Opinião e posição sobre os 3+3

 

 

Por Vicente Criscio
Conselheiro em 2o mandato pela SEP

A discussão mais polêmica nas últimas semanas da SEP não é a consistência de resultados do treinador Roger Machado ou se nossa defesa carece de reforços. 

A discussão que se tornou o ponto central entre os conselheiros do Palmeiras e que irá a votação nessa 2a feira dia 21 é sobre a proposta de reforma estatutária que altera o prazo do mandato do Presidente de 2 para 3 anos, com possibilidade de reeleição.

Entendendo o caso

Hoje na SEP o Presidente é eleito para um mandato de dois anos com possibilidade de reeleição de mais dois. O Palmeiras ainda é um dos poucos clubes no Brasil que adotam esse prazo de dois anos, junto com Inter e Sport. A imensa maioria dos clubes brasileiros tem mandato de 3 anos para Presidente. Alguns com possibilidade de reeleição e outros não.

>> Leia mais em matéria do Estadão assinada por Ciro Campos clicando aqui.

Quem defende os 3 anos aponta para uma maior governabilidade. A maioria de quem é contra essa mudança no Palmeiras alega que beneficiaria diretamente ao Presidente Galiotte que – se reeleito no final do ano – poderá ficar 3 anos no segundo mandato.

Indiretamente, outra pessoa que se beneficiaria é a Presidente da Crefisa, Leila Pereira. Leila está no segundo ano de seu primeiro mandato como conselheira. Irá seguramente se reeleger conselheira em fevereiro de 2021, e assim terá condições estatutárias para se candidatar Presidente do Palmeiras. Se Mauricio ou o próximo presidente ficar 3 anos – período 2019 a 2021 – será a janela de tempo perfeita para Leila se candidatar tendo apenas um mandato de diferença. Provavelmente de Maurício Galiotte, seu aliado.

Pronto. As peças estão na mesa.

***

O que eu defendo

Não posso falar sobre meu posicionamento sem antes deixar claro aqui qual meu projeto para Palmeiras. Esse site tem 11 anos. Quem me acompanha desde 2007 sabe o que eu penso. 

O projeto que defendo para o Palmeiras – falando de forma muito simplificada – é um futebol gerido como negócio + paixão, enquanto o clube social tem que ser gerido como uma prestadora de serviços, quase como um condomínio. Essas duas entidades – futebol e clube social – não deveriam se misturar. Há enormes benefícios tanto para o clube social quanto para o futebol quando dividimos o modelo de gestão e governança dessas duas entidades. 

Outra ponto é a profissionalização. A Diretoria Executiva deveria ser composta por executivos que deveriam ser remunerados, com dedicação integral, com metas claras e Governança Corporativa. Apesar dos avanços recentes na gestão da SEP, com maior número de profissionais nas áreas mais críticas – finanças, marketing, futebol – ainda estamos longe desse modelo. 

Particularmente há diversos clubes no mundo que nos inspiram, principalmente na Alemanha, Inglaterra e Espanha. Dentre esses o que eu mais gosto é o do Bayern de Munique. Não é de hoje que falo isso.

>> Leia mais meu post de 22 de maio de 2016, quase dois anos atrás: Aprendendo com os alemãesClique aqui.

Em tempo. Esse projeto para o Palmeiras vem sendo construído desde 2003. São mais de 15 anos de estrada. Tenho um grupo de colaboradores, gente séria, alguns sócios do Palmeiras, outros não, mas todos palmeirenses. Professores da GV, profissionais de mercado, empresários, executivos, que foram se incorporando a esse grupo, e todos eles sem qualquer apego a cargos ou carteirinhas. São algumas das vozes roucas do Allianz Parque, porque a imensa maioria vai aos jogos. Torce. E também colabora comigo pensando nesses modelos.

E esse projeto, para ser implantado, não acontecerá da noite pro dia. É um processo que leve talvez 10 anos … e gestões sérias que caminhem nesse sentido. 

Coloque esse capítulo num estacionamento. Voltaremos a ele.

***

Mas e a emenda 3+3? 

Antes de eu dar a minha opinião é importante deixar claro que existem bons argumentos dos dois lados. De quem apóia e quem é contra a mudança do prazo do Presidente. Existem pessoas sérias, que pensam no bem do clube e na Governança dos dois lados.

