Categorias
Paulistão 2017 Resenha dos Jogos

Pós Jogo Palmeiras 1×0 Ponte Preta: vitória insuficiente

O Palmeiras venceu a Ponte Preta por 1×0 no Allianz Parque nesta tarde-noite de sábado.
Não foi suficiente. No resultado agregado das duas partidas perdemos por 1×3 e a Ponte foi pra final do Paulistão 2017.

O gol do Palmeiras foi de Felipe Melo aos 37 do segundo tempo.

Mas a resenha do jogo vai ficar de lado. Os palmeirenses já falaram sobre o jogo. Apesar do domínio, dos pênaltis não marcados, da cera da Ponte Preta, o Palmeiras foi ineficiente no ataque. Finalizou poucas vezes. Aranha fez apenas uma grande defesa. No mais, o erro de pontaria e o excesso de chuveirinhos na área impediram o Palmeiras de fazer os gols que tanto precisava.

Então esse pós jogo vai falar do pós Paulista.

O palmeirense se pergunta: e agora? Eduardo Baptista depois de quase 4 meses e da paciência de muitos torcedores não conseguiu dar um padrão pra esse time. O considerado melhor elenco do Brasil não foi capaz de encantar seu torcedor nas 21 partidas realizadas em 2017. Salvo talvez ao jogo contra o SPFC, e a uma ou outra goleada contra os pequenos. Muito pouco para um time caríssimo, contratado a dedo, com elenco de pelo menos 15 potenciais titulares.

Pior: o time de Eduardo Baptista não joga compacto, não apresenta jogadas pelas laterais, joga na base do chuveirinho, e mesmo com os reforços de Guerra, Borja, Felipe Melo, Michel Bastos, Keno, Willian, o time campeão brasileiro de 2016 não demonstra nem entrosamento e muito menos a agressividade dos tempos do “Cucabol”.

Outro problema evidente: o treinador parece não ter o elenco na mão. Ora os boleiros entram pilhados demais – como em Tucuman, com uma expulsão boba de Vitor Hugo no início, ou nos amarelos de Felipe Melo e Dudu; e ora entram dormindo – como em Campinas semana passada, quando perdemos o título paulista em menos de 20 minutos.

Eduardo Baptista – e por tabela o Presidente e sua diretoria – arriscam a temporada do Palmeiras esse ano. Um resultado negativo em Montevideu pode pressionar o time para a partida na altitude boliviana ou na última partida contra um Atlético Tucuman descompromissado. Seria um desastre não confirmar a classificação.

A torcida – boa parte dela – pede a substituição do treinador. Por quem? Nessa altura, pouco importa. A pior decisão é não decidir nada. O tempo que o treinador precisava pra mostrar seu potencial foi dado. Talvez sua contratação tenha sido um erro. Mandá-lo embora quando a desconfiança bateu na porta do palmeirense talvez não fosse uma decisão de bom senso. Mas nesse momento, 4 meses após treinar um elenco de estrelas, e depois de perder uma classificação pra final do Paulista para a Ponte Preta de Gilson Kleina Bob e Potker, nos parece que persistir no erro na manutenção do treinador já vai extrapolar o bom senso.

Que os deuses do futebol iluminem a cabeça dos que têm a caneta na mão.
Saudações Alviverdes!

115 respostas em “Pós Jogo Palmeiras 1×0 Ponte Preta: vitória insuficiente”

A vitória de ontem do Atlético Tucuman jogou o Peñarol para o último lugar no grupo. Isso quer dizer que, para eles, o jogo de hoje é “final de Libertadores”. Para os uruguaios é ganhar ou ganhar. Será, sem dúvida, um ótimo teste para o Palmeiras. Veremos se temos um time com qualidade – e de homens – hoje à noite. Se o Palmeiras perder fragorosamente diante do Peñarol já desesperado, é porque o time não está preparado para conquistar a Libertadores e teremos de tomar providências urgentes.

