Copa do Brasil 2018 Palmeiras 1×0 Bahia: agora é a semi final

 

O Palmeiras venceu o Bahia no Pacaembu por 1×0 e foi para a semi final da Copa do Brasil.

O gol foi de Dudu no 2o tempo.
Após um início de jogo titubeante e um incrível gol perdido pelo Bahia, o time foi se acertando e as chances começaram a aparecer. Willian e Moisés perderam duas chances incríveis ainda na 1a etapa. Borja funcionava lá na frente como pivô e ajudava a criar as chances.

Na 2a etapa o jogo ficou mais aberto. O Bahia foi pra cima. Os espaços apareciam. Em uma jogada pela direita Mayke cruzou e Dudu aproveitou de cabeça. 1×0.

O suficiente. No estilo Scolari de ser o jogo ficou amarrado até o final. Sem sustos. Vitória de 1×0 e passaporte carimbado para a semi final.

Agora é o Cruzeiro.

Saudações Alviverdes!

46 respostas em “Copa do Brasil 2018 Palmeiras 1×0 Bahia: agora é a semi final”

Eu nunca disse que torcedor é só aquele que vai no estádio. Pra mim torcedor é aquele que está sempre por dentro das coisas que acontecem com o clube, seja lá como. for.

Não acho que você seja esse tipo, Sérgio, pois apesar de algumas divergências de opinião com muitos colegas daqui, jamais chamou quem quer que fosse de “torcedor de sofá”. Isso é uma estultice adotada por alguns “iluminados” que acham que o planeta só começou a girar de verdade depois que eles nasceram, e que adoraram a elitização dos estádios com ingressos caros para espetáculos de qualidade duvidosa. Cada um sabe o quanto frequentar jogos toda semana faz com seu orçamento e não tenho nada com isso, só acho incabível tentar desmerecer os argumentos de quem faz alguma critica pertinente (e elas só são feitas porque queremos o melhor para o Palmeiras) usando como parâmetro o sofá ou a cadeira numerada de um estádio.

Muito boa a resposta do bigodudo e do time pro segundo tempo! Colocou o Lucas Lima no banco ainda bem. Pode ser um ano histórico de novo, dá pra levar uma taça pelo menos.

A evidente melhora do sistema defensivo é a consequência imediata da chegada do Felipão. O time tende a evoluir e, daqui a um mês, quando os mata-matas difíceis iniciarem, acredito que o ataque também já esteja bem melhor. As perspectivas são boas.

Ir ao Pacaembu numa quinta fria e chuvosa, com transito padrão pro horário e colocar quase 30K é algo a ser mencionado aqui tb. Lembrando que não teve “promoção” no preço dos ingressos. Ponto pra nossa torcida!
Assisti da arquibancada laranja, tendo que dividir atenção no campo, e numa pomba que estava sempre a mirar seu traseiro em nossa direção.
No campo, um time com proposta muito diferente. Não se atira como antes e isso cobre alguns defeitos de cobertura que aconteciam antes. Tenho que me (re) adaptar com o estilo Felipão de jogar e não reclamar.
Só temo não ter sido testado por um time com bom ataque… As laterais no primeiro tempo, foram ponto de atenção (perderam quase todas as disputas com os fracos laterais do Bahia).
Passamos, e que venham as Marias. Jogar com atenção e aprender com os erros do último ano.

Paguei R$ 110,00 o ingresso na arquibancada laranja, mais 35,00 de estacionamento , mais 50 pratas
pra comer um sanduba no Burdog, fora a gasolina.

Já que é no sofrimento mesmo, que tudo dê certo no final. Não consegui assistir mais que 30 min. e fui dormir. O que importa é que passou, e nem precisou dos pênaltis.

Já me conformei que o estilo de jogo daqui pra frente vai ser esse mesmo. E já me comprometi comigo mesmo que não vou ficar vindo aqui escrever textos e mais textos pra criticar essa forma de jogar. Já foram tantas tentativas com outros técnicos sem sucesso que vou esperar e torcer pra dar certo desse jeito aí mesmo. Pelo menos deu um jeito no meio campo que está marcando mais e não está deixando a zaga tão exposta como antigamente, o “Jenio ” do Roger não enxergava isso. Agora , o que não dá pra se conformar é com os gols perdidos por Willian e Moisés. Dois lances cara a cara com o goleiro, ainda bem que era o Bahia. Perde gol assim na semi contra o Cruzeiro pra ver se tem perdão? Duro é ligar a TV e ver os superentendidos da crônica esportiva dizer que temos um grande elenco firmado por grandes jogadores. Na onde??? Pra mim é tudo jogador meia boca mesmo.

Bom senso de sua parte, Philipe. Estou aderindo ao Gustavo, vou acompanhar apenas os mata-matas pois pelo menos é um mato de onde pode sair algum cachorro, cartola, coelho ou campeonato. Quanto à imprensa esportiva, é melhor não dar importância pra isso, esse pessoal que fala na TV e escreve nos blogs não é mais que um amontoado de torcedores como nós, jornalismo mesmo pouquíssimos praticam.

