Pós Jogo Santos 1×2 Palmeiras: de virada é mais gostoso

O Palmeiras jogou contra o Santos na Vila Belmiro nesta tarde/noite de domingo. E venceu! De virada. 2×1. Gols de Jean e Willian.

O Palmeiras veio a campo com Fernando Prass; Jean, Mina, Dracena e Zé Roberto; Felipe Melo e Tchê Tchê; Dudu, Guerra e Keno. Foi um bom jogo. O primeiro tempo mais intenso. O Santos veio prá cima no início tentando impor seu jogo e seu mando de campo. No início funcionou e deixou o Palmeiras acuado. Leo Lima tinha muita liberdade. Bruno Henrique levava vantagem sobre Jean e sempre trazia perigo. Vitor Bueno perdeu um gol incrível.

Prass fazia grandes defesas e salvava a casa. O Palmeiras a partir dos 20 minutos começou a equilibrar o jogo. Guerra ainda lento começava a criar. Keno mudou de lado com Dudu. Borja vinha buscar o jogo na intermediária. E o fim do primeiro tempo foi uma pancadaria em cima do gol santista. O goleiro Vladimir fez três grandes defesas em jogadas de Borja e Guerra. E os dois goleiros saíram de campo como os melhores. O empate parecia justo e poderia ter sido 1×1 ou 2×2.

O 2o tempo foi diferente. Eduardo Baptista tirou Guerra e colocou Egidio. Zé Roberto veio pra meia. Não funcionou. O time ficou na intermediária e o Santos cresceu. Prass se destacava com grandes defesas. Egidio deixava espaço atrás. Eduardo Baptista tirou Keno – que estava bem – para colocar Roger Guedes. Depois tirou Zé Roberto para Willian.

O gol santista saiu aos 32 do 2o tempo. O Palmeiras foi pra cima. E o empate saiu aos 40 com uma jogada de Roger Guedes com Jean, que chutou. A bola parecia que ia fora mas o bom goleiro Vladimir espalmou e ela foi pro gol.

Quando o 1×1 parecia um bom resultado pro Palmeiras Roger Guedes fez o chamado “drible da vaca” na direita e cruzou. A bola passou por Borja e chegou em Willian que empurrou pro gol.

2×1. Vitória que acabou com um tabu de 6 anos e colocou o Palmeiras na liderança do Paulistão em pontos, vitórias e saldo de gols.

O time? Hoje não foi bem. Eduardo Baptista nesse domingo teve mais sorte que competência. O elenco palmeirense é forte e foi a principal diferença nessa vitória, contra a fraca defesa santista.

A boa notícia é que o resultado dá tranquilidade para o time trabalhar e evoluir.

***

NOTAS

Prass: um monstro. Merecia o bicho em dobro. 10!
Jean: início inseguro, perdendo todas pro Bruno Henrique. Se salvou com o gol. 7.
Mina: a partida segura de sempre, mas deu uma vacilada em bola pra Ricardo Oliveira que mandou na trave. Hoje, 7.
Dracena: melhor na zaga. 7,5.
: esse jogo ficou devendo. 6.
Egidio: entrou no lugar do Zé e deu muito espaço. 5.
Felipe Melo: guerreiro, raçudo, impôs respeito. Mas o melhor veio no final. “Caldeirão com 5, 7 mil torcedores? Caldeirão é o chiqueiro”. Mito. 8.
Tchê Tchê: jogou muito contra o SPFC e ficou devendo nas duas últimas. 6.
Guerra: quase esquecemos dele. Primeiro tempo instável. Apareceu pouco. Mas quase fez um gol e desarmou contra-ataque perigoso do Santos. Foi substituído no intervalo. 6.
Keno: era o melhor atacante até ser substituído. 8.
Borja: passes errados, às vezes parece displicente, mas foi responsável pelos melhores momentos do primeiro tempo. 7,5.
Dudu: hoje estava esquisito; muito marcado, reclamou por não receber bola. 7.
Roger Guedes: o cara entra e participa dos dois gols…. 9.
Willian: fez o gol da virada. 8.

Eduardo Baptista: teve mais sorte que juízo. Com a vitória em dois clássicos e a liderança da Libertadores vai tranquilo até 12 de abril. Hoje nota 7,5 (10 pela sorte e 5 pelo time).