Ouvi esse papo de que a Ponte “jogaria uma final de Copa do Mundo” contra nós e deu no que deu. Acho que precisamos mudar o discurso, até porque sabemos que TODO adversário quer ganhar de nós, a questão é saber quem tem condições para isso, sejam elas técnicas ou psicológicas (e nesse último aspecto já vimos que temos um time juvenil), senão haja fralda (pra todo mundo). Ou o Palmeiras passa a se transformar também num protagonista de “final” seja lá qual for ela, ou vamos continuar arrumando eternamente desculpas para nossa incompetência. Já estou até vendo, tipo oitava rodada do Brasileirão: “O Bahia joga uma final de Mundial hoje contra o Palmeiras na Fonte Nova”…

Derrota do Jorge Foreman foi ótima ontem. Um simples empate hoje e ficaremos bem perto da
classificação.

Eu gostaria muito que o EB fosse demitido hj mesmo mas não consigo torcer contra o Verdão. A minha torcida é sempre por um 5×0 mas o meu palpite é que vamos empatar no Uruguai. Aposto tbm que haverá mudanças no time. Acho que Thiago Santos entra no meio no lugar do Tchê Tche avançando o Felipe Melo pra segundo volante. Tbm aposto num ataque com Michel Bastos , Willian e Keno, Borja vai curtir um banquinho hj. Com isso meu palpite pra hj a noite é: Prass, Jean, Mina, Dracena e Egídio; Thiago Santos , Felipe Melo e Guerra; Michel Bastos , Keno e William.

Concordo como Paulão.
O presidente beja-mão disse que não vai demitir o estagiário. Estão errando da mesma maneira do ano passado. O estagiário está queimando o Borja assim como o pai dele queimou o Evair.
Olha o Abel Braga no Flu, isso sim é técnico.
Tá na cara que os jogadores não suportam o estagiário.
O Cuca volta, basta ligar para ele.
Mas, como o presidente beija mão depende do padrinho Mustaphá, vai esperar o time cair fora de tudo para tomar uma atitude.
Caramba até o Seraphin passou para o lado do Mustaphá??
Dona Leila, quer nossa presidenta, traga o Cuca de volta.

Essa vitória do Tucuman praticamente sela nossa classificação às oitavas, desde que vençamos em casa o próprio Tucuman na última rodada. Mas isso não quer dizer muito, já que se mantivermos o estagiário até lá só chegaremos às quartas se formos agraciados com um sorteio benevolente. Observei bastante, mas estou convencido de que com ele não ganharemos nada. Tá fazendo com Borja o que o papai fez com o Evair. É fraco e não tem o comando e nem o respeito do time. Duro é ver essa história ridícula de melhor time e elenco, os adversários só estão dando linha pra zoação ser ainda maior quando as eliminações vierem. E o pior é que muitos estão acreditando… se não limarem o cara rapidinho esse ano vai ser terrivelmente inesquecível.

O gato subiu no telhado com esse episódio do Roger Guedes (que é bom jogador mas não o craque que acha ser). Chega a ser patético ver o Mattos dando explicações dizendo que ali existe “ordem e hierarquia”, quando a gente está cansado de saber que falta de comando mais elenco de estrelinhas NUNCA deu certo em time algum do planeta. Continuo achando o mesmo: faltam quatro dias pra acabar abril e nada será feito de hoje para amanhã, mesmo com derrota, mas o EB não termina maio no Palmeiras.

Estou acompanhando (“assistir” seria uma expressão forte demais…) o embate entre Atlético Tucumán e Jorge Wilstermann, uma autêntica pelada de luxo (algo no nível de um Remo X Cuiabá pela nossa Série C) cheia de “emoções” provocadas pela técnica pífia. Na verdade, estou tentando entender porque nosso treinador top, “que precisa de tempo para emplacar seu estilo”, e nosso elenco estelar, “o melhor das Américas”, não conseguiram vencer nenhuma dessas equipes dentro dos 90 minutos regulamentares, mas está difícil.

Quem estava no estádio sábado, tenho uma dúvida:
A vaia na saída do Borja foi para ele ou para a substituição de um centroavante por outro?