Mas no Palmeiras tudo vira uma guerra. É impressionante a capacidade que temos como instituição de exacerbar os ânimos. No Palmeiras tudo é superlativo. O amor e a raiva também. Me contam o quanto a Parmalat levou “fogo amigo”. Foram 10 anos de co-gestão e provavelmente teríamos ganho muito mais com uma paz interna que nunca houve. Eu vi com esses olhos como a WTorre tomou pedrada para colocar em pé a melhor e mais moderna arena da América Latina. Sem dinheiro público. Com 100% da bilheteria ao Palmeiras. Mas mesmo reconhecendo imperfeições no contrato que deveriam ser revistas, alguns tentaram dinamitar o relacionamento com a WTorre.

E agora a Crefisa. Alguém tem dúvida que o Palmeiras com a Crefisa – e com uma sólida Governança – pode nos ajudar junto com o Allianz Parque, Avanti, torcida apaixonada, e etc, a ter nos próximos 10 anos o melhor desempenho esportivo e econômico da nossa história?

Eu não tenho essa dúvida. Desde que haja um projeto de longo prazo para trazermos essa Governança.

E assim deveríamos desvincular as pessoas  por detrás do tema e perguntar: o que é melhor para o Palmeiras? Três anos de mandato ou dois?

Parece uma pergunta simples e que deveria nortear sempre a cabeça de quem tem alguma influência na gestão do clube.

***

A decisão

Votarei pelos 3+3 anos. Faz mais sentido para o clube. Permitirá maior governabilidade. Ponto. Tudo que vier depois disso será secundário.

Essa decisão não foi simples. Veio através de outro processo. Costumo dizer que o cargo de conselheiro não é meu. Fui eleito por um grupo de amigos que conheço há anos. Alguns conheci aqui pelo 3VV. São sócios onde muitos nem mesmo  frequentam o clube. Alguns nem em São Paulo moram. Moram em Porto Velho, Sorocaba, Bauru, Campinas, São José, Atibaia, Ribeirão Preto, Analândia, Santos, Austrália, Inglaterra, e em outros lugares …. outros vivem em São Paulo. Alguns pagam as mensalidades até sem usufruir dos benefícios do clube. Portanto são amigos caros, grandes palmeirenses, preocupados com a nossa instituição, e que mereciam participar desse processo de decisão pessoal.

Fiz um exercício com esses amigos e eleitores: fiz a pergunta. Para onde devo ir? Apoiar o 3+3 ou ficar do lado 2+2?

De forma quase unânime, a orientação veio no sentido em apoiar o 3+3. Pelo conceito, pela Crefisa, pelo momento do Palmeiras. E porque a solução e o grupo que apóia o 3+3 parece ter a maior aderência ao projeto guardado no estacionamento lá em cima.

Assim seguirá a vida. Cada escolha uma renúncia. Todo processo político implica em uma decisão que te leva para um lado e abre portas, e por outro lado, fecha outras portas. Mas o mais importante em qualquer processo desses é respeitar as decisões e posicionamentos, mesmo aqueles contrários aos seus, ter a consciência tranquila de quem tomou a decisão de forma honesta e transparente. E sempre ter em mente que estamos conselheiros para responder a agir em torno da principal pergunta: o que é melhor para o Palmeiras?

Saudações Alviverdes!

 

73 Comments Added

Join Discussion
  1. ugo 25/05/2018 | Responder

    Vicente, bom dia

    Foi com enorme prazer que li o comentario do Luciano Pasqualini, a . muito tempo desde o jogo do japao que nao tenho noticias do Luciano, em meu nome de um grande abraco a ele

    Ugo

  2. Ed 23/05/2018 | Responder

    Vicente,obrigado pelas informações.Não sou associado,não conheço os bastidores mas não passo um dia na minha vida sem pensar no Palmeiras e procurar informações, desde os tempos de criança nos jornais de papel,no rádio e na tv para saber alguma novidade do Verdão.Frequento o 3VV faz tempo e aqui aprendi muito sobre meu time de coração. Tb sinto falta,como disse o Lucas Lopes,desses textos esclarecedores para nós,alviverdes de corpo e alma.
    Forza !!!

  3. Lucas Lopes 23/05/2018 | Responder

    Estava com saudade de ler textos maiores e mais elaborados no 3VV. Gostaria muito que o site voltasse aos bons tempos, com várias colunas e boas análises.

