Categorias
Jogos Paulistão 2017

Pós Jogo Santos 1×2 Palmeiras: de virada é mais gostoso

O Palmeiras jogou contra o Santos na Vila Belmiro nesta tarde/noite de domingo. E venceu! De virada. 2×1. Gols de Jean e Willian.

O Palmeiras veio a campo com Fernando Prass; Jean, Mina, Dracena e Zé Roberto; Felipe Melo e Tchê Tchê; Dudu, Guerra e Keno. Foi um bom jogo. O primeiro tempo mais intenso. O Santos veio prá cima no início tentando impor seu jogo e seu mando de campo. No início funcionou e deixou o Palmeiras acuado. Leo Lima tinha muita liberdade. Bruno Henrique levava vantagem sobre Jean e sempre trazia perigo. Vitor Bueno perdeu um gol incrível.

Prass fazia grandes defesas e salvava a casa. O Palmeiras a partir dos 20 minutos começou a equilibrar o jogo. Guerra ainda lento começava a criar. Keno mudou de lado com Dudu. Borja vinha buscar o jogo na intermediária. E o fim do primeiro tempo foi uma pancadaria em cima do gol santista. O goleiro Vladimir fez três grandes defesas em jogadas de Borja e Guerra. E os dois goleiros saíram de campo como os melhores. O empate parecia justo e poderia ter sido 1×1 ou 2×2.

O 2o tempo foi diferente. Eduardo Baptista tirou Guerra e colocou Egidio. Zé Roberto veio pra meia. Não funcionou. O time ficou na intermediária e o Santos cresceu. Prass se destacava com grandes defesas. Egidio deixava espaço atrás. Eduardo Baptista tirou Keno – que estava bem – para colocar Roger Guedes. Depois tirou Zé Roberto para Willian.

O gol santista saiu aos 32 do 2o tempo. O Palmeiras foi pra cima. E o empate saiu aos 40 com uma jogada de Roger Guedes com Jean, que chutou. A bola parecia que ia fora mas o bom goleiro Vladimir espalmou e ela foi pro gol.

Quando o 1×1 parecia um bom resultado pro Palmeiras Roger Guedes fez o chamado “drible da vaca” na direita e cruzou. A bola passou por Borja e chegou em Willian que empurrou pro gol.

2×1. Vitória que acabou com um tabu de 6 anos e colocou o Palmeiras na liderança do Paulistão em pontos, vitórias e saldo de gols.

O time? Hoje não foi bem. Eduardo Baptista nesse domingo teve mais sorte que competência. O elenco palmeirense é forte e foi a principal diferença nessa vitória, contra a fraca defesa santista.

A boa notícia é que o resultado dá tranquilidade para o time trabalhar e evoluir.

***

NOTAS

Prass: um monstro. Merecia o bicho em dobro. 10!
Jean: início inseguro, perdendo todas pro Bruno Henrique. Se salvou com o gol. 7.
Mina: a partida segura de sempre, mas deu uma vacilada em bola pra Ricardo Oliveira que mandou na trave. Hoje, 7.
Dracena: melhor na zaga. 7,5.
: esse jogo ficou devendo. 6.
Egidio: entrou no lugar do Zé e deu muito espaço. 5.
Felipe Melo: guerreiro, raçudo, impôs respeito. Mas o melhor veio no final. “Caldeirão com 5, 7 mil torcedores? Caldeirão é o chiqueiro”. Mito. 8.
Tchê Tchê: jogou muito contra o SPFC e ficou devendo nas duas últimas. 6.
Guerra: quase esquecemos dele. Primeiro tempo instável. Apareceu pouco. Mas quase fez um gol e desarmou contra-ataque perigoso do Santos. Foi substituído no intervalo. 6.
Keno: era o melhor atacante até ser substituído. 8.
Borja: passes errados, às vezes parece displicente, mas foi responsável pelos melhores momentos do primeiro tempo. 7,5.
Dudu: hoje estava esquisito; muito marcado, reclamou por não receber bola. 7.
Roger Guedes: o cara entra e participa dos dois gols…. 9.
Willian: fez o gol da virada. 8.

Eduardo Baptista: teve mais sorte que juízo. Com a vitória em dois clássicos e a liderança da Libertadores vai tranquilo até 12 de abril. Hoje nota 7,5 (10 pela sorte e 5 pelo time).