Pra mim , olhando o cenário atual do futebol brasileiro, se eu fosse o Alexandre Matos , traria o Dorival Júnior de novo. Ele já está desgastado no Santos e acho que não seria tão difícil tira- lo de lá. Vem fazendo um ótimo trabalho lá nos últimos 3 anos com elenco bem enxuto, poucas opções e sempre fez o Santos jogar bom futebol, sempre! Não me lembro de ver o Santos jogando de forma desorganizada como o Palmeiras por exemplo. Quem quiser discordar e lembrar dá última passagem dele na SEP em 2014 fique a vontade, só não esqueça que aquele time era de série C, tinha Natan, João Pedro, Lucio, Wesley, Diogo e Henrique Ceifador. Acho q não precisa falar mais nada né?! E mesmo assim teve um momento naquele campeonato que o time engrenou uma sequência de 5 ou 6 jogos sem perder que foi o q nos salvou do rebaixamento. Além disso o Dorival parece um bom gestor de pessoas, não arruma treta com jogadores, sabe montar times e tem o respeito da mídia ( que tbm ajuda ) . Acho uma boa opção.

Paneleiro, sempre faz um grupinho, e no nosso elenco atual, o que não queremos é justamente um técnico com essas caracteristicas….

Pode ser, mas um técnico b.un.da mole que deixa os jogadores fazerem o que querem do jeito deles, que não tem liderança alguma sobre a equipe e ainda joga a cabeça de quem não está atuando bem (principalmente por culpa do esquema que não presta) na bandeja para a torcida não deve em hipótese alguma ser considerado melhor.

Quem assiste aos jogos e não fica somente torcendo de forma doentia e cega, consegue notar tranquilamente a diferença do time desse ano com o do ano passado. Ano passado enfrentando times mais difíceis no BR tbm não jogávamos um futebol vistoso, longe disso, mas era muito mais eficiente e consistente, tinha padrão tático , o time era compactado e fazia gols que surgiam de jogadas treinadas como triangulações na beirada do campo e jogadas de bola parada onde Victor Hugo e Mina disputavam quem fazia mais gol. Hj tá um deserto só, não tem jogada, o time toma vários contra ataques bobos, e ainda entra disperso nos jogos. Fora o burburinho de que o nosso preparador físico/aprendiz de estagiário perdeu o vestiário. Precisa de mais algum argumento pra trocar o comandante?

Treinamento tático fechado no Palmeiras. Foram feitos 135 cruzamentos, (no jogo contra a ponte foram 60) Egidio cruzou 70 em cima do lateral e 65 pela linha de fundo; Willian (jogando como centroavante) não recebeu nenhuma bola. ACREDITO QUE ESSA HISTÓRIA NÃO É VERDADEIRA. EB não dá mais.

Sem falar que ele pensa (é apenas uma das opções, mas está sendo cogitada) em entrar com Thiago Santos no lugar do Borja em Montevidéu. Vai de fralda reforçada para o Uruguai. Um trabalho construído com muita competência e eficiência (pouco vistoso, é verdade, mas funcionava bem) foi destruído em poucos dias por pessoas incompetentes (comissão técnica, diretoria e jogadores).

Discordo. O EB está realmente demorando para imprimir um ritmo adequado ou disciplina o elenco, visto que TODAS as nossas derrotas da temporada estão relacionadas à atitude do time, não à qualidade técnica.

Sábado superamos a atitude, mas mostramos mais uma vez que não sabemos lidar com retrancas.. Muitos erros no último passe e na finalização. E faltou muita aproximação quando a bola ia para as pontas (crônico : faltava alguém no meio para tabelar).

Mas em vários jogos vimos o time com esse padrão muito bem definido, nas grandes vitorias. Não temos outra opção no mercado hoje e precisamos dar tempo e segurança para o EB consolidar o seu trabalho.

Nesses 4 meses, diferente do MOliveira, vimos excelentes partidas e momentos em que todos acreditaram muito no “agora vai”, muito ao contrário do gargamel em que nunca vimos de fato padrão tático.

Dar tempo ao Eduardo Baptista? Tempo de sermos eliminados da Libertadores de novo. Não o acho o único responsável pelo nosso mau futebol apresentado há algum tempo, mas com certeza é um deles. Sinceramente eu não consegui ver uma partida, sequer, com bom futebol do Palmeiras em 2017, com exceção do jogo contra o Novorizontino. Quanto mais uma excelente.