    • V Criscio 23/05/2018 | Responder

      Obrigado Lucas…. eu também (rsrsrs)…. sem ironia. Não temos tido tempo. E perdi meus colunistas para a concorrência (kkkk… brincadeirinha… perdi pra vida mesmo… mas teremos novidade em breve). Abraços,

  4. lito 23/05/2018 | Responder

    Tchê-Tchê fará muita falta, não concordo com sua venda. Ficamos agora com dois volantes brucutus (Thiago Santos e F Mello). Olha o Carille ai, logo vai estar no mercado brasileiro. Também não duvido que o Tchê-Tchê volte logo para outro time brasileiro. Agora precisamos de um novo volante, quem sabe o Lucas Silva que está no Cruzeiro e pertence ao R Maqdri, dois zagueiros (Miranda mais um), Jonas do Benfica, para disputar posição com o Borja e principalmente o Scarpa de volta. Acorda Mattos.

  5. Wagner 23/05/2018 | Responder

    A forma ponderada, clara e firme como o Criscio expõe os fatos que balisam a sua opinião, me leva a concordância plena sobre o tema.
    Não tinha opinião formada sobre o assunto, agora tenho.

  6. Levi 22/05/2018 | Responder

    Caro Vicente, o pensamento é coreto…mas ficam algumas perguntas e tenho sérias dúvidas que algo algum dia mudará mesmo no Palmeiras:
    1. Como agirá agora o Mustafá, já que perdeu a quebra de braço com a Leila?
    Dizem que ele perdeu poder, mas controla o COF.
    2. Recentemente em fevereiro ou março, o grupo dele elegeu mais 7 conselheiros (sic) vitalícios (se não me engano). ou seja, seu grupo ficou mais forte.
    3. O caso da venda dos ingressos da Crefisa , em que ele se envolveu foi abafado internamente?
    Em um clube sério, tipo Bayern de Munique, seria expulso.
    É o que parece.
    Então, o que ele fará para revidar? Tentou eleger o filho de Del Nero como vitalício (eu me pergunto, o quê o filho desse cara pode fazer pelo Palmeiras, além de tirar proveitos do clube?)
    E olha que o pai ajudou muito gambás e bambis.
    4. E o grupo do Frizzo, sim ele….Frizzo….que parece ter uns 30-40 conselheiros e vai se candidatar também.
    Como pode essas figuras nefastas, junto com Gilto, Piraci ainda povoarem o clube?
    Há anos, acredita que se o avanti desse direito a voto para presidente, teria um verdadeiro boom.
    Ao invés disso, as mesmas pessoas que levaram o clube ter prejuízos astronômicos, tiveram filhos mamando nos departamentos de Marketing, jurídico e outros continuam livres e soltos….e fazendo a velha política nefasta que sempre imperou no clube.
    5. O que esses traíras egoístas, irão fazer para atrapalhar o clube antes da eleição….como sempre fizeram?
    Sonhar é uma coisa, mas vendo o que é a política interna do clube, não deixa nenhuma ilusão.
    E continuará, porque essa gente está elegendo seus filhos e amigos.
    O status quo será mantido.

    • V Criscio 22/05/2018 | Responder

      Levi algumas respostas. Lembre-se que são todas mera opiniões, posso estar errado. e não faço julgamento sobre ninguém. Apenas uma interpretação do que vejo. 1. Ainda tem influência , principalmente no COF; 2. Foi através de acordo com vários grupos políticos; 3. Há uma sindicância ainda correndo; 4. Não é tão forte assim; não deve sair candidato; 5. Por isso que defendo a separação do clube social e do futebol. Não acredito que o status quo seja mantido por muito tempo. Infelizmente há uma nova geração de conselheiros que é tão politiqueira quanto a velha, mas ainda assim há coisas boas acontecendo. O processo é lento. o Palmeiras assim como qualquer outro clube brasileiro é um sub-extrato da política brasileira com todas as suas mazelas, mas também com coisas positivas. Não acredito em ilusões, mas acredito na boa intenção de alguns. E não podemos perder a capacidade de sonhar. Nem de olhar daqui a 10 anos. Sempre repito o exemplo da Arena. 10 anos atrás muita gente jurava que ela não sairia. Que nunca seria construída. Que a WT ia quebrar antes. Que o contrato era ruim. E um monte de coisas. E poucos obstinados e abnegados fizeram acontecer. Hoje taí. Quem sabe teremos um outro Palmeiras em 10 anos? Em termos de gestão e governança, mais perto do Bayern de Munique que do Juventus da Moóca? Abraços,

      • Levi 23/05/2018 | Responder

        Obrigado pela resposta Vicente.
        A esperança é a última que morre.
        Aliás, eu não duvido nada que foram justamente essa turminha de palmeirenses que fez a receita federal ir para cima da Crefisa.
        Coincidentemente…. do nada,….. a tupiniquim press, inclusive um e outro pseudo jornalista ligados ao Gilto, começaram a falar em programas e blogs sobre…..o tal “Fair Play” financeiro, atacando justamente o Palmeiras que é o único que procurou arrumar sua casa.
        O assunto ficou uma semana na tupiniquim press….ai a receia federal foi para cima da Crefisa e……..o assunto desapareceu dos blogs, dos programas esportivos.
        Interessante e muita, mas muita coincidência mesmo.

