Libertadores 2018 Palmeiras 2×2 Boca Juniors: e não deu…. vamos em frente

 

 

O Palmeiras empatou com o Boca Juniors nessa noite de 4a feira no Allianz Parque. 2×2.

Luan e Gómez fizeram os gols do Palmeiras.

A história do jogo poderia ter sido diferente em vários momentos da partida. Jogo iniciado e o Palmeiras teve atitude e foi pra cima ditando o jogo. Logo aos 8 minutos fizemos um gol. Depois anulado pelo VAR. Deyverson estava impedido no início do lance.

Aos 18 falha feia de Luan. E a classificação parecia perdida. Como fazer 4 gols nesse time do Boca?

O time sentiu o golpe. Passou a errar demais passes. As intermináveis bolas longas ligando defesa e ataque eram inúteis. Deyverson e Lucas Lima que foram as novidades de Felipão nesse time pouco faziam.

O árbitro deu apenas 3 minutos de acréscimos no 1o tempo. Com a cera que os jogadores do Boca de forma previsível fizeram era para no mínimo 6 minutos. Lamentável.

Veio o 2o tempo. O time com Moisés no lugar de um surpreendentemente apagado Bruno Henrique melhorou. Lucas Lima chutou pra defesa com os pés do goleiro. Logo depois Luan apareceu livre na área e chutou entre as pernas do goleiro deles. 1×1.

A torcida se encheu de esperança. Ainda mais porque logo depois pênalti em cima de Dudu. Eu, no estádio não quis ver a batida. Esperei pela gritaria da torcida de olhos fechados e de costas pro campo. Gol!

Esperança renascida. Antes dos 20 minutos do 2o tempo precisávamos de 25 a 30 minutos para operarmos o milagre esperado. Mais 2 gols….

Mas… mas…. mas… os deuses do futebol são caprichosos.

O gol de empate do River aos 25 ou 26 do 2o tempo acabou com qualquer capacidade de reação dos 11 em campo. Outra falha individual…

Como havíamos dito no pré jogo… qualquer resultado era possível. Caímos de pé. E vamos reconhecer: jogamos mal lá – quando podíamos ter ido pra cima e vencido. Ao final em Buenos Aires perdemos por 2×0 um jogo em 4 minutos.

Aqui, teríamos que vencer e não tomar gols. Tomamos dois gols em falhas individuais… Não jogamos com a intensidade que deveríamos. Coisas do futebol. Do lado de lá tinha um adversário que foi mais competente que nós nos 180 minutos.

Vida que segue. Agora é pensar no Brasileiro 2018 e vir forte para a Libertadores 2019.

Vamos em frente!

 

167 Comments Added

Join Discussion
  1. Lito 03/11/2018 | Responder

    Precisa manter a base para o ano que vem. Eu acho que o Mattos tem que ficar. Para o próximo ano que venha goleiro (do River), um lateral esquerdo, um zagueiro para jogar com o Gomes (porque não o argentino do Grêmio) e deixar o Pedrão e Vitão como reservas. Tem que vir um volante para jogar com o Bruno Henrique, mais o artur, Pablo e quem sabe o Lucas pratto. Moedas de trocas temos, o Weverton, f mello, Antônio Carlos, luan, Dracena, Borja, deyvdson etc. Não podemos entrar na onda da imprensa marrom que só quer a desgraça do time. Tem que ter o apoio da torcida nesta reta de chegaida

  2. Felippe 03/11/2018 | Responder

    Ficar lambendo feridas não resolve. Se não ganhar dos Santos hoje jogando em casa , muda logo essa diretoria para 2019. E ao querido Alexandre Mattos, tchau.

    • Legal, se não vencermos o bom time do Santos hoje, jogando praticamente sem laterais, que venha o Genaro Marino de presidente, assim a Crefisa vai logo embora, o Mattos para de encher o s.a.c.o e a turma do “bom e barato” volta, com seus Gerleis e Black Messis da vida. Pelo menos, a quadra de bocha e o restaurante temático do clube serão de primeiro mundo…

      Galiotte e Mattos precisam (continuar a) ser cobrados pelo que fazem e pelo que deixam de fazer, e devem trabalhar junto com a comissão técnica pra que todos remem no mesmo sentido. Porém, nenhum deles botou o time pra se defender com medo do Barcelona de Guayaquil em 2017 ou do Boca na semana passada. Vamos cobrar cada um pelo que lhe diz respeito.