O estagiasno não é o único responsável pela nossa pobreza futebolística em 2016, mas está diretamente relacionado às atitudes da equipe como líder que deve ser – e não é. E sinceramente, falar em “DNA de vencedor”, “melhor sistema defensivo do país”, “grandes vitórias em 2017” e outras pérolas com base nos jogos que ganhamos de galinhas mortas é pra quem não consegue assistir às partidas do Palmeiras com olhar crítico, apenas paixão. Enfrentamos QUEM até agora? Corínthians = apresentação bizarra, uma hora jogando com um a mais graças à arbitragem e derrota merecida no final. SPFC = segundo tempo muito bom, fruto de um lance que juntou sorte e competência no apagar das luzes do primeiro tempo e que desestabilizou o inconstante time do aspirante a técnico RC. Santos = levamos um massacre na Vila (ou Prass não foi o melhor em campo?) para virarmos o placar na sorte nos minutos finais. Ponte Preta = em quatro jogos no ano (um amistoso, um com time misto e dois mata-matas), desempenho patético, isso porque nosso atual técnico trabalhava lá até dezembro! Jogos da Libertadores = apresentações pobres e vitórias conseguidas graças à perseverança (isso é inegável), com gols de zagueiros em acréscimos acima da média. Exceção: Palmeiras 3×0 Novorizontino (clube que agora disputará Copa Paulista e que vai para a Série D somente em 2018!), ótima apresentação e futebol de primeira qualidade. De resto, cada semana que dermos a mais de emprego ao EB significará uma posição a menos na tabela do Campeonato Brasileiro.

Defendi o EB desde o começo do ano, que ele precisava de tempo para mostrar serviço, discuti(no sentido civilizado da palavra) com amigos palmeirenses que queriam a queda imediata dele, já nos meados de fevereiro, mas agora não dá mais.
Uma pergunta sincera, sem insinuações ou ironias: quem no lugar dele? Por favor, se vierem com o papinho de ‘qualquer um é melhor que esse burro’ ou falarem de Felipão ou Luxemburgo(vade retro!!), então não sugiram nada. Insisto que deveriam trazer um treinador de fora, mas ‘cascudo’, que tenha títulos no currículo e conheça a Libertadores. Algum nome?

Abel Braga, Mano, mas como estão “empregados”, poderiam tentar o próprio Alberto valentim, que acho que como conhece o elenco(pelo menos o pessoal do ano passado)e certeza que pode dar sequência ao que o Cuca fazia. O Flamengo, Botafogo e agora os gambás, apostaram nos interinos e deu certo, pq só aqui que não daria?

Só se trazer o Sampaoli para valer a pena. A verdade é que não há boas opções. Esse é o grande problema.

Já está mais do que provado que técnicos gringos aqui no Brasil não dão certo, seja pela falta de adaptação (ao estilo do futebol, à absurda obrigatoriedade de entrevistas coletivas quase que diárias e ao perfil dos cartolas) seja pelas panelas que se formam (elas já existem entre jogadores, imaginem quando querem derrubar um “chefe estrangeiro”…). Não fosse assim, poderíamos trazer o Reinaldo Rueda, que fez de Guerra, Borja e outros campeões da América jogando futebol bonito e eficiente, mas não duraria dois meses. Trata-se de um problema cultural, e nem o Sampaoli escaparia disso.

E como já comentaram por aqui, a desculpa surrada do “não há opções” lembra a mulher que apanha do marido, dá todo o salário dela pra ele gastar em pinga e p…taria mas não larga nem denuncia o fdp porque tem medo de “ficar sozinha”…

Por que excluir o Cuca? Das opções viáveis ele é o único aparentemente “livre” neste momento. E como escreveu o Paulojs, o Palmeiras tem uma maldita mania de grife, isso já nos custou o Brasileiro de 2009, se tivéssemos mantido o interino Jorginho talvez (atenção no “talvez”) o interino Andrade não tivesse sido campeão naquele ano. E caso não tenha ficado claro (pelo visto, não ficou), não tenho nada contra técnicos estrangeiros, acho até que seria uma boa, mas na nossa cultura futebolística atual isso já está provado que não dá certo. Não dá pra brigar com fatos, mesmo aqueles dos quais não gostamos.

Pois é, mas você não citou nenhuma opção viável. Eu também não consigo ver nenhuma opção viável. O Cuca é óbvio. Se ele dissesse que quer voltar ao Palmeiras, contrataria ainda hoje. O problema é que não sabemos o que o Cuca está querendo de sua vida.