  7. LGO 22/05/2018 | Responder

    Caro Vicente!
    De fato sua postura clara e correta é de admirar. Mas o fator mais importante é percebermos que para você o que importa é o Palmeiras. Todos os palmeirenses deveriam pensar assim. Parabéns.
    Porém ainda me preocupa esse cenário político. Deveria haver um jeito de aproximar o Paulo Nobre e a Leila. Os dois são muito importantes para o clube!!!! Os conselheiros deveriam trabalhar para isso e não dividir o clube de novo nas próximas eleições.

    • V Criscio 22/05/2018 | Responder

      Acho difícil Braga. A visão é política. Muitas vezes lá dentro parece que se torce para o mito e não para a instituição. Uma pena.

  8. Prezado Vicente,

    Gostaria de saber se não foi colocado em pauta o marco inicial de validade do 3+3? Também entendo que 3 anos de mandato permite melhor governança, porém acredito que a regra somente deveria ter validade para a eleição subsequente. Jamais para a do final deste ano! Abraços

    • V Criscio 22/05/2018 | Responder

      Foi colocado. E não foi aprovado. A tese dos que votaram contra isso é que não necessariamente o Mauricio vai ser reeleito. Portanto não necessariamente o benefício é para ele.

  9. Thobias Tavares 22/05/2018 | Responder

    Vicente, acha que seria interessante a criação de um grupo de trabalho para a criação e aprovação de uma espécie de “Manual de Governança” para a SEP, com caráter vinculante para a diretoria executiva?!

    • V Criscio 22/05/2018 | Responder

      É uma boa ideia. Acho que Governança e regulação dos poderes deveriam ser endereçados. Mas como acabamos de sair de um processo de “reforma estatutária” (que na prática mexeu muito pouco) eu tenho dúvidas que se abra outro já.

  10. Mario Galhardo 22/05/2018 | Responder

    Parabéns pelo posicionamento. Uma mudança de estatuto beneficia, quase que 100% dos casos, quem está no poder. Isso não é necessariamente ruim, é um dado. Galiotte precisará ser reeleito para usufruir da mudança se consumada. Não vejo problema nisso. O ponto central é exatamente o

  11. Mario Galhardo 22/05/2018 | Responder

    Parabéns pelo posicionamento. Uma mudança de estatuto beneficia, quase que 100% dos casos, quem está no poder. Isso não é necessariamente ruim, é um dado. Galiotte precisará ser reeleito para usufruir da mudança se consumada. Não vejo problema nisso. O ponto central é exatamente o

    • Mario Galhardo 22/05/2018 | Responder

      continuando…
      o ponto central é o que o Vicente colocou: é bom para o Palmeiras? Aparentemente é bom sim. Nos trás estabilidade maior e permite planejamentos a longo prazo. Se as gestões forem minimamente competente, ótimo. Mas Deus nos livre de outros Tirones ou Contursis da vida. Sobre a Leila, fico pensando se ela fosse homem, se fosse um grande empresário de sucesso apaixonado pelo clube, se teria tanta interrogação na cabeça das pessoas. Se ela sabe tocar uma empresa como a Crefisa, sabe minimamente o que uma instituição precisa para ter sucesso. Não estou defendendo ela como presidente, mas não tenho “medo” dessa possibilidade. Vejo mulheres mais lucidas que muitos homens discutindo futebol hoje em dia. Não sejamos preconceituosos. Que os motivos da rejeição sejam outros que não o fato dela ser mulher. Abraços

      • V Criscio 22/05/2018 | Responder

        Bons pontos Mario. Obrigado pelos comentários. Concordo com tudo.