Acho curioso, até engraçado, os comentários da chamada “mídia esportiva”, pois os bambis jogam exatamento como nós (são elogiados), as raposas de bh idem (são elogiados), já o Palmeiras é SEMPRE criticado pela proposta de jogo. Na boa entre ser criticado por todos (incluindo muito torcedor nutella que NUNCA vai no estádio) e jogar para vencer, eu fico com a segunda opção. PS: para os que analisam o futebol do conforto do sofá enquanto assistem os gênios da ESPN discursarem, eu recomendo irem ao estádio (no nosso caso Arena), talvez assim entendam que futebol não é uma questão de vida ou morte, é MUITO mais do que isso, quem estava ontem no Pacaembu (como eu) sabe muito bem o que isso quer dizer.

and oscar goes to …. PARABÉNS, comentário certeiro, na veia! Que frio mermão!

E o pior é que tava mesmo, isso sem falar no trânsito infernal que eu peguei para chegar no Pacaembu, na boa, um dia desses eu vou ter uma conversa séria com quem destermina os horários dos nosso jogos………………

Na boa, considerando o depoimento do Sergio Marin (gastar algo em torno de 200 reais numa única tacada pra passar frio, nervoso e ver um futebol tosco), o atual contexto do país, com recessão e desemprego, e quem tem o orçamento mais curto que a habilidade do Borja e família pra sustentar, nem vale a pena discutir com os igualmente toscos “palmeirense de verdade” que ainda acham que torcedor mesmo é apenas aquele que frequenta estádio. Ou seja, pobre do palmeirense que mora em Marília, Araraquara, Quixadá, Rio Branco, Montevidéu, Lisboa ou na pqp, não passam de “nutellas”…

Eu por outro lado tenho pena de times que tem torcedores como você, que simplesmente nunca veem nada de bom. Talvez porque enxerguem o futebol como suas proprias vidas, ou seja, da maneira mais medíocre possível. Na boa, se não tem nada de bom ou útil para falar então vá torcer para o time da marginal sem número………..

Acho curioso, até engraçado, os comentários da chamada “mídia esportiva”, pois os bambis jogam exatamento como nós (são elogiados), as raposas gays de bh idem (são elogiados), já o Palmeiras é SEMPRE criticado pela proposta de jogo. Na boa entre ser criticado por todos (incluindo muito torcedor nutella que NUNCA vai no estádio) e jogar para vencer, eu fico com a segunda opção. PS: para os que analisam o futebol do conforto do sofá enquanto assistem os gênios da ESPN discursarem, eu realmente recomendo irem ao estádio (no nosso caso Arena), talvez assim entendam que futebol não é uma questão de ida ou morte, é MUITO mais do que isso, quem estava ontem no Pacaembu (como eu) sabe muito bem o que isso quer dizer.

Por um acaso da vida já bateram as sua bolinha na várzea ? O estado do gramado ruim nivelou para baixo o jogo.

Antes do Felipão chegar, meu medo era que o Palmeiras ficasse ainda pior em campo, e acumulasse derrota em cima de derrota. Pelo menos por hora, a ruinzice tá mais ou menos a mesma, mas as vitórias estão aparecendo. Se continuar nessa pegada, vou terminar de dar o braço a torcer. No entanto, prefiro esperar mais um pouco, pois ainda não pegamos pedreira, e sim, candidatos a rebaixamento. Mas o começo com certeza, foi bem menos pior que o esperado.

Valeu a pena tomar garoa pra ir ao jogo. Com Felipão será sempre assim. Jogo amarrado e vitória apertada Mesmo assim o ti me criou várias oportunidades mas perdeu quase todas pela falta de qualidade dos atacantes e principalmente o Borja que foi muito mal. Outro fator negativo a péssima drenagem do Pacaembu onde devido a uma garoa a bola não rolava adequadamente.

Que coragem de enfrentar essa gelada (em todos os sentidos)… Tinha pinguim no Pacaembu?

Só por curiosidade, quanto cobraram no ingresso da CB? Pergunto isso porque tenho vontade de ir ao jogo contra o Cerro, mas pelo preço do ingresso da Libertadores se for ao Allianz não pago o condomínio deste mês…

Antes do Scolari chegar , eu me manifestava aqui e era apedrejado com o rótulo de pessimista , dizendo e afirmando que não iriamos ganhar nada.
Pois bem , nesse momento , com o DNA Scolariano nas veias , já começo a “sonhar” com 02 títulos.
Poderá dar certo , como não poderá dar certo , com a chegada do Scolari a copa do Brasil e a Libertadores poderá ser nossa.
Vamos aguardar , nesse quesito teremos emoções garantidas nos meses de setembro e outubro.

Pelo que os times que se classificaram ontem jogaram, não estamos devendo nada em termos de mediocridade, então dá pra ser campeão da CB sem mostrar nada de especial. Só acho que ainda não enfrentamos um adversário forte o bastante pra testar nossa defesa, e que quando isso acontecer vai ter gente confessando crime que não cometeu.

