Que venha 2018!

 

 

Por Vicente Criscio

No filme Forrest Gump, a certa altura, o Tenente Dan Taylor, em briga com Deus, resolve desafiá-lo. E no bote em que ele e seu sócio Forrest só conseguiam pescar lixo ao invés de camarões, no meio de uma tormenta, pergunta aos berros, insanamente: “é isso que você tem para afundar esse barco? só isso? você não vai afundar esse barco!” (ao final do texto, um trecho do filme que encontrei no Youtube; o Tenente Dan começa sua “briga” com Deus logo após o primeiro minuto; infelizmente só encontrei com legendas em espanhol)

Volta pra cá. Em certos momentos de estresse no trabalho eu brinco com meus times. Eu digo a eles: “todos os dias, quando acordo, eu peço a Deus: mande-me problemas; só assim eu cresço; e ele me atende!”. Alguns dão risada, outros não acreditam, e outros ainda não gostam da piadinha em hora inapropriada. Mas é assim que eu penso. Quase que como o Tentente Dan, eu pergunto pros céus: “é isso que você tem?”.

Após um ano de 2017 – do ponto de vista da economia foi melhor que 2016, mas para muitas pessoas, empresas e instituições, foi uma enorme decepção – acho que o que podemos desejar é: que venha 2018. Que façamos melhor que 2017. Que os desafios sejam enfrentados com a devida humildade, com honestidade de princípios, com inteligência e serenidade para tomar decisões, e com coragem para fazer o que tem que ser feito. Claro, sempre com energia positiva. E que eventuais erros, fracassos, omissões de 2017, sejam usados como aprendizado.

Isso serve para nosso time. Em 2017 tivemos um problema de “soberba”. Após o título de 2016, acreditamos que éramos melhor que tudo e todos. Nos faltou humildade, nos faltou inteligência, nos faltou coragem pra fazer o que tinha que ser feito no tempo certo. Perdemos o ano. Não pode ser caracterizado como uma tragédia – afinal fomos vice-campeões brasileiros – mas em termos de expectativa ficamos lá embaixo. Achávamos que por term9s um grande elenco e investimentos milionários, mereceríamos o título.

Um parênteses quase saindo do texto: na vida, sucesso não tem nada a ver com merecimento. Tem a ver com trabalho, inteligência, riscos calculados, planejamento, persistência mas sem apego, admitir os erros e aprender com eles, honestidade de princípios. Aí vem o merecimento. Só depois disso tudo. E não antes.

Então que venha 2018. Que venham os desafios. E que todos nós tenhamos a energia necessária para enfrentá-los. Vamos ganhar algumas e perder outras. Como numa grande competição de futebol. Mas o saldo no final precisa ser positivo. E lembrem-se: não é porque merecemos que a coisa cairá no nosso colo. Temos que trabalhar por ele. Então aos trabalhos. Que venha 2018.

Feliz Ano Novo. Feliz Festas. São os votos meus e dos colaboradores do 3VV.

***

19 Comments Added

Join Discussion
  1. Gustavo Aroni 08/01/2018 | Responder

    A grande pergunta é: traremos alguém, com qualidade, para o lugar do Mina, ou vamos com esses aí que já temos pra Libertadores?

  2. Considero que a maioria das contratações realizadas até o momento foram boas, mas tenho uma crítica a fazer a respeito de algumas permanências inexplicáveis de jogadores que não justificaram os investimentos e as expectativas criadas. São eles:

    Luan, Juninho, Bruno Henrique, Alione, Michel Bastos, Borja e Deyverson.

    Será que esses jogadores não seriam boas moedas de trocas para negociações aqui no Brasil e no exterior??? Ao meu ver, esses jogadores não desempenharão um bom futebol no Verdão em 2018, principalmente por causa das cobranças já existentes sobre eles.

  3. Gostaria muito de ver o Ricardo Goulart sendo contratado pelo Verdão ainda nessa janela, podendo ser mais uma boa opção para o Roger Machado. Acredito que teria vaga no time titular, jogando como um falso 9 no trio ofensivo ao lado de Dudu e Keno.

    Será que o Mattos não poderia ter aquela conversa de bom mineiro com os chineses e negociar Borja ou Deyverson mais uma graninha em troca do Goulart já nos próximos dias???