  12. Mario Galhardo 22/05/2018 | Responder

    Parabéns pelo posicionamento. Uma mudança de estatuto beneficia, quase que 100% dos casos, quem está no poder. Isso não é necessariamente ruim, é um dado. Galiotte precisará ser reeleito para usufruir da mudança se consumada. Não vejo problema nisso. O ponto central é exatamente o

  13. Mauro Correia 22/05/2018 | Responder

    Vicente, sou um frequentador assíduo do 3VV apesar de pouco participar. Resolvi me manifestar pois realmente a sua postura e as razões pelas quais você votou refletem exatamente o que eu penso, parabéns! Independente de quem será o presidente (a) daqui a três anos, o melhor para o clube sem dúvida nenhuma são 3 anos de mandato, sendo esse mais um passo nesse longo caminho que o clube ainda tem pela frente na busca de um modelo de gestão profissional e saudável. Uma vez mais, parabéns Vicente pelo seu voto e pela sua postura..

    • V Criscio 22/05/2018 | Responder

      Obrigado Mauro. Penso como você. E obrigado pelas palavras. Abraços,

  14. Danilo Peressim 22/05/2018 | Responder

    Vicente, sou teu fã, que aula de serenidade e amor ao clube, parabéns… Em tempo, meu único receio (ou medo mesmo) é com essa sede da tia Leila em ocupar a cadeira de presidente, não concordo com isso e temo pelo nosso futuro, são muitos conflitos de interesse envolvidos, poderia deixar sua opinião sobre isso? Com essa distribuição de dinheiro que a Crefisa vem fazendo em nosso conselho, em 2021 não precisaremos nem de eleições … Abração

    • V Criscio 22/05/2018 | Responder

      Danilo obrigado pelas palavras. Sim, tem esse risco. Eu sou um defensor de governança nas grandes organizações e o Palmeiras é uma delas. Em algum momento precisaremos visitar esse tema. Mas sobre o prazo de 3 anos eu acho que era o mais razoável. Poderíamos discutir se com reeleição ou sem reeleição, ou mesmo se depois de duas reeleições deveríamos jubilar o PResidente. Mas isso não estava na pauta. Sobre o momento do Palmeiras. Com paz e união e uma oposição sempre importante desde que seja responsável, o Palmeiras tem tudo pra ser o principal clube da América Latina durante os próximos 10 anos. Tempo suficiente para construirmos o Palmeiras do século XXI (lembrando que ano passado fez 10 anos que começamos a construir o projeto da Arena; e os resultados estão aí). Abraços,

  15. Parabéns pela postura coerente de sempre, Vicente. E dentro do possível, publique por aqui como foi a votação.

    • V Criscio 22/05/2018 | Responder

      Eduardo acho que todos já viram na mídia mas vamos lá. Sobre a votação da mudança para 3+3 anos de mandato, venceu por 143 votos a favor contra 79. Precisava de 142 votos. O destaque para que valesse apenas para o ano de 2020 não passou. Logo o sucessor dessa gestão já entrará com um mandato de 3 anos. Se for o Mauricio, não poderá se reeleger, já que estará no segundo mandato. Essa proposta agora irá para uma assembleia de sócios (AG) e precisará de 50%+1 dos votos do dia para ser ratificada.

      Sobre a diminuição de vitalícios havia uma proposta reduzindo de 148 para 100 vitalícios. Votei favorável a essa proposta mas ela não passou. Portanto ela irá para a AG e precisará de 2/3 dos votos dos sócios para ser retificada (ou seja, mudar a decisão do conselho) ou com 50%+1 a decisão do conselho será validada.

      • Thobias Tavares 22/05/2018 | Responder

        Vicente, esse quorum de ⅔ para reverter a decisão sobre a redução de vitalícios é dos associados presentes ou do quadro de aptos?

        • V Criscio 22/05/2018 | Responder

          Associados presentes na votação, desde que tenha um mínimo de xis (não lembro se são 500 eleitores; algo por aí).

  16. mario luiz 21/05/2018 | Responder

    Parabéns pela coerência, marca registrada de seus sempre ótimos textos. Também sou da opinião de que 3 anos é o ideal.

  17. Já eu acho que, embora mandato de 3 anos seja ótimo, que uma mudança se faz ainda mais necessária: acabar com o cargo de conselheiro vitalício. Conselheiro deveria ter direito a 10 anos e depois viria a “aposentadoria compulsória”. Assim, as cabeças se renovariam no Palestra e, quem sabe, esse ódio interno se dissiparia com o tempo (já que o negócio se parece muitp com rusgas do passado) e as novas mentes que fossem assumindo o posto, trariam idéias mais atualizadas e cobdizebtes com o futebol moderno. O que tem gente lá dentro que, parece querer tocar o Palmeiras como uma cantina de esquina…

  18. Reynaldo Zanon 21/05/2018 | Responder

    Acho que os 3 anos de mandato é mesmo o melhor para o Palmeiras, embora seja um casuísmo pró Maurício Galiotte e Leila Pereira. Porém, tendo em mente sempre “o que é o melhor para o Palmeiras”, o clube não pode descartar uma oportunidade como essa. Espero que isso não melindre o grande Paulo Nobre, ex´-presidente que merece todos os créditos pelo novo Palmeiras. Que o Nobre não fique esquecido, ele não merece e seria ruim para o clube. Sugiro em breve um movimento de reaproximação e reconciliação entre Paulo Nobre, Maurício Galiotte e Leila Pereira porque isso “é o melhor para o Palmeiras”.