109 respostas em “Pós Jogo Santos 1×2 Palmeiras: de virada é mais gostoso”

Alguém aí sabe por que o nosso Verdão contratou o Fabiano: pelo futebol não foi, com certeza. Mais uma vez, ontem, não foi a linha de fundo uma vez sequer, lento na marcação, não dá nem prá reserva; e o Egidio, esse é um mistério: ainda está no elenco, mesmo sendo péssimo marcador, acerta um ou outro cruzamento. Só o Mattos explica.
E o treineiro das “loucas” fazendo um péssimo trabalho, 2ª pior defesa do campeonato; e mesmo assim é poupado pela crônica safada; já imaginaram se fosse do nosso time?

Eu acho que o verdão deveria dar outro chapéu nos bambis e trazer o Ewerton que era do Cruzeiro. Apesar de termos o Guerra, esse cara iria bem em nosso meio de campo. Precisamos de um lateral-esquerdo urgente, para jogar no lugar do Zé Roberto quando ele estiver fora. Olho nos urubus já estão falando do Cuca, sei não.

Eu quero que o Palmeiras ganhe a libertadores, conquista o mundial e o EB cale a nossa boca. Simples assim.

Antes de meu comentário ja aviso, não quero trocar de tecnico hoje. Porém ontem ele teve muita sorte. A troca no intervalo, tentei entender que ele queria parar o meio campo do Santos que estava jogando livre o primeiro tempo, a marcação não estava encaixando. Concordo que precisava mexer. Tentou colocar o Zé no meio, pois isso poderia melhorar a marcação e saída de bola. Até ai aceitável. Agora o cara faz a troca, o Santos cresce e domina o meio campo, começa a perder um gol atras do outro, jogando em cima do Egidio, que alem de péssimo na marcação ainda tinha que marcar 2 , 3 jogadores do seu lado, não coloca ninguém para cobrir , espera tomar o gol aos 32 minutos pra depois substituir no desespero. EB pqp…..como vc não tem personalidade. Trocou pra tentar melhorar, ok…… passou 10 min não deu certo …..muda o time de novo, corrige a m.e.r.d.a…… tenha personalidade…. depois foi no desespero……largo.

Temos 15 atacantes e só um segundo volante que sabe sair pra jogar……. o adversario marca o tche tche pronto….não temos mais saida de bola pqp…….e o Arouca hein….não vai voltar mais? manda embora então……

Comentário de quem viu o jogo e entendeu o que aconteceu, e não de quem acha que “gol de sorte” só sai de escanteio ou bola parada. E, principalmente, de quem forma uma opinião pelo que observa e não apenas pelo resultado final.

Parodiando o ditado popular: “A ocasião desfez o fraldão”.

Tentando ser justo e coerente com o que nos oferece a temporada, só vamos ver o quanto que a fralda do Bap aguenta, o quanto o Borja perdeu o faro de gol e até mesmo o quanto o pitbull Felipe Melo sabe latir sem morder quando estivermos em desvantagem num mata-mata. O que vimos de positivo ou negativo até aqui será totalmente esquecido nesses momentos.

cornetar até o EB “errar” e cair só pra usar o famoso: “Eu avisei”

otimo pensamento esse, isso que é torcer

Não cornetar o Bap até ele errar, e sim para ele acertar, deixar de ser fraldão e colocar o time pra frente. Bastou um momento de coragem, de ousadia, para virarmos o jogo contra o Santos, mesmo fazendo um segundo tempo ridículo, e um jogo onde levamos três bolas na trave e o Prass fez diversas defesas difíceis.