  4. Thom 08/01/2018 | Responder

    Sem querer parecer otimista demais, mas há muito tempo não vendiamos 2 jogadores em 2 anos para times do primeiro escalão da europa.

    2016 Jesus foi pro City e agora o Mina pro Barça.

    Antigamente nosso ápice era a Udinese

    • Não tenha medo de parecer otimista, sem dúvidas o Palmeiras evoluiu muito desde o segundo mandato do Nobre e a chegada do Alexandre Mattos. Digo, sem modéstia nenhuma, que o Verdão sobra em relação aos demais do futebol em termos de administração, planejamento e estrutura.

  5. Felippe 05/01/2018 | Responder

    Já que estamos em 2018, alguém esta acompanhando a Copinha Sub 20? Pelo que vi é mais um ano para esquecer, não tem nenhuma promessa e pior são caneludos . Acho que Paulistinha Sub 20 não dá base para nada.

  6. Renato 04/01/2018 | Responder

    3vv , ainda estou aguardando o contato através de e-mail , conforme vocês me avisaram no decorrer de 2017 para discutirmos sobre ideias.
    Ainda há interesse ? Ou já foi ?
    No aguardo.
    Obrigado.

  7. Ivan 03/01/2018 | Responder

    Como o tema é 2018 , vocês tem acompanhado o ataque da Radio Bandeirantes a Crefisa e a FAN? ataques que ocorrem diariamente há mais de 30 dias através da rádio? Será que poderá respingar nos patrocínios?

  8. A biografia do Palmeiras é a mais linda do futebol brasileiro. Tudo o mais, vem depois. Engrandecemos a historia , e porisso somos o campeão do seculo. Mais um ano, e ganharemos mais títulos. É o mais, do mesmo.
    Avanti palestra.

  9. FC 29/12/2017 | Responder

    Muito bom, Vicente !!!
    Que venha 2018 e que o Palmeiras trabalhe pra ele ser VERDE !!!

  10. Júnior 29/12/2017 | Responder

    Honestidades de princípios… sempre!!!

    É isso que está faltando em grande parte do povo brasileiro.

    Um ótimo 2018 pra todos os amigos daqui… e Forza Palestra!!!

  11. Eu 28/12/2017 | Responder

    Exceto os breves 7 anos de sucesso do período Parmalat, a realidade é que pouca coisa, bem pouco, sobrou do Grande Palestra/Palmeiras que meus ancestrais acostumaram a ver desde o início do século 20, que eu ainda tive o privilégio de ver mas que, infelizmente, meus filhos não conhecerão. O que tem hoje é muito blá-blá-blá, dentro e fora da Turiassú 1840, incluindo grupos da web. Mas é evidente que o Grande Palmeiras é hoje um simples co-adjuvante no futebol brasileiro. Seus adversários mais próximos dispararam em conquistas, nos últimos 40 anos. No Palmeiras ficaram e continuam fazendo eleições a cada 2 anos na Turiassú 1840. O Grande Palestra já não mora mais lá.

  12. Marcos Donato 28/12/2017 | Responder

    Que em 2018 aprendamos com os erros de 2017, não só no futebol, mas na vida pessoal e profissional.
    Humildade, honestidade e trabalho, aliadas à Fé em Deus são a chave para a conquista de grandes vitórias!

  13. Danilo Peressim 28/12/2017 | Responder

    Aproveitando o espaço, meus sinceros votos de felicidades nessa virada de ano, que 2018 possa ser o melhor ano da vida de cada um de vocês e de nosso Palmeiras. Colunistas, comentaristas, leitores, obrigado pelo espaço e pelas discussões (quase sempre produtivas), o Palmeiras para mim é muito mais que um clube de futebol pelo qual torço, é como familia, e vocês que escolherem no acaso essa mesma paixão fazem parte disso! Obrigado, nos vemos em Janeiro, pra mais uma temporada, forte abraço!

    • Reynaldo Zanon 28/12/2017 | Responder

      É verdade Danilo, os palmeirenses fazem parte de uma família e o nosso Palmeiras é especial também por isso. Desejo um ótimo Ano Novo a você, ao 3VV e a todos os leitores e comentaristas do Terceira Via Verdão!!!

Leave Your Reply