As melhores opções (no meu entender) já estão empregadas, não vieram por conta da demora na renovação do Mattos por parte do Nobre, algo absolutamente inexplicável e injustificável considerando que o título foi garantido em 27 de novembro e que as eleições tinham candidato único. Contrataram “o que sobrou”, algo que muito raramente dá certo, e que também não significa que precise ficar só para não admitirem o erro.

a batata desse energumeno jah asssou faz tempo…agora quer jogar na conta do centroavante e pra torcida o esquema lixo q ateh agora nao montou…imagina como deve estar os investidor…o investimento feito e o risco de nao se classificar para as 8as…o q essa diretoria estah esperando pra mandar embora.

Já falam no clube de Paulo Autuori ou Dorival Jr. Quando começa assim é porque já era. Volta pro Japão com aquele FDP do seu pai.

Dorival Jr., nem pensar. Em 2014, na hora decisiva para nos salvar (as últimas 6 rodadas), ele empatou um jogo e perdeu 5. Ou seja, ganhou um ponto em 18. Só não caímos porque fomos “salvos” por outros 4 clubes ainda piores, mas demos todas as chances a eles de nos ultrapassarem. A torcida do Santos detesta o Dorival Jr. Ele não é opção.

Com aquele time que o Sr. piloto (ídolo de muita gente por aqui) montou em 2014, um triunvirato formado por Guardiola, Mourinho e Ancelotti na direção técnica teria igualmente sido salvo da degola pela incompetência alheia, portanto não caracteriza referência para avaliar o trabalho de ninguém. Acho que o Dorival Jr. tem uma identificação com o Santos que não conseguiu ter com nenhum outro time grande do país (e já provou isso na prática), mas é anos-luz melhor que o Bap. Dê aquele time para o estagiasno e o nosso atual para o Dorival treinarem por três meses, depois a gente dá o veredicto.

A contagem regressiva já começou para o Bap. Basta lembrarmos do “episódio Leandro Almeida” no início do ano passado, quando na entrevista coletiva logo após a partida contra o São Bento o Marcelo Oliveira praticamente colocou o rojão na mão do jogador publicamente e perdeu definitivamente o vestiário. O estagiasno não será demitido nesta semana (acho que ganharemos do Peñarol e para muitos o mundo voltará a ser cheio de flores na madrugada de quarta para quinta), mas não terminará o mês de maio no Palmeiras. Outra coisa: campeonato estadual não serve de parâmetro para nada, mas jogos decisivos sim. Ano passado tivemos uma campanha medíocre, perdendo pra Linense e Ferroviária em casa e tomando um chocolate do rebaixado Água Santa, mas fomos buscar um resultado perdido contra o Santos na Vila e só não fomos campeões graças ao sr. Barrios, que poderia ter aberto 2×0 na decisão por pênaltis mas bateu igual ao nariz dele e permitiu a recuperação das sardinhas (Rafael Marques eu perdoo pois só fomos pros pênaltis graças a ele). O Internacional, por exemplo, fez uma campanha absolutamente ridícula no Gauchão deste ano e está com a mão na taça porque ganhou quando precisava ganhar. E não vamos nos esquecer de que o Bap foi desclassificado por um time que foi eliminado da Copa do Brasil por uma equipe da Série C (Cuiabá) e cujo treinador, o estrategista e multi-campeão Kleina, chegou há exatamente um mês ao clube, que tem folha de pagamento cerca de R$ 11 milhões menor que a nossa, e que pra completar já sabe que não terá seu principal jogador para o restante da temporada, negociado que está com o Inter. Se tudo isso não constituir justa causa para tentar consertar o erro cometido em 16 de dezembro de 2016 (data do anúncio da contratação do estagiasno), o ano já acabou.

Concordo com muito do que vc disse, apenas queria ter a mesma segurança de que ganharemos quarta-feira. Minha impressão é de que o time, além de perdido taticamente, não está bem em termos de controle emocional. Sinceramente, temo por derrotas nos dois jogos da Libertadores como visitante.