  3. Jango 03/11/2018 | Responder

    Se o Palmeiras ganhar esse BR, o ano que vem tem tudo pra ser excelente e brigar novamente pelas 3 competições.

    Recorde de arrecadação, contas equilibradas, disparado time mais rico do Brasil, treinador medalhão dando continuidade ao trabalho, renovação do elenco…

    O paulistinha deveria voltar a ser em pontos corridos também, assim, íamos levar também por vários anos nessa nova fase.

    • Vamos por partes. Todo esse poderio econômico e estrutural não nos garantiu necessariamente superioridade técnica, e só ganhamos títulos (já considerando o BR-2018 bem encaminhado) por métodos ultrapassados, mas que ainda se mostram eficientes dado o nível rasteiro do nosso futebol. E é evidente que ser campeão brasileiro é importante (sempre insisto que deveria ser o título a ser buscado constantemente, o restante viria de “brinde”), mas não acho que dá pra chamar o ano de “excelente”.

      Entendo que a busca obsessiva pelo mundial de clubes vai prosseguir, e continuará “atrapalhando” a vida do Palmeiras, que independentemente dos jogadores que contratar ou dispensar muito provavelmente manterá esse esquema de jogo vertical e de pragmatismo, com poucos passes, muitos chutões e pouquíssima qualidade técnica. Funciona bem no cenário nacional, mas cheira a prazo de validade vencido para as próximas temporadas. O desempenho nas partidas decisivas dos mata-matas e em alguns jogos estratégicos do Brasileirão evidenciaram isso. Precisamos de alternativas, seja com novos atletas ou diferentes filosofias de jogo (algo difícil no contexto), caso contrário as chances de fracassar serão consideráveis.

      Que vamos brigar por todos os títulos em 2019, e acredito até pelos próximos anos, não tenho dúvidas. Aliás, isso é obrigação. Ganhar tudo, não é. Apenas sou contra (e é somente a minha opinião, com a qual ninguém precisa concordar) colocar paulistinha nessa lista. Por mim, esse campeonato passaria a ser disputado por reservas e sub-20 definitivamente a partir da próxima temporada.

      E que venha o Deca!

    • Vamos por partes. Todo esse poderio econômico e estrutural não nos garantiu necessariamente superioridade técnica, e só ganhamos títulos (já considerando o BR-2018 bem encaminhado) por métodos ultrapassados, mas que ainda se mostram eficientes dado o nível rasteiro do nosso futebol. E é evidente que ser campeão brasileiro é importante (sempre insisto que deveria ser o título a ser buscado constantemente, o restante viria de “brinde”), mas não acho que dá pra chamar o ano de “excelente”.

      Entendo que a busca obsessiva pelo mundial de clubes vai prosseguir, e continuará “atrapalhando” a vida do Palmeiras, que independentemente dos jogadores que contratar ou dispensar muito provavelmente manterá esse esquema de jogo vertical e de pragmatismo, com poucos passes, muitos chutões e pouquíssima qualidade técnica. Funciona bem no cenário nacional, mas cheira a prazo de validade vencido para as próximas temporadas. O desempenho nas partidas decisivas dos mata-matas e em alguns jogos estratégicos do Brasileirão evidenciaram isso. Precisamos de alternativas, seja com novos atletas ou diferentes filosofias de jogo (algo difícil no contexto), caso contrário as chances de fracassar serão consideráveis.

      Que vamos brigar por todos os títulos em 2019, e acredito até pelos próximos anos, não tenho dúvidas. Aliás, isso é obrigação. Ganhar tudo, não é. Apenas sou contra (e é somente a minha opinião, com a qual ninguém precisa concordar) colocar paulistinha nessa lista. Por mim, esse campeonato passaria a ser dispu.tado por reservas e sub-20 definitivamente a partir da próxima temporada.

      E que venha o Deca!

