Peñarol 2×3 Palmeiras: que jogo!

O Palmeiras venceu por 3×2 o Peñarol e praticamente está classificado para as oitavas de final da Copa Bridgestone Libertadores. Willian (2) e Mina fizeram os gols.

Mas que jogo!

Eduardo Baptista cometeu um grande erro ao lançar o Palmeiras em campo com três zagueiros. Prass, MIna, Dracena, V. Hugo; Jean, Roger Guedes, Felipe Melo, Guerra, Michel Bastos e Egidio; Borja. Num 3-6-1 que deveria se transformar num 3-4-3 e jogando de forma compacta, o Palmeiras foi um time desorganizado, mal posicionado, sem posse de bola, errando passes e que foi totalmente dominado pelo Peñarol. Não podia dar outra. Tomamos dois gols e não demos um chute a gol.

O Palmeirense mais entusiasta chegou a pensar em desligar a tv e ir dormir.

Só que não.

Eduardo Baptista voltou pro segundo tempo com Willian no lugar de Victor Hugo e Tchê Tchê no lugar de Egidio. Funcionou muito bem! O time voltou pro seu feijão com arroz. 4-1-4-1. Jean cresceu na partida. Guerra, que estava apagado, foi o melhor em campo. E Willian teve a competência e a estrela dos artilheiros. Fez um golaço logo no início do 2o tempo. A jogada começou pela direita, com Jean. Depois Roger Guedes perdeu dentro da pequena área outro gol, nova jogada de Jean.

Só dava Palmeiras. O Peñarol sentiu o gol. Mina entrou por traz da zaga e escorou um perfeito cruzamento novamente de Jean. 2×2.

O empate para quem teve um primeiro tempo desastroso já era uma vitória. Mas o Palmeiras continuou jogando no mesmo ritmo. O Peñarol saiu pro jogo e as coisas ficaram mais fáceis. Guerra, que estava dominando o meio campo acertou um chute de fora da área. O goleiro espalmou e Jean cruzou para Willian virar o placar.

3×2. Eduardo Baptista foi de besta a bestial em 45 minutos. Inventou um esquema onde os jogadores claramente não estavam preparados para jogar e quase colocou tudo a perder. Percebeu a besteira e corrigiu muito bem no intervalo. E o resultado veio.

***

Nota muito desagradável. O pau comeu no final do jogo. A coisa começou com Felipe Melo. Virou briga generalizada. A polícia não interviu. Fecharam as portas do vestiário. Vários jogadores palmeirenses saíram com hematomas e sangrando (Prass, Willian). Felipe Melo também foi agredido e revidou.

E depois foi pra torcida. E novamente sem polícia.

Coisas que não combinam mais no futebol do século XXI. Se a Conmebol fosse séria, esse estádio e esse time do Peñarol não jogaria mais uma partida de Libertadores.

Lamentável!

131 Comments Added

Join Discussion
  1. Exatamente, tivesse mudado aos 30 do primeiro tempo não teria tomado o segundo gol. E o medo dos que
    teriam que sair´ né treinador ?

  2. Marcilio Jr 27/04/2017 | Responder

    Ontem realmente nosso técnico teve muita sorte. Time tomar sufoco deste time horroroso do penarol, não viu a cor da bola no primeiro tempo. E time que ta perdendo 2×0 ou mais qq tecnico é obrigado a fazer alguma coisa e ele fez o óbvio. O cara coloca um esquema novo, toma vareio de bola, troca ca.r.a.l.h.o….não precisa esperar o intervalo. O que mais me irrita é essa falta de personalidade, de moral . Sem peito pra tirar um jogador antes do intervalo,
    Vitor Hugo ontem, Zé Roberto contra a ponte pois não se garante. Como nunca ganhou nada não quer “queimar” um jogador antes do intervalo, mesmo que isso comprometa o resultado para não perder o grupo. Mas mesmo assim não acho que deva sair, troca-lo por qq outro. Se viesse o Cuca sim, mas o resto é tudo a mesma m. Falam de Abel Braga, retranca total, eu não gosto, conseguiu perder 2 titulos de CB contra Paulista e S.André no maraca lotado. São poucos que conseguem montar um time de acordo com a característica dos jogadores, sempre tentam adaptar o jogador ao seu esquema. Por isso mesmo com restrições acho que deve ficar, por falta de outro melhor.

  3. Rodrigo Bovino 27/04/2017 | Responder

    Tive acesso as conversar no vestiário durante o intervalo.
    Jogadores:
    “Professor, para de atrapalhar e deixa a gente ir lá e jogar, não inventa moda, fica só de olho lá e deixa que a gente resolve”
    Eduardo(Filhote de Nelsinho):
    “Pessoal, faz o seguinte, entra lá e joguem do jeito de vocês não vou mais falar nada pra não atrapalhar”
    Resultado, viramos o jogo.
    Não é porque o Eduardo filhote de Nelsinho deu aquele chilique depois do jogo que ele passou a ser um bom técnico, mais uma vez ele quase afundou o barco. O que ele fez no segundo tempo não foi dar um nó tático no adversário, foi apenas desfazer a cagada que tinha feito, colocou os jogadores pra jogar como eles sabem e os jogadores resolveram.
    Se o Penarol não é um time ruim de dar dó tínhamos perdido.
    Outra coisa, não é dando chilique que se ganha respeito, é com atitudes, não adianta gritar que é homem pra caralho, tem que provar.

    • Arnaldo 27/04/2017 | Responder

      Assino embaixo! Faço minhas, as suas palavras.

  4. Em 1983 eu pertencia a uma extinta torcida do Palmeiras chamada Inferno Verde. Após um jogo contra o Juventus no Pacaembu pegamos o tal de Kfouri de jeito na saída do estádio do Pacaembu . encostamos o cara na parece e ele só faltou se ajoelhar pra não tomar uma surra. Naquela época ele já fazia isso com o Palmeiras com a complacência dos dirigentes. O negócio é ir pra cima dele de novo.

    • Ele nasceu em 1950, só foi ver seu time ganhar alguma coisa quando tinha 27 anos e passou toda a infância e adolescência sendo zuado (naquela época não se falava em bullyng) pelos colegas e amigos, principalmente palmeirenses. Dá para entender o ódio pelo Palmeiras que ele desenvolveu, o que não se justifica é a sua falta de caráter. Trabalhei 22 anos na Abril e cruzei com ele algumas vezes. As poucas pessoas com quem eu tinha contato e que ao mesmo tempo conviviam com o Kfouri na época eram unânimes: sujeito arrogante, prepotente e puxador de tapetes, que acabou tendo o seu próprio puxado.

  5. Alguém me corrija se eu estiver errado:
    Havia duas grades separando a torcida do Palmeiras da torcida do Peñarol e uma área vazia entre essas duas grades. A torcida do Palmeiras ultrapassou a primeira grade e invadiu essa área vazia. Ali que aconteceu essa confusão entre as duas torcidas. Foi isso mesmo?

    • Matheus 27/04/2017 | Responder

      Não, a linha de frente de mancha verde fez uma contenção na primeira grade, porque a torcida do Peñarol invandiu a área vazia e tentou invadir a torcida do Palmeiras em seguida.

Leave Your Reply