador de egos inflados), portanto mesmo que volte (e não acho que voltará) não sei se vai resolver o problema da insatisfação de quem não está jogando.

Concordo com tudo o que disse… apesar de ter xingado muito o EB no final de semana… espero que reconheça os erros que cometeu no domingo, em especial o mau posicionamento do Dudu, a utilização de dois postes no meio de campo e a não utilização do Barrios (pode perder gol pra caramba, mas é o único que mostrou algum serviço esse ano e, se perde, pelo já tem uma virtude, é porque está bem posicionado pra ter a chance)… quero muito acreditar que o EB será capaz de nos conduzir a um ano glorioso, mas hoje, por exemplo, vai ser difícil manter a paciência se ele inventar de improvisar o Thiago Martins na lateral pra deslocar o Jean pro meio… se ele continuar nessa linha, vai ser difícil ter vida longa no Palmeiras… torcida hoje também tem que fazer a sua parte… sabemos que dos 3 centroavantes disponíveis pro paulista, o Barrios é o melhor (ou menos ruim), então que deem uma força pro paraguaio, que apoiem o cara e que não comecem a vaiar depois do primeiro erro, pois saindo ele, teremos o Bigode, que é técnico, mas não tem se encontrado nessa posição, ou Alecone.

O ambiente já não é o mesmo entre os jogadores. Daqui a pouco vai começar os ciúmes de quem era titular em 2016 com os recém contratados. E com isso , quem perde é o Palmeiras e nós torcedores.

Burro velho não pega passo, mas San Genaro, dá uma força pra nossa torcida, faz esse “técnico” abrir o olho enquanto ainda temos chance! Batistinha maledeto!

Outra coisa, tá na hora do Prass parar de dar chutões. Caramba, sai jogando meu filho. Volta Cuca. Tá na hora de nossa torcida pedir permissão para a esposa dele liberá-lo para assumir o verdão novamente. Volta Cuca!!! Antes que seja tarde demais.

Impressionante! Não perde essa mania! E agora, depois de velho é que não deve mudar mesmo. Mas, também se o Palmeiras continuar com essa filosofia, de se preocupar mais em se defender do que atacar, adversários teoricamente mais fracos, chutões, Cucabol e São Gennaro serão indispensáveis para o nosso sucesso.

Estão esperando o quê para dispensar o novo M/Oswaldo de Oliveira???
Traz o Cuca logo de volta antes que alguém o contrate.
Volta Cuca!!!!

Espero que o Bap não seja o tio do carrinho do amendoim torrado pilotando uma Ferrari.

Minha crítica ao jogo de ontem é em relação ao excesso de cautela num jogo diante do Ituano. Não tinha necessidade de jogar, quase o tempo inteiro, com quatro defensores e dois volantes. Depois não adianta ir pro desespero no final. Contra os Gambás o Bap vai meter quantos volantes, quatro? Se temos o melhor time das Américas, então que jogue pra frente, pra vencer.

Essa é a filosofia do Dorival Júnior (e não estou pedindo nem defendendo sua contratação, que fique claro!) no Santos. A defesa deles é uma baba, mas o time joga pra fazer gols e faz muitos – e acho pouco provável que por lá alguém diga “Temos um timaço” ou “Entreguem as taças”. O Santos vai ganhar tudo em 2017? Não acredito. É melhor que o Palmeiras? Também não acredito. Mas hoje – enfatizando, HOJE – está melhor preparado que nós para eventuais tropeços e para um torneio totalmente imprevisível como é a Libertadores. E se perdermos dos Gambás no nosso salão de festas preferido, não tenho dúvidas de que o Bap vaza.

Nesse post aqui eu concordo com você Eduardo. Pensando na eventual e provável demissão do Eduardo Batista diante a uma derrota para os gambás , quem na sua opinião deveria ser o nosso treinador. Eu já deixo a minha aqui para você , se ele estivesse a fim de ser treinador e ser responsável , chamaria o Luxemburgo. Mas ai tem que ver até onde está a vontade dele de ser técnico. Na minha modesta opinião , ele saberia lidar com o elenco , com o ego e as vaidades.