Não estou cornetando, isso é fato, goste você ou não. A não ser que você acredite que na eventualidade de uma eliminação precoce (antes de uma semifinal) na Libertadores ou mesmo no Paulista (num clássico), numa partida pouco inspirada, sem sorte e na qual o técnico não conseguiu consertar uma substituição errada, vamos ter algum abaixo assinado pedindo a permanência dele aqui no 3VV. Tem coisa bem pior do que o “eu avisei”, que é o “fantasma dos três pontos”, aquele que só publica comentário (normalmente não maior do que duas linhas) com base no placar e acha que só ele sabe torcer “de verdade”. Ótima postura, isso que é ter opinião.

cornetar até o EB “errar” e cair só pra usar o famoso: “Eu avisei”

otimo pensamento esse, isso que é torcer

O ponto de vista é tão coerente e consistente que basta dar um e que tá tudo resolvido. Isso é que opinar…

* dar um “Ctrl” “C” e “Ctrl” “V” que tá tudo resolvido…

Segundo tempo horroroso do Palmeiras. Até o gol do Santos, estávamos pressionados e satisfeitos com o empate. Quando o gol deles saiu, o Edu, agora queridinho do palmeirense, se obrigou a fazer o que deveria ter feito desde o começo do jogo: meteu o time pra frente, para empatar de novo, e acabou vencendo. Não evoluiu nada, continua o mesmo medroso do jogo com o Ituano. E pela circunstâncias do jogo, Santos na frente, o Palmeiras não jogando nada, achar dois gols no final do jogo e vencer, foi sorte sim.

Achar dois gols no final é dois cruzamentos e gols de cabeça. O gol do Santos foi mais achado que o nosso, e existiram momentos do jogo em que jogamos melhor. Se ele foi covarde ou não, se ele fez a tática certa ou não é discutivel. Sorte? Não. Se faz gol cedo, ganhou porque fez gol cedo. Se ganha no final, ganhou porque o adversário cansou. Perdemos do SCCP com um gol no final, e ninguem disse que foi “azar”.

Quando falo em sorte, não é pelo jeito que o gol foi fabricado (de cabeça, pé, bicicleta, barriga). Falo da cir-cuns-tân-cia, do momento do jogo. O Palmeiras não jogou nada no 2° tempo e estava merecendo a derrota. No jogo contra os Gambás, nem chegamos a estar na frente. Fomos incompetentes no ataque e na defesa, não azarados, pois jogamos grande parte com um jogador a mais e saímos derrotados.

Mas, que continue assim. Vindo o Mundial no fim do ano, pode ca.g.ar (ou ser competente) à vontade.

Eu não entendo o que caracteriza a sorte. Competencia é fazer gol, certo? Concordo que, ficar o jogo inteiro atrás e mandar um cruzamento que acerta o gol (CBR2012, por exemplo), é sorte. Mas acordar pro jogo no final e fazer dois gols em jogadas trabalhadas, não. Tática errada, não sei. Jogou bem? Não, mas nem era obrigado, pq era um classico e estava jogando fora. Tinha que ganhar e encerrar esse tabu. O EB não é um Cuca e eu não o traria. Ta com um trabalho bem OK, no limite do aceitável. Mas isso já é mais do que tinhamos… Digamos que é um 2014 prt 3 com grife. haha

E concordo muito que a circunstancia do jogo era favoravel ao Santos. Mas depois do gol, o Palmeiras cresceu e eles se apequenaram. Tem mais a ver com o mérito do time (e não do EB) e com emocional do que com sorte. Alias, tem sido assim com os jogos do Santos (tomar gol no final) e do Palmeiras (fazer gol no final)

O Palmeiras cresceu porque o Edu se obrigou a tirar o fraldão, botar o time pra frente, que era o que deveria ter feito desde o começo, como eu disse lá no caput do comentário. Agora, foi desespero, para empatar, e acabou achando a vitória, na sorte, no imponderável, na ca.g.ada.

Contra o SCCP não foi azar, foi covardia e incompetência. Isso quase todo mundo comentou por aqui (pelo menos os que aparecem pra comentar nas derrotas e nas vitórias). Não enxerga quem não quer. Quanto aos dois gols de ontem, o Jean foi cruzar pra ninguém na área e o goleiro santista (impecável até aquele momento) colocou a bola pra dentro, depois o Roger Guedes fez uma jogadaça pela direita e cruzou, a bola passou pelo goleiro e três zagueiros (batendo em um deles), o William (que estava quase dentro do vestiário no início da jogada) teve tempo de chegar no meio dos três e tocar a bola no único lugar onde ela poderia entrar no gol. Competência do Jean que cruzou o do William que correu? Sim. Sorte de ambos? De novo: só não enxerga quem não quer.

O gol do Santos não foi na sorte? Muito mais do que o nossos? Além disso, a vitória ontem nao se tratou de “covardia e incompetencia” do Santos?