      • Alexandre 03/11/2018 | Responder

        Os rivais estão no buraco mas se agente começa a zua gamba e bambis eles só fala cadê o mundial? O Palmeiras nas duas últimas Libertadores foi eliminado jogando que nem time pequeno.

  4. papo furado mesmo. Roger não ganha nem o bahianão ou o gauchão. Os jogadores amarelam e a culpa é do Felipão. Não gostar do cara sei lá porque é uma coisa, agora compará lo a um treinador que não
    serve nem pro Vasco aí é o cúmulo do absurdo. O Roger não fica 16 jogos invicto nem em par ou ímpar. .Ah, lembrei, você não gosta do Felipão por causa dos 7 X 1. Pena que não foi 14. Quero que a selegrobo se dane. Uma pena você ainda chorar por causa disso.

    • Paraiba 02/11/2018 | Responder

      Pra mim o time o Palmeiras continua sofrendo gols bobos desde época do Roger, a diferença é que Felipone gosta da marcação atrás da linha da bola ou seja recua demais o time no jogo contra o colo colo em Santiago mostrou isso , não tomou gols por que o time do colo colo é ridículo.
      Felipão ganhou tanto dinheiro tá na hora de gastar.

    • Também acho que os jogadores amarelaram. Mas eles não ficaram todos na retranca total na Argentina porque decidiram. É isso que irrita no Felipão, as vezes ele exagera na precaução. Acho que ninguém ficou, exatamente muitp triste, com os 7 x 1, e sim, as pessoas enxergaram no 7 x 1 (eu incluso), um parâmetro para ver quão distante o Felipão ficou dos técnicos considerados top, o que criou muito receio quando ele foi procurado pelo Palmeiras. Essa sequência invictano Brasileiro, é que é o ponto fora da curva, não o contrário (como a eliminação para Cruzeiro e Boca) no trabalho dele.

      • Paraiba 03/11/2018 | Responder

        Na campanha da Libertadores de 99 o artilheiro do Palmeiras foi sabe quem? Junior Baiano com 5 gols ,mostra que o ponto fora da curva já tem quase 20 anos curiosamente os gols da eliminação de quarta feira foram feitos por zagueiros Luan e Gomez.

    • Você está coberto de razão, Sérgio. Palmeiras campeão das CBs 1998/2012, da Mercosul 1998, da Libertadores 1999 e do Rio/SP 2000 = ganhamos só por causa do Felipão, no máximo os jogadores não atrapalharam. Copa de 2002, idem. Agora, Brasil 1×7 Alemanha, rebaixamento de 2012, jogar com fraldas c@g@ndo de medo na Bombonera, isso tudo é culpa dos jogadores, o Felipão não deu um palpite… Uma pena você ser cego.

  5. O Palmeiras só venceu o Boca na primeira fase porque não valia nada. Papo furado esse que com o Roger teria ido melhor contra Cruzeiro e Boca. Com Roger o ano já teria acabado em Agosto.

    • As melhores atuações do Palmeiras nesta temporada aconteceram sob o comando do RM. Ele errou em muita coisa e não tinha mais clima para continuar trabalhando, mas passar por Bahia na CB e por Cerro Porteño e Colo-Colo na Libertadores até o Bap teria conseguido.

      Papo furado é acreditar que em Buenos Aires o treinador pediu uma coisa e os jogadores fizeram outra. O tom amarelo-covardia predominou dentro e fora de campo.

      • Paraiba 03/11/2018 | Responder

        Com certeza os 2 melhores jogos do Palmeiras foram diante do boca na primeira fase e contra o grêmio em Porto Alegre.
        Pensei esse ano vamos ganhar a Libertadores. .. só se for no playstation!

        • Vimos os mesmos jogos, Paraíba. Sinal de que você consegue enxergar com os olhos e entender com o cérebro, ao contrário de quem tem a visão turva pelo fanatismo a uma figura ultrapassada.

  6. Thom 02/11/2018 | Responder

    Acho que tudo vira um problema muito sério sempre…

    Não ganhamos, faz parte. Torcedor é muito mimado tb, se não ganha tudo e lixo, se ganha 3 jogos chama o Real Madrid achando que tá bom.