Neste momento o controle emocional de fato é zero, basta ver o comportamento do Dudu em 2016 depois de receber a faixa de capitão e agora, sem respaldo nem comando. De qualquer forma, não tenho tanta confiança assim na vitória, apenas acho que alguns jogadores vão se destacar e fazer a diferença ante a ruindade do time uruguaio, que por sua vez esbanja raça (e nesse contexto faz sentido exaltar a raça quando a técnica é quase nula). Se perder, no entanto, acho que o Bap vai ficar lá pelos cassinos de Punta del Este mesmo, nem volta pra SP.

Fui no jogo sábado e pra mim é nítido que estão isolando o Borja sei lá porque. Me passou a sensação de boicote ao jogador por parte do elenco ou do assistente de estagiário. outra coisa, falar que esse time jogou bem é até vergonhoso, foi só chuveirinho, dos 60 erraram 44 e o gol só saiu no frangaço senão era 0X 0 .

Desde quando contratou que eu falo que este filhote de Nelsinho não serve para o Palmeiras. Falar que tem que deixá-lo porque não tem quem por é a mesma coisa que o cara que é casado com uma mulher que o trai com todo mundo mas ele fala, não vou separar porque não tem mulher mais bonita.
A diretoria não vai manda-lo embora agora porque isso vai significar que estão assumindo que fizeram cagada ao contratá-lo e eles preferem perder todos os campeonatos do que assumir isso.
O pior é que se ganhar na quarta ele volta a ser um ótimo técnico e vamos ter que aguentá-lo até sermos desclasificados, se perder pode ser que deem um pé na bunda dele, mas não tem como torcer pra perder, isso que é complicado.
O pai dele afastou o Evair alegando deficiência técnica, daqui a pouco o filho vai fazer isso com o Borja. Ser centro avante no Palmeiras não é nada fácil pois só recebe bola quadrada e chuveirinho na área, o time não tem padrão, não tem jogadas é só no deus nos acuda.
Ano passado com o Cuca tínhamos uma bola parada fortíssima que decidia jogos e decidiu o campeonato, isso é treino, mas agora com o filhote de Nelsinho não temos mais isso. Em jogos difíceis com o adversário todo atrás, o que é o que mais acontece com o Palmeiras, um gol de bola parada pode mudar o jogo obrigando o adversário e se abrir ou até definir o jogo.
As vitórias que tivemos até agora foram APESAR do filhote de Nelsinho e não graças a ele.
E ele tomou um nó tático do Kleina nestas duas partidas que vai ter que ficar estudando uns 2 anos pra ver se aprende o que aconteceu.

O presidente beja-mão disse que não vai demitir o estagiário. Estão errando da mesma maneira do ano passado. O estagiário está queimando o Borja assim como o pai dele queimou o Evair.
Olha o Abel Braga no Flu, isso sim é técnico.
Tá na cara que os jogadores não suportam o estagiário.
O Cuca volta, basta ligar para ele.
Mas como o presidente beija mão depende do padrinho Mustaphá, vai esperar o time cair fora de tudo para tomar uma atitude.
Caramba até o Seraphin passou para o lado do Mustaphá??
Dona Leila, quer nossa presidenta, traga o Cuca de volta.

Reconsiderando. Galinhoti garantiu publicamente Extremamente Burro até o fim do ano. À primeira vista um absurdo, mas, pensando por outro lado, não há NADA que se fazer entre o agora e quarta-feira, dia decisivo na Libertadores. Por isso, apenas por isso, pode fazer sentido a declaração, uma tentativa de acalmar o ambiente. Que seja assim é, na primeira oportunidade, que deem um chute no traseiro do EB. Agora, se a declaração foi sincera, Galinhoti, vá pro meio daquele lugar.

NÃO É MOLE NÃO, O EDUARDO BATISTA ACABOU COM O NOSSO TIME CAMPEÃO!!!

Acredito que tanto o Galiotte, o Mattos e também a Dona Leila (patrocinadora) já estejam de acordo de que com o EB não chegaremos a lugar algum, considerando-se ainda a declaração infeliz do EB sobre o Borja (caiu feito pato na pilha do repórter) acho que já devam estar pensando em um plano B para o comando tático do Palmeiras e ainda acho que dependendo do que ocorrer na quarta feira, o plano já seja colocado em prático no mesmo dia……………..