Eu só relevo porque esses ultimos tempos tem andado bem dificil pra quem só critica. O time não jogou bem, mas passou longe de ganhar so por conta da sorte. Ganhou porque o Santos, em casa, foi incompetente. Concordo que o EB é fraco, mas tem se saído razoavelmente bem.

E concordo. Só não enxerga quem não quer mesmo.

Nos últimos tempos tem andado difícil para quem gosta de ver bom futebol, já pros “fantasmas dos três pontos” essa época do ano é uma beleza, eles aparecem mais que pernilongo em noite de calor com janela aberta. Comentarista de placar e engenheiro de obra feita é a mesma coisa. E só para “corroborar” seu ponto de vista: reveja a partida contra o Corínthians, conte quantas bolas na trave tivemos e quantas defesas fez o Cássio, principalmente durante o período em que jogamos com um a mais (graças a um erro grotesco de arbitragem), e quem sabe você entenda os conceitos de “covardia e incompetência”.

Voce acha que o Santos jogou melhor que nós? Ficaria mais satisfeito de ter jogado o que o Santos jogou e perdido?

Classico na Vila não é pra dar show, cara. É pra ganhar e ganhou. E não foi na sorte.

Só isso.

Foi uma Grande vitória a de ontem. Não dá pra diminuir nosso resultado pq fomos dominados em vários momentos e eles tiveram várias chances de gol. É sempre muito difícil jogar com o santos completo na Vila e contra nós é visível que eles tem uma motivação a mais. Prefiro ressaltar nosso excelente goleiro , o espírito de luta do time que não gosta de perder e busca o resultado sempre e até nosso treinador que entre erros e acertos não tem se omitido, claro que tem sorte por trabalhar com um elenco forte capaz de consertar alguns de seus erros. A vitória de ontem foi muito saborosa. Pela virada no final , pelos milagres do Prass, pela provocação do Felipe Melo e principalmente por ser contra o Santos na Vila onde não venciamos há 6 anos. Eu curti muito e fiquei com a certeza que mesmo precisando acertar alguns pontos pra ter um time mais equilibrado pra sofrer menos, podemos crias ótimas expectativas pra essa temporada. Acho que levantaremos mais taças. Avanti Palestra!

Acho que Eduardo Batista errou feio em colocar o Egidio na Lateral e o Zé Roberto no meio.
Mas corrigiu a tempo. Espero que a torcida apoie o técnico até aqui esta fazendo um bom trabalho

Grande jogo. Digno dos grandes clássicos dos anos 60. Algumas observações: repito: o Palmeiras deveria ter contratado outro lateral esquerdo, Egídio não dá, é fraco demais e o Zé não pode jogar 90 minutos e partidas seguidas.
Outro assunto: Como temos “profissionais” de imprensa safados, ridículos, sem isenção: ontem assistindo na Band o final do jogo Porto e Vitória de Setúbal o árbitro deu 7 minutos de acréscimo em virtude da cera do Vitória; o narrador, não tenho certeza, – peço ajuda dos amigos do blog -, Oliveira Andrade, disse: “esse é um árbitro ideal para apitar jogos do Palmeiras”; em alusão ao árbitro que deu 6 minutos de acréscimo contra o time da Bolívia.
Outra coisa: vocês perceberam que o pior resultado do meio da semana foi a nossa vitória na Libertadores; o empate dos gambás e o empate das “loucas” foram melhores para grande parcela da crônica; bando de safados.

Leu, com relação ao que a Imprensa faz, a única opção viável é ignorar. Como foi (muito bem) exposto num texto publicado no 3VV nesta semana, enquanto estávamos por baixo, com contratações bisonhas e discurso de pobreza, éramos os “derrubadores de Ibope”. Bastou termos ousadia e ambições maiores, ganhando títulos importantes e trazendo bons jogadores, voltamos a ser atração principal. Não importa se jamais vão gostar do Palmeiras, e provavelmente não vão, mas que terão de nos engolir enquanto estivermos por cima.