    Disputamos pra ganhar TODOS os títulos de 2018. Talvez só venha um, mas a obrigação e disputar pra ganhar e não fazer figuração. E isso, fizemos.

    Reclamar demais tb é um exagero esse ano e também é ser mimado demais…

  7. Paraiba 02/11/2018 | Responder

    O que derrubou o Roger foi sistema defensivo que desde começo da temporada se mostrou frágil.
    Na final do Paulistão, Antônio Carlos foi mal naquele gamba Mateus vital, o cara só fez isso no curintia e ídolo . Os laterais do Palmeiras são fracos Diogo Barbosa é pior que o Egídio , Vitor Luis se complica menos, Mayke é limitado o Marcos Rocha é avenida mais apóia bem.
    Na zaga Dracena tá fazendo hora extra no futebol , Antônio Carlos depois daquele gol do barco no Mineirão onde ficou cercando o gol e olhando a bola entra, mostrou que não serve pro Palmeiras, sobrou Luan que irregular e o paraguaio Gustavo Gomez que é o melhor.
    O que derrubou o Roger foi o sistema defensivo do Palmeiras e sua falta de experiência como treinador, mas o Roger ganhou na Labombonera e do grêmio lá.
    Quando o Keno foi embora complicou mais ainda .

  8. Paraiba 02/11/2018 | Responder

    Cuca foi covarde lá em Guayaquil jogando na retranca sofreu o gol do barça genérico aos 48 do segundo tempo , Felipão fez a mesma coisa na Lambombonera quando tava 1 a 0 colocou Thiago Santos e tomou outro gol tamanha covardia, diante do cruzeiro o time precisando vencer coloca Jean.
    Porca Madonna!
    O regulamento da competição privilegia o gol fora, mas tem treinador que não entende isso.
    Na hora da onça beber água tem treinador que não justifica metade do salário.
    A culpa era do Roger .

    • Com o Axe provavelmente teríamos feito jogos melhores contra Boca e Cruzeiro, mas mais provavelmente ainda estaríamos brigando com Santos e Galo pela sexta vaga na Libertadores. Trata-se de um treinador com bons conhecimentos teóricos, mas que não sabe se impor nem domina vestiário, e no futebol chinfrim destas bandas isso faz uma baita diferença.

      E observando o pessoal quebrando a cabeça pra montar o time pra sábado, a gente percebe o quanto essa história de “melhor elenco das Américas” é daquelas mentiras que se tenta contar tantas vezes até se tornar verdade…

  9. Paraiba 02/11/2018 | Responder

    A torcida do Palmeiras atirou pedras no treinador Roger, que o Palmeiras tomava muito gols, mas o time continua tomando gols . Felipe Melo não marca ninguém, Moisés joga com medo de machucar 2 cirurgias no joelho tá estourado, na zaga só salva o Gustavo Gomez o resto pode mandar embora.
    O Roger ganhou na Labombonera fazendo marcando pressão lá frente, Felipão foi covarde e jogou com 10 atrás da linha do meio campo. Ta aí o resultado.

    Se o Palmeiras quiser ganhar a Libertadores tem que contratar um treinador que não seja retranqueiro.

    • Não meu amigo, a torcida do Palmeiras jogou pedras no RM porque ele foi covarde contra os gambás em nossa própria casa na final, assim como tinha sido contra o Santos no Pacaembu, onde só passamos nos pênaltis, isso sem falar em derrotas e empates contra times como Chapecoense, Sport, Fluminense e por aí vai. Felipão é um treinador extremamente limitado (como Tite e Mano), só que tem currículo e querendo ou não isso faz diferença. Nós não perdemos porque fomos retranqueiros, nós perdemos porque o jogador brasileiro não tem “pegada” para jogos de libertadores, é aquela velha história de ficar se jogando no chão a cada contato feito, libertadores é outra história: é catimba, é malandragem, é raça, é 110% coração. Lá na arena eu vi 3/4 jogadores do palmeiras com esse espírito, o resto jogou de cabeça baixa, e aí meu amigo, não tem treinador que dê geito.

Leave Your Reply