Luxemburgo não quer mais saber de futebol, Renato, e isso está na cara. Eu teria efetivado o Alberto Valentim como técnico, mas no primeiro empate em casa todo mundo cairia na jugular dele, como estão fazendo com o Bap. A verdade é que ao ganhar o Brasileirão o Palmeiras adquiriu o status de melhor time do país (nada mais justo para o campeão de um torneio disputado por pontos corridos), mas bom futebol é algo que não praticamos há meses, então para mim o atual momento é apenas a continuação de um filme antigo sem um dos atores principais.

As boas contratações feitas a um time que terminou campeão brasileiro faz com que a maioria da torcida palmeirense se empolgue, e eu me incluo, achando que vamos ganhar todos os jogos, e dos pequenos obrigação de ser de goleada. Por tudo que a midia tem dito, que somos o melhor time, que temos os melhores jogadores, que somos favoritos a ganhar tudo, isso cria uma auto confiança até nos jogadores, que vão entrar pensando que farão gol a hora que quiser. Vamos criando uma ilusão que nosso time é imbativel por ter no elenco tantos jogadores de qualidade. Hoje o futebol jogado no brasil é fraco e mesmo com todo este elenco que temos são 11 que jogam e estes não sobram em relação a maioria dos grandes. E ainda mais sem tche tche, moises no meio, titulares absolutos. Por isso temos que dar um tempo para EB……..Claro que cada um tinha sua preferencia, mas não tinham muitas opções de tecnico sobrando no mercado. Vamos ter mais paciencia e deixar o cara trabalhar, pelo menos neste inicio, até que todos os titulares estejam a disposição e treinando.

Mais uma vez, parabéns pelo raciocínio lúcido, equilibrado e, principalmente, coerente, Marcílio. Seu texto deveria ser copiado e fixado no site do 3VV. Durante boa parte do Campeonato Brasileiro do ano passado alguns poucos torcedores (inclusive eu) criticaram a falta de bom futebol em detrimento da busca pura e simples pelo resultado e o “grande objetivo” (alcançado) que era o título. A questão principal era: enquanto os resultados viessem mesmo sem futebol, seria tudo maravilhoso, mas e quando eles não aparecessem? Não sou, nunca fui e provavelmente jamais serei fã do Eduardo Baptista, mas demiti-lo ainda em fevereiro como quase todo mundo quer hoje seria a homologação do atestado de incompetência dessa recém-empossada diretoria, tendo por base apenas jogos de pré-temporada e do valorizadíssimo Campeonato Paulista.

Essa tal de “auto-confiança” nos próprios jogadores devido ao oba-oba criado vimos ontem, principalmente no primeiro tempo, quando vários deles fizeram firulas desnecessárias, toques de calcanhar, entre outros lances inúteis, achando que venceriam a hora que quisessem. Mas para atitudes assim há uma outra definição: time mascarado.

Sabendo-se que o Cuca realmente ia sair , entre Eduardo Batista e Alberto Valentim que já estava lá e conhecia o elenco , o ambiente e tudo mais , eu efetivaria o Valentim. Que foi jogador e conhece futebol.

Renato, eu também gostaria de terem efetivado o Valentim. Porém imagino que não tenha ficado pois era muito amigão dos jogadores e acho que não teria autoridade em comandar um grupo grande. Penso que foi por isso que o Mattos não o efetivou.

Como dizia meu pai, time que o goleiro sai dando chutão para a frente pode esquecer, muito mal treinado, esse treinador não serve já dá para ver.

Acho que só implantando um chip antibico no cérebro dele. Tá no DNA dele, não tem jeito.

Os comentários estão desativados.