Não acho que foi sorte. Jogamos como time grande e tentando ficar com a posse de bola, porém os sardinhas são fortes na vila e pressionam. O importante é que o time mostrou que é cascudo e não se abala após levar gol. A substituição do Guerra foi estranha e não surtiu efeito, pois o Egídio entrou mal, mas outro dia deu certo. Talvez o Veiga ou Bastos seria melhor, mas EB quebrou o tabu na vila e foi bestial. Prass sensacional e F Melo mito.

Pessoal, desculpa… Mas sorte? O Palmeiras nao ficou na retranca e fez gol de escanteio nao… Palmeiras alternou momentos em que era melhor na partida, estava jogando com cautela por estar fora de casa, tomou o gol, foi pra cima e virou. Se a tatica de jogar com cautela fora d casa num classico é válida ou nao, é discutivel. Mas dizer que ganhou na sorte tambem é brigar com a realidade. Vladimir foi o melhor em campo do time dos caras, pelo amor…

Brigar com a realidade é dizer que gol de sorte só sai de cabeça ou de escanteio. Ou pior, ver apenas o que se quer. E se o Vladimir foi o melhor deles (e responsável direto pela nossa virada), quem foi o melhor em campo? Pelo amor…

Sim te razão, trabalhar uma jogada e fazer um gol é sorte.

Eu que estou errado.

Parabens =)

E ahn! Se os dois goleiros saem como melhores em campo, quer dizer que foi um bom jogo e que os dois times jogaram bem.

Mas quem sou eu e 90% das pessoas que viram o jogo contra sua opinião sempre imparcial?

Muito bom ganhar do Santos! Na vila então , não tem preço! E o Fraldão ganhou mais um clássico, ele tem me surpreendido de duas formas distintas: como técnico “estudioso” está fazendo mais lambanças do que eu imaginava ( talvez por não ter coragem), mas por outro lado, me parece, está conseguindo manter as coisas tranquilas no vestiário e com esse elenco que temos, talvez seja só o que ele precise fazer, manter o grupo unido e não atrapalhar muito, o resto eles fazem sozinhos…

Cheguei em casa aos 40 do primeiro tempo.
Acredito que o EB hoje apostou na experiência pra vencer o jogo, e teve sua estratégia premiada no final.
O time ganha muita tranquilidade pra trabalhar e evoluir.
Acho que agora EB terá condições de rodar mais o elenco e dar oportunidades para aqueles que têm tido pouco tempo em campo.

Sou contra qualquer movimento pela saída do EB, não tanto pela sua competência pois trata-se de um treinador absolutamente comum, mas sim pela absoluta falta de opções. Ele tem responsabilidade direta nos resultados, mas também temos que destacar que individualmente nosso time é o melhor do Brasil e isso está fazendo a diferença, pois tem muita substituição que ele faz que ninguém entende, hoje tivemos 2 delas.

O Palmeiras só ganhou porque o Santos fez o gol. Aí o Edu Volantão, no desespero, meteu o time pra frente e viramos em três minutos. Não adianta ter uma Lamborghini, mas só usar até a terceira marcha com medo de bater o carro. Jogue pra vencer sempre!

discordo que não jogamos para vencer. Se tivesse escalado o T Santos no Guerra eu concordaria, mas o time foi no mesmo esquema. Perdemos gols incríveis também e ficamos expostos na defesa daí a grande partida do Prass. Se os sardinhas não pressionarem na vila, onde vão pressionar? Precisamos melhorar na marcação sem perder a vontade de atacar. F Melo ainda fica sobrecarregado no meio na minha visão

Peraí, tirar o Eduardo Baptista e colocar quem? Deixa o cara trabalhar. Hoje achei que ele queimou a primeira substituição de forma equivocada, talvez fosse melhor colocar o Michel Bastos ou Rafael Veiga, mas aí teria gente criticando por trocar 6 por meia dúzia. Não sei se foi justo tirar o Keno, que tava jogando bem, mas o cara que entrou no lugar dele simplesmente decidiu o jogo. A terceira substituição foi acertada. Acredito que o Eduardo consiga ir acertando o time até chegar nos momentos decisivos da Libertadores e do Paulista.

Já que a carne tá podre o negócio é comer sardinha.

Só mudou o motivo do que vai dentro da fralda. Antes era medo, agora é sorte.