É muito gol perdido na cara do goleiro. Mas, agora o time tem brios, raça, boas triangulaçoes,catimba, esperteza, bate falta rápido quando o adversário ta dormindo, os gandulas voltaram “surpreendente” a desaparecer após o Palmeiras estar em vantagem, enfim…tudo dentro do roteiro script. Não é um futebol lindo, mas tá valendo 50 milhões e mais uma taça. Aja coração!!!

A defesa está mais confiável também. O futebol não é bonito, mas é competitivo

Os caras são muito ruins…tá Loko…Não conseguem nem segurar um pouco a bola pra ganhar tempo. Esse estilo Felipão é irritante mas não tem técnico que dê jeito na ruindade desses caras.

Alguém já escreveu aqui e vou apenas reforçar: o Borja só é titular do Palmeiras porque quem lhe faz “sombra” é o Deyverson. Quanta contratação equivocada… Eu sei que o Grêmio levou a Libertadores ano passado com Cortez e Jael, o Cruel, mas na hora H contaram com um goleiro iluminado, um baita zagueiro, um volante moderno, um atacante competente e um treinador querendo jogo. Nada do que temos hoje. Mas temos San Gennaro, então…

Vitória e classificação com o DNA do Felipão. Muita vontade, pouco talento, quase nenhuma criatividade e drama em excesso. Com esses jogadores vai ser difícil levantar taça, mas San Gennaro ainda não nos abandonou…

Caso o Scolari cumpra o contrato até o final de 2020 será assim os jogos do Palmeiras.
Até quando irá dar certo?
Não sabemos.

Eu juro que nunca vou entender como pode ter 6V e 1E na libertadores e demorar mais de 180 minutos pra fazer um gol no Bahia

Se você lembrar que na vitória pelo BR marcamos os três gols no primeiro tempo, levamos BEM mais de três horas pra fazer UM gol no Bahia. Mas pelo menos fizemos. Por outro lado, você deve lembrar que se não fosse o Antonio Carlos, teríamos 7 vitórias em 7 jogos na Libertas. Como dizia Luciano do Valle, “o que é o futebol”…

Sinceramente, estou com medo de uma tragédia….principalmente depois de tanta chance perdida por atacantes pé de alface.

Levando-se em conta os dois jogos, não seria uma tragédia injusta…

Não é hora para criticar e sim apoiar, mas com esse futebol fica difícil.

Torcer a gente torce, sempre e muito. Mas essa é uma via de mão dupla, se não houver um mínimo de retorno, não dá pra ser só elogios.

Assistindo o primeiro tempo, meu pacote de dados esgotou aos 39 minutos do primeiro tempo. Apesar de termos criado 3 ótimas chances (todas devidamente desperdiçadas, seja por ruinzice técnica, ou egoísmo exagerado), achei irritante por dois motivos: primeiro esse juiz, Lima Henrique, o cara é muito ruim: qualquer contato é falta, desde que favoreça o Bahia. E o segundo motivo é ver o Bahia dominar o campo inteiro, tabelar a vontade, se fechar direitinho, atacar com muito perigo: não tem um setor sequer do campo, onde estejamos melhor. Espero que o segundo tempo seja melhor, embora eu não vá poder assistir (por causa do pacote de dados e porque vou estar trabalhando). Qualquer resultado que não seja a classificação é inadmissível.

O pênalti desperdiçado pelo Bruno Henrique no 1º jogo está sendo decisivo.
E se a decisão dessa vaga parar nos pênaltis, não acredito nos jogadores do Palmeiras. Espero estar errado.

Não apenas o pênalti, mas a filosofia de jogo. Todo mundo destaca, com razão, que não tomamos gols nas últimas cinco partidas (podendo chegar a seis hoje), mas se esquecem de citar que só marcamos seis nesses mesmos jogos, sendo metade deles no pior time do Campeonato Brasileiro jogando em casa. Arrumar a defesa é importante, mas ter meio de campo criativo e eficiente é fundamental para quem precisa vencer, e abrimos mão disso.

De cada 50 passes trocados pelo Palmeiras, 45 acontecem entre os zagueiros e os volantes no campo de defesa. O time vai adotando a “lei da natureza” no meio de campo, onde nada se cria, nada se perde, tudo se transforma – em bola parada e jogo feio. E viva a “cultura” do futebol tupiniquim…

Descansaram para levar sufoco.
Com esse meio de campo eunuco e sem nenhum jogador capaz de decidir uma partida…. haja coração.

“Meio de campo eunuco” foi sensacional. E ainda usa cinto de castidade…

Mas temos 3 atacantes, Dudu tem que entrar no jogo, aí abrimos a porteira e ganhamos de 3×0…

Tem certeza de que temos três atacantes? E de que adiantaria ter 5 se a bola não chega? A questão é a proposta de jogo, o famoso samba de uma nota só.

E vamos de três volantes pra enfrentar o poderoso Bahia, numa partida em que não temos vantagem alguma a não ser o mando (que já se provou inútil diversas vezes em 2018). Que a sensação térmica polar no Pacaembu não espante San Gennaro, pois confiar só em sorte, currículo e bicões talvez seja insuficiente.

Os comentários estão desativados.