    • Denise 22/05/2018 | Responder

      Gostei do texto é do posicionamento de quem o escreveu e sua resposta a ele é perfeita…

  19. Cassiano 21/05/2018 | Responder

    Parabéns Vicente pela postura e de mostrar os caminhos para a sua escolha, olhando sempre pela modernidade e grandeza do Palmeiras sem esquecer da sua torcida e seus apoiadores.

  20. Fábio Garcia 21/05/2018 | Responder

    Vicente, parabéns pela posição. Transparente e justificada. Também defendo 3+3.

  21. Luix 21/05/2018 | Responder

    3 Anos de mandato. URGENTE!!! Reforma Estatutária, JÁ!!
    Com 3 anos de mandato, tem isenção de impostos, conforme além. E essa grana será revertida ao Palmeiras pelo patrocinador. Em torno de 60 milhões. E ganharemos, principalmente, 2 anos de tranquilidade política, longe das armadilhas e boicotes de pseudo conselheiros e falsos palmeirenses, como Mustafá Contursi e Gilto Avalone. Esses 2 cânceres são contra a modernização administrativa do Palmeiras, assim como eles foram, e ainda são, contra a construção do Allianz Parque, quando boicotaram com falsas denúncias contra o Palmeiras e WTorre lá na Prefeitura de SP.

  22. Diogo Belotto 21/05/2018 | Responder

    Mais uma vez obrigado Vicente, pela transparência e pelas informações de bastidores da SEP. Tem dois assuntos q gostaria q vc opinasse a respeito, se possível, pode ser na resposra mesmo ou em post futuro.
    1 – TV Palmeiras Play, qual a extensão desse projeto, especialmente para o futuro?
    2 – qual o posicionamento dos “partidos” políticos atuais da SEP? Quem apóia quem? Quais deles podemos esperar q saia algum fruto?
    Sei q muitas informações não podem ser ventiladas ao público, mas o q puder nos dizer já seria de muita ajuda para nos preparar para a eleição futura.
    Abraço

    • Felipe Gustavo 21/05/2018 | Responder

      Diogo Belotto, eu ia fazer essas mesas perguntas para ele!

      Mas sobre o item 2, saberemos isso amanha com o resultado da votação de hoje a noite. Não será um posicionamento definitivo, mas dará uma boa visão sobre o assunto.

      Sobre o item 1, eu ví isso mais como uma forma de pressão na RGT sobre a venda do pay-per-view. para mostrar que o Palmeiras nao vai abrir as pernas na negociação do pay-per-view como o santos fez (20% a menos).

      Responde ao Vicente, qual é a sua visão do assunto??

      • Diogo Belotto 22/05/2018 | Responder

        Então Felipe, eu vejo esse projeto como um dos mais promissores em termos de renda para o Palmeiras, o potencial é enorme. Claro, tudo vai depender do conteúdo oferecido, mas isso é outro assunto. Por enquanto vamos falar do potencial de negócios do projeto:
        – Primeiro, os custos são baixos, pois o clube não precisa pagar atores e nem produção de espetáculos, ambos já são ou pagos ou produzidos, então os custos serão apenas de tecnologia para manter o canal;
        – Segundo, o público alvo é enorme, todos os torcedores são potenciais consumidores desse produto.
        Vou fazer umas continhas. Claro que não é assim que funciona, um projeto desse tamanho precisa de uma pesquisa de mercado séria para analisar sua viabilidade de fato. Apenas para brincar, como dizem os americanos, vou tirar uns números do meu ra.bo.
        É especulado que nossa torcida possui cerca de 15 milhões de pessoas, teoricamente esse seria o público alvo do projeto. Mas como nem todos podem/querem adquirir o produto, vamos considerar apenas 10% desse total no cálculo, e considerando ainda a margem de erro datafolha vou arredondar para 1 milhão de pessoas adquirindo o produto.
        Isto posto, o fator determinante para que esse público todo compre ou não será o conteúdo oferecido. Caso o Palmeiras transmita TODAS as partidas do profissional nesse canal, e o preço cobrado seja justo, acredito que esse número de compradores seja atingido facilmente. Por preço justo eu digo algo em torno de R$30 e R$40.
        Imagine 1 milhão de pessoas pagando R$30/mês para o clube, serão R$30 milhões/mês de renda. Mais uma vez, são apenas números fictícios e que podem ser muito inferiores na realidade, mas podem também ser superiores. Tudo vai depender da ambição do projeto. E eu espero muito, que as pessoas envolvidas nele tenham essa ambição, de fazer com que o Palmeiras seja independente das emissoras de televisão.
        Abraço.