Às pessoas que ainda querem a cabeça do Eduardo Baptista, deixo duas perguntas:

1) Senão ele, quem então? Luxemburgo? Felipão? Sério, quero ideias concretas. Tirar pra colocar qualquer um só piora a situação.

2) Existe a lenda de que trocar de técnico por si só dá uma arejada e o time de repente embala. Vocês viram a quantidade de time que trocou de técnico no Brasileirão do ano passado e o time continuou a mesma bosta (ou pior)?

Esquecendo resultados (principalmente aqueles obtidos na sorte) e analisando apenas futebol, você está gostando do jeito do Palmeiras atuar com os jogadores que tem? A não ser por alguns devaneios, não vi quem quer que seja sugerir Luxemburgo (decadente) ou Felipão (milionário na China e totalmente defasado taticamente) por aqui. Concordo que tirar isso pra colocar outro isso muda nada, mas não se iluda: não fossem o golaço do Dudu que desestruturou o SPFC no sábado passado e a cera do JW na quarta-feira, que levou o jogo até 51 do segundo tempo, provavelmente EB já não estaria à beira do gramado hoje. Resultado conta muito mais que futebol para garantir empregos nos clubes, e isso não é nossa vontade que vai mudar, infelizmente.

Eduardo, falei do Luxemburgo apenas pra ilustrar a falta de opções no mercado atualmente, não porque alguém aqui tenha sugerido.

Concordo que resultados não deviam ter a importância que se costuma dar na hora de avaliar técnicos, mas eu vejo um time na ascendente, independente de ter vencido 3 dos 4 jogos-chave.

A gente percebe a decadência de um clube de futebol quando Luxemburgo é cogitado pra substituir Cristóvão Borges (claro que estou me referindo ao Vasco)… O time está evoluindo muito mais pela pressão que o Eduardo vem sofrendo no sentido de deixar de ser medroso e colocar a equipe para atacar (seja dentro ou fora de casa), essa característica o treinador só vai perder no momento em que se conscientizar definitivamente de que aqui não é Ponte Preta nem Sport. E eu mesmo destaquei no final de fevereiro que a tabela deste mês de março (até aqui, sem derrotas) definiria o futuro do EB no Palmeiras. Mas volto a insistir: não se iluda muito com essa história de “não há boas opções no mercado” (e não há mesmo), se perdermos os verdadeiros jogos-chave (mata-matas na Libertadores e do Paulista) e começarmos o Brasileiro titubeando, ele cai.

Thiago, você matou a pau o coro desses corneteiros que pedem a saída do EB. Eu fiz exatamente as mesmas perguntas a uns amigos que já pediam a cabeça dele após a derrota para os gambás. A resposta deles? Silêncio total.

Assim como no jogo da Libertadores, o Roger Guedes entrou bem demais.

Ele tava precisando comer um banco para mudar a atitude…estava muito displicente..quem sabe volta à jogar bem!

O que não faz um chá (no caso, foi mais uma “sopa”) de banco…

Como diziam os generais romanos após mais uma batalha vitoriosa: Vim, vi e venci.

Largo mesmo. O time não jogou nada, aliás, vitória pra encobrir muitos erros, e a vontade de alguns jogadores só surgiu depois do gol das sardinhas.

Você entendeu exatamente o que eu quis dizer com “largo”. Os erros continuam aos montes, principalmente na saída de bola, e não sei até quando vamos nessa toada. De qualquer forma, achei o primeiro tempo bom e o segundo tecnicamente fraco, os gols só saíram na base do “pebolim” (a bola sempre bateu em alguém e desviou matando a defesa antes da conclusão). E o banco parece ter feito bem ao sr. Roger Guedes, que praticamente decidiu a partida.

Alguns comentários:

1) Eduardo Baptista teve 3 vitórias nos 4 jogos considerados difíceis, sendo duas vitórias em clássicos. O time ainda pode melhorar, mas houve uma nítida evolução. Essa é pros torcedores sem paciência que já estavam pedindo a cabeça do técnico, se dependesse de vocês a gente estaria de técnico interino apanhando nesses jogos.

2) Qual a justificativa pra colocar Egídio quando Zé Roberto está em campo? Acho que o Eduardo Baptista viu que o Jean tava tomando sufoco na direita e resolveu equilibrar as coisas, deixar ruim dos dois lados.