Se, por outro lado, ganharmos na quarta-feira (não é difícil pois o time do Peñarol é bem fraquinho), voltarão, tanto na diretoria quanto na imprensa e principalmente na torcida, as vozes favoráveis ao nosso estagiário “moderno”, “com um futuro promissor” e “melhor que o Cuca”. Isso sim será tomar decisão com base em resultado. Volto a dizer que temos muitos “vagais” no elenco e que a diretoria tem sido absolutamente inócua em 2017, mas sob o comando desse zé ruela nem a vaga pra Libertadores de 2018 virá.

Na boa, se foi um martírio ganhar aqui imagina lá com torcida e juiz contra nós. Em tese seria um jogo fácil se tivéssemos no banco um treinador cascudo, tipo Felipão que era mestre neste tipo de torneio, já o Bananão Batista eu acho que (mais uma vez) vai se borrar. Porém pelo bem do nosso time eu espero que ganhemos, mas não conto com essa vitória para nossa classificação para a próxima fase.

Não pude acompanhar o jogo ao vivo ontem, mas tive a oportunidade de vê-lo (quase que inteiramente) hoje. Que me perdoem os que acreditam em duendes, mas o Palmeiras não jogou NADA. Chuveirinhos o tempo inteiro para uma área que tinha um goleiro que, na impulsão e com os braços estendidos, deve chegar a uns 3 metros de altura. Zero troca de passes, zero jogadas ensaiadas, zero planejamento tático, zero postura de time que tem confiança. Enaltecer “raça e vontade” numa equipe que deveria privilegiar toque de bola e futebol envolvente (os investimentos foram para isso) é o mesmo que dar prêmio ao engenheiro que projetou elevador num prédio de 40 andares. Ou, como li numa página de comentários da internet, é como comprar um BMW novinho em folha e só sair com ele pra ir até o posto da esquina pra colocar 10 reais de gasolina. Comportamento que só não foi mais ridículo que a postura do treinador na coletiva (demorou uma hora para aparecer, acho que estava trocando as fraldas), jogando a responsabilidade para os jogadores e depreciando seu principal atacante, que se não é (e nunca foi) uma maravilha, graças ao maravilhoso esquema do preparador físico estagiário é o ermitão do time, totalmente isolado no ataque. Pior ainda a empáfia da diretoria, que não admitirá nem sob a mira de bazuca que cometeu um erro crasso no planejamento para 2017. E por favor, parem de chorar por duzentos pênaltis a cada jogo, se pelo menos tivéssemos cobradores competentes isso poderia fazer diferença, mas PÊNALTI NÃO É GOL! Além disso, ontem tivemos (se muito) um que poderia ter sido marcado e que não anularia os erros da arbitragem em Campinas. Resumo da ópera: mudem agora que ainda dá tempo de não termos um 2017 completamente frustrante!

E só para enfatizar: nossos problemas começam numa diretoria omissa, passam em grande parte pelo técnico fracassado que trouxeram mas não terminam por aí. Temos jogadores que não deveriam ter vindo, outros que não deveriam ter ficado e uma boa parte que já deveria estar sob os cuidados do INSS.

Desculpe me mas estive no jogo ontem e acho que fizemos uma partida normal e a derrotado em Campinas afundou o campeonato, não sendo culpa exclusiva do técnico. Esqueçam o Cuca que nos deixou na mão e também não apresentava futebol arte.

Agora que estão percebendo que durante a maior parte da nossa campanha vitoriosa de 2016 o futebol de resultados deixou a desejar? Ou será que vamos acreditar que um título encobre qualquer erro? Ano passado havia, no entanto, uma diferença fundamental: o Cuca sabia que não deveria ter prometido título brasileiro, mas fechou o elenco em torno do objetivo (que se tornou uma obsessão) e agiu como um líder de equipe buscando atingi-lo. O Eduardo Baptista, que nunca ganhou nada relevante, chegou prometendo ganhar TODOS os campeonatos, sem sequer conhecer direito seus jogadores, e em momentos cruciais da temporada até aqui se mostrou COVARDE e OMISSO. Talvez o retorno do Cuca não aconteça e, se acontecer, não resolverá todos os nosso problemas, mas a permanência do EB sem dúvida vai piorá-los, e isso já ficou mais do que evidente.

Os comentários estão desativados.