      • V Criscio 22/05/2018 | Responder

        Felipe ainda sobre o item 1. Pra mim, a longo prazo, Globo tem uma enorme fragilidade competitiva com o avanço da tv por streaming. A longo prazo os cenários são incertos. Os principais “atores” nesse cenário de longo prazo são Google e Facebook. E ainda a longo prazo o Palmeiras deveria ter uma ferramenta estratégica. Talvez o Palmeiras Play seja isso. Mas precisa de uma estratégia. Não sei o que existe por detrás.

        A curto prazo acho que foi um erro fechar com o EI. Nem mesmo o EI sabe o que ele tem na mão, já que só pode transmitir jogo em tv fechada de dois times com contratos com ele. E do lado do Palmeiras sofremos todo tipo de retaliação que estamos vendo. O melhor seria voltar para a Globo, desde que com um contrato melhor para o Palmeiras. Não dá pra aceitar a diferença de pagamento que fazem para Corinthians/Flamengo e o que fazem para o Palmeiras.

    • V Criscio 22/05/2018 | Responder

      Diogo confesso que tenho pouco conhecimento sobre o TV Palmeiras Play. Vou procurar me informar para poder explicar melhor aos leitores do 3VV.

      Sobre os posicionamentos políticos, a votação do projeto dos 3+3, é minha opinião e posso estar errado, me parece que causou uma “fissura” na atual base de apoio do Presidente. Ele precisará remontar sua base de apoio. Alguns diretores que estavam com ele votaram contra a proposta. Hoje os grupos estão se amalgamando entre apoiadores de PN (com o suporte de Mustafá Contursi, um pouco mais debilitado em termos de aliados políticos) versus apoiadores de MG (com o suporte da Leila). Quem estava no meio do caminho está se posicionando. Os próximos dois meses vão dizer o que deve acontecer em termos de aliança política.

      • Felipe Gustavo 22/05/2018 | Responder

        Sobre a votação de ontem, eu concordo de o projeto 3+3 é realmente o melhor, mas foi um absurdo valer já para a eleição desse ano. Isso foi somente para beneficiar a leila. O correto seria valer somente para a próxima.
        Me preocupa bastante esse “sede de poder” que a leila tem demonstrado.

        Vicente, sobre a diminuição dos vitalícios. E aquele rolo que aconteceu na votação? será que tem chance de acontecer outra votação??

        • V Criscio 22/05/2018 | Responder

          Não sei. Teve um imbróglio durante a votação. A princípio foi declarado que o projeto de redução dos vitalícios havia sido aprovado. Depois se refez a contagem e não foi aprovado. Acho que vai para a AG como “não aprovado”.

  23. Pinho 21/05/2018 | Responder

    Perfeito Vicente! Parabéns pela transparência e pelo posicionamento. Espero que ao final da reunião desta noite, o Palmeiras fique ainda mais forte.

  24. Perfeito! Segue o jogo. De preferência, pensando no Palmeiras. Sonho com o dia em que essas ideias ganhem corpo ressonância dentro da SEP. O modelo, muito mais o que as pessoas , é o que importa. Mas poucos discutem isso.

    Parabéns também pela transparência. E pela decisão compartilhada.

    Que, ao final da noite, o Palmeiras saia mais forte!

  25. Vicente, meu parabéns pela objetividade e precisão em seu texto mas, principalmente, meus parabéns pela opção sempre pelo “melhor para o Palmeiras”. Grande e forte abraço.

  26. Abe Lee 21/05/2018 | Responder

    Vicente: Tb concordo no 3+3, mas não seria mais transparente se passarem uma emenda q faz os 3 anos começarem a partir da eleição de 2020?

    Mudar a regra agora, q pode por acaso beneficiar o atual presidente, me parece um pouco conveniente.

    • V Criscio 22/05/2018 | Responder

      Pode ser…. mas alguém se beneficiaria com a aprovação ou reprovação, com o prazo agora ou o prazo em 2020. Enfim… acho que ficou mais simples assim.