3) E esse Borja, hein? Pqp, Ricardo Oliveira com 40 anos deve ter corrido o dobro que ele, chutado e cabeceado duas vezes mais. Sei lá se está fora de forma, mas se for pra ficar se arrastando prefiro começar com o William mesmo.

Não vi evolução nenhuma hoje. Teve é muita sorte. O segundo tempo do Palmeiras foi pavoroso. Ttes pontos pra nós.

Po bixo, compara os primeiros jogos, o clássico com o Corinthians, com esses últimos 4 jogos.

Nego também fala como se o Santos fosse uma naba. Bruno Henrique, Thiago Maia, Lucas Lima, Renato…meio campo dos caras não deve pra nenhum no país. E os laterais deles são claramente melhores que os nossos.

Acho incoerência cobrar o Borja praticamente pelos mesmos motivos que se defende o Eduardo. Nenhum deles é espetacular nem uma porcaria, mas cada um está devendo (bastante) na sua área. O “SE” não entra em campo, mas se não fosse uma defesa fantástica do Prass no começo e os mais de 50 minutos de jogo (pouco pela cera feita pelos bolivianos) no segundo tempo na quarta-feira, estaríamos hoje fora da zona de classificação do grupo na Libertadores, será que alguém consideraria alguma “evolução” empatar com o Jorge Wilstermann em casa? E embora o Borja tenha perdido alguns gols fáceis nos últimos jogos, depender muitas vezes dos lançamentos de Prass e Mina jogando de forma isolada lá na frente, ainda buscando adaptação a um país totalmente novo, será que não conta? Resumindo: o técnico tem seus méritos mas ainda tem MUITO o que melhorar, e seu trabalho não pode ser analisado apenas pelos placares/resultados (nesses quatro jogos com três vitórias, exceção feita ao segundo tempo no clássico de sábado passado o time jogou pouco), principalmente se ele voltar a armar o Palmeiras como time pequeno, e o atacante colombiano está mal mas tem crédito e ainda muito o que evoluir. Espero que o EB tenha a mesma sequência de vitórias quando elas realmente forem vitais e que o Borja deixe pra marcar seus gols em partidas realmente decisivas. Ou usamos de coerência ou as comparações serão injustas para ambos.

Eduardo, acho que você tem um ponto. Mas eu estou apenas cornetando o Borja, não quero que ele saia do Palmeiras. Acho que é muito pouco tempo pra cravar o quão útil ele pode ser. Da mesma forma, acho que o time do Eduardo Baptista tem os seus defeitos, acho que ele em si tem defeitos, mas não entendo a cabeça de quem quer demissão. É uma solução drástica que deveria ser reservada apenas a quem é muito muito ruim (como o Marcelo Oliveira).

Nem achei que você queria o Borja fora, tentei apenas usar um raciocínio coerente. Assim como no caso do treinador, vamos tirá-lo pra colocar quem, o Rafa Marques (rei dos gols em clássicos) ou o Alecsandro (multi-campeão pelos clubes em que jogou)? Espero mais dele no seu pior dia do que dos demais em suas “noites mais estreladas”. Em tempo: discordo de alguns pontos de vista mas gosto dos seus comentários, eles costumam ter conteúdo acima da paixão, algo pouco comum.

Esse Felipe Melo tem barulho de locomotiva desgovernada na cabeça. Faz dancinha depois do gol, provoca o estádio inteiro ao término da partida, depois fala em Jesus, dá abraço em adversário e ainda sai dizendo que “nunca viu caldeirão com cinco mil pessoas”. Qualquer dia vai imitar o Cantona. Quando se aposentar vai trabalhar na série “Velozes e Furiosos”…

Os sardinhas estão putos da vida com o menosprezo ao “caldeirão” da Vila. O Felipe Melo é meio xarope mesmo kkk

Soube que a torcida santista passou o jogo gritando “Não é mole não, Felipe Melo afundou a seleção” (não percebi isso pela televisão), ele apenas “respondeu” à provocação. Mesmo assim, ele não deixa nada barato, deve tomar remédio tarja preta. Não é do meu tempo e só conheço pelo que li a respeito, mas não me surpreenderia se o Felipe tivesse o mesmo (trágico) final do Almir Pernambuquinho. Cara doido…

Ricardo Oliveira e Lucas Lima , desejo a vocês uma excelente noite e boa semana…..

