Pós Jogo Palmeiras 1×0 Jorge Wilstermann: na garra

O Palmeiras venceu o Jorge Wilstermann por 1×0 no Allianz Parque na noite dessa quarta-feira. O gol foi de Yerry Mina, aos 50 minutos do 2o tempo.

A bola pune. Essa seria a melhor frase para definir o resultado para o adversário. Sem querer jogar futebol, o time boliviano se defendia com duas linhas de 5 e 4 jogadores na metade do seu campo. Ficava apenas um atacante lá no meio esperando aquela bola para tentar algo.

O Palmeiras veio com a sua melhor formação possível. Felipe Melo, Michel, Tchê Tchê, Guerra e Dudu com Borja no ataque.

E martelou, martelou…. Guerra muito bem no 1o tempo, armava o time em todos os lados do campo. Mesmo assim a retranca boliviana era forte e foram poucas chances, mas algumas agudas. Uma delas com Borja, que de cabeça desperdiçou a maior oportunidade dos primeiros 45 minutos.

Na etapa final o Jorge W. continuava com sua balada. Jogadores caiam no chão, demora para repor a bola, tudo isso embaixo do olhar complacente de um árbitro molenga. A melhor chance apareceu nos pés de Guerra que apareceu livre na cara do goleiro e se atrapalhou com a bola. Eduardo Baptista trocou. Tirou Michel Bastos para a velocidade de Keno. O atacante foi pro lado esquerdo do campo e Dudu veio pro lado direito.

Depois tirou Guerra para a entrada de Roger Guedes. Dudu saiu da direita e foi pro meio armar. Guedes tinha velocidade e ajudava a empurrar os bolivianos para seu gol. Dos seus pés saíram algumas boas jogadas.

Aí veio Willian no lugar de um apagado Tchê Tchê. O Palmeiras jogou com dois atacantes, numa espécie de 4-1-3-2.

E martela, martela, até que a bola puniu JW e premiou o esforço e a garra palmeirense. Aos 50 minutos do 2o tempo depois de uma falta do lado esquerdo Dudu cruzou, houve um bate rebate na área e Roger Guedes se livrou do zagueiro e cruzou rasteiro. Mina empurrou para o gol para delírio de 38 mil palestrinos que não arredaram o pé do Allianz.

Vitória suada, na garra, contra um adversário que não veio jogar bola e contra um juiz tolerante com cera e anti-jogo. Isso é Libertadores.

Saudações Alviverdes!