  27. Rodrigo Portes 21/05/2018 | Responder

    Grande Vicente, antes de mais nada meus PARABÉNS pelo post e pelo seu trabalho de anos no clube. Sou seu eleitor e, principalmente fã!
    Uma pergunta…Você é a favor do 3+3 já a partir desta eleição ou somente a partir da próxima? Isso é muito importante, pois envolve outras questões políticas e candidaturas…Correto? Abraços!

    • V Criscio 22/05/2018 | Responder

      Fala Rodrigo. Obrigado pelas palavras. Votei favorável para valer desde agora. Veja bem, esse meu voto inclusive em tese me prejudicou se eu tivesse alguma pretensão para ser candidato a presidente. Seria muito melhor para mim que a emenda valesse somente a partir de 2020. Mas a pergunta era: o que é melhor para o Palmeiras e não ao Vicente Criscio (kkkkk)…. abs

  28. Adhemar Altieri 21/05/2018 | Responder

    Parabéns Criscio, pela decisão e pelo processo que levou a ela. Esse é o futuro que interessa ao Palmeiras. Nossos conselheiros vão escolher entre avançar de forma acelerada e decisiva, ou arrastar os pés e atrapalhar o futuro mais uma vez, a exemplo dos que foram contra a vinda da Parmalat e a nova arena e hoje não são capazes de explicar o que fizeram. Será igual para os que optarem pelo atraso e a defesa de interesses pouco palestrinos na decisão de hoje.

  29. lito 21/05/2018 | Responder

    Parabéns Vicente, sempre coeso em seus comentários. Para quem já teve Mustaphá Contursi, Arnaldo Tirone como presidente, porque não pode ter a Leila como “presidenta”. Desde que conduza o verdão com amor e competência, como faz com suas empresas. Que tal para começar, contratar dois zagueiros que prestem, um volante, um atacante (Jonas do Benfica) e acabar com essa história do Scarpa de uma vez, trazendo o menino de volta.

    • Mauser A Zago 21/05/2018 | Responder

      Lito, a Leila conduzir com amor? Ela busca o poder, e a visibilidade que só o Palmeiras pode trazer pra ela e suas empresas. A minha visão, talvez distorcida pelo modo torcidar de ver, é de que ela já governa o Palmeiras, manda e desemanda no Mattos/Galliote. Só temo pela falta de pulso esportivo, perante ao futebol e seus bastidores. Notamos que desde Jan 2017 temos seguidas amostras de falta de comprometimento da diretoria com a paixão da torcida palmeirense, não podemos sucumbir em TODOS os jogos decisivos e deixar impune quem gere o futebol, ou ao menos, tomar atitudes para que não se torne trivial. Tenho minhas dúvidas se a Leila teria este perfil como presidente.

      Por fim, tudo que é contra os dinossáuros, pseudo-políticos na SEP, eu estarei deste lado.

    • V Criscio 22/05/2018 | Responder

      rsrsrs… valeu Lito…. sobre os jogadores espero que alguém da diretoria leia o seu post. Abs

  30. Júnior 21/05/2018 | Responder

    Perfeito. É o que sempre defendemos. Profissionalização (de verdade, não essas perfumarias), governança e separação futebol/social. Mas, como sempre digo, e repito mais uma vez, dá pra contar nos dedos de uma mão os que querem isso para o Palmeiras. Inclusive os que são contra os 3 anos…

    • V Criscio 22/05/2018 | Responder

      Grande Junior, sumido, …. reaparece caramba. Você faz falta.

      • Júnior 25/05/2018 | Responder

        Depois de ver os desdobramenos políticos dessa votação, então… Gzuis!!! hahahahahahahaha

  31. FC 21/05/2018 | Responder

    Muito bom, Vicente. Posicionamento claro e coerente.

  32. Vicente, parabéns pela postura e atitude. Acima de tudo acho fundamental os palmeirenses reconhecerem sua corajosa transparência (rara entre os que trafegam na política do clube), a coerência histórica e a fundamentação de cada decisão tomada, sempre baseadas em argumentos (respeito aos leitores e eleitores) e pensando no futuro do clube !! Também defendo os 3 anos de mandato e as mudanças no modelo de gestão, fundamentais para um futuro ainda mais vitorioso com governança acima de nomes e grupos políticos.

    • V Criscio 22/05/2018 | Responder

      Valeu Pasqua, meu mentor e companheiro de longa jornada.

Leave Your Reply