Jogo disputado, em que na verdade o empate seria o resultado mais justo, mas com três gols c.a.g.a.d.o.s acabamos virando e vencendo na Vila depois de seis anos. O Bap deveria que aproveitar sua fase “virado pra lua” (com duas vitórias seguidas em clássicos, garantiu emprego pelo menos até a primeira rodada do Brasileirão…) e treinar mas saída de bola, pois depender dos nossos “armadores” Prass e Mina é dose pra corvo…

Pode-se falar muita coisa (a maior parte, negativa) sobre o “Machadão” (um híbrido entre “Machão” e “Fraldão”), mas o cara é “largo”…

Isso é um ótimo sinal, se o nosso técnico “é largo”. O Felipão ganhou muito sendo “larguíssimo”.

Ganhou de Copa do Brasil pelo Criciúma até Copa do Mundo pelo Brasil. No dia em que o Baptistinha superar o âmbito regional, tipo Copa do NE, aí a gente começa a comparação…

Oba. Os fantasmas dos tres pontos virão com tudo, depois de 85 minutos.

Já abri um guarda-chuva aqui sobre o computador, pois eles virão até do céu…

Cinco posts abaixo. Acabou o jogo, eles já estão dando a cara…

Se jogar com vontade tem grandes chances de sair vencedor. Mas isso só pode acontecer se entrar sempre com vontade , com desejo de vencer , caso contrário não dá.

Até o time da Ferroviária consegue vencer o Santos na vila Belmiro. O Palmeiras não.

O caso do Borja acho que é olho gordo. Nem mandar o colombiano pra uma benzedeira, ou na festa da Achiropita.

foi mal feito mesmo, o medo é o mesmo de jogar no Morumbi.

Não jogamos todo ano por lá pois de vez em quando o Coxa está na Série B (bem, às vezes somos nós…), mas o Couto Pereira é outra zica.

Impossível ganhar Libertadores com Egídio , Jean e um centroavante que custou os olhos da cara
e anda no campo esperando a bolinha no pé.

Que medo é esse de jogar na vila Belmiro. Eu estou certo que o planejo para 2017 foi mau feito , péssimo treinador e contratação de jogadores muito duvidosos , o tal de Borja é um deles.

Apesar de ser mais movimentada, fica paralela à Alameda Jean, s/nº.

E não é que o “caminho” pra sair do congestionamento foi por lá?

E ainda tomamos gols desse pastor enganador. Realmente esse Egídio é ridículo.

Eu esperei essa sequência de jogos, clássicos e libertadores, para tirar uma conclusão sobre EB. Pode dispensar enquanto é tempo

Quero estar convicto de que esses caras não estão nem ai para o campeonato paulista , porque o futebol apresentado pelo Palmeiras é muito feio , cansativo de assistir.

Faz tempo que está assim, em todas as competições. Mudam os campeonatos, os objetivos e os adversários, mas o nível geral é o mesmo, o lema continua sendo única e exclusivamente “tudo pelo resultado”. Já tivemos muitos campeões assim (inclusive nossos maiores rivais), mas está longe de ser algo bonito de se ver.

Eles já se tocaram que o nosso lado esquerdo de defesa é uma mina de ouro. É só explorar.

Zé Roberto e Jean não conseguem marcar as laterais do campo, muito lentos.

Nós. É só olhar os posts desde o final do ano passado e de antes desta temporada começar. Um é “quebra-galho”, o outro apesar de ser um cara de grupo imprescindível não tem mais idade pra correr atrás de moleques. Pra enfrentar São Bentos e Linenses, talvez até um time do terceiro escalão da América (as equipes do nosso grupo não são fortes, mas têm jogadores jovens que correm bastante), eles dão conta. Pra voos mais altos, ainda mais considerando seus reservas imediatos, o perigo é real.

Jogo bem aberto. Temos que controlar mais o meio de campo. E o Felipe Melo tem que segurar a onda…

Quem defendeu mais? O Wladimir ou a nossa trave? Jogo equilibrado.

O Prass. Ainda bem que não o mandamos pra reserva, como foi cogitado. Jaílson é um bom goleiro, apenas isso.

Os comentários estão desativados.