Pós Jogo Palmeiras 0x2 Corinthians: falar o quê?

Existem jogos que a gente faz o pós jogo com raiva (quanto perdemos injustamente). Outros com tristeza (quando merecemos perder). Esse pós jogo nós fazemos com um sentimento difícil de interpretar. Há uma resignação na derrota para o maior rival, dentro de casa, onde eles deram dois chutes a gol e o Palmeiras jogou no campo deles e não teve competência para obrigar o goleiro deles a fazer uma defesa.

Só uma!

Então o que dizer? Sobre o jogo não há o que falar. Sem sistema de jogo, sem armação de jogada, sem jogadores qualificados para posições chave, perdemos para um time limitado mas que tem um sistema de jogo que potencializa os atletas que ocupam suas posições. O resumo: dois chutes ao nosso gol, e tomamos dois gols. Do nosso lado, domínio de posse de bola no campo adversário e incapaz de armar jogadas de perigo.

Então só resta falar sobre o elenco do Palmeiras. Descobrimos recentemente que não era tão bom quanto achávamos. Mas parece ser pior: é mais sofrível que julgávamos. E não é opinião nossa. Parece que o treinador compactua dessa opinião. Afinal de contas, dois laterais contratados reservas do Cruzeiro não foram escalados. Optou-se por jogar com Tchê Tchê e depois Roger Guedes na lateral direita. Não à toa a jogada do segundo gol foi em cima de Guedes. Não dá nem pra culpar o atacante.

Na ala esquerda, Egidio não acerta um passe. E Zé Roberto merece todas as homenagens. Menos jogar na lateral esquerda.

Quer mais? Nosso ataque é impotente. Impotente! Incapaz de, jogando com 5 atacantes em campo – Dudu, Guedes, Borja, Keno, Willian – não conseguiu chutar uma bola a gol. A ponto de no final da partida, termos Mina no ataque.

Tivemos muita grana pra contratar. Muita badalação. Muito jogador, alguns famosos, outros desconhecidos, outros reservas de times inferiores. E a conclusão é que não temos um time pronto. Isso, na metade do ano.

Com a palavra os responsáveis por montar esse time.

Tentem ter uma boa noite.