Categorias
Opinião

Votar pelo futuro

 

 

Por Vicente Criscio

Eu estava tentando me segurar para não falar de política nessa reta final do campeonato brasileiro. Mesmo com a vitória desta última 4a feira à noite no Allianz por 4×0 sobre o América e com o título bem encaminhado – porém, ainda não está matematicamente confirmado – minha disposição em falar de política nesse momento era muito pequena.

Mas não dá… leio tantas análises superficiais, carta aberta, desabafos e desatinos, que tenho que me manifestar.

Primeiro porque para quem ainda não sabe tenho quase 8 anos de conselho. Conheço como funciona aquela máquina…

Segundo que – como o nome desse site diz de forma pretensiosa: Terceira Via Verdão – eu e outros poucos amigos tínhamos a visão de um dia colocar o Palmeiras na vanguarda da gestão do futebol mundial. O Palmeiras tem história, marca, torcida, ativos suficientes para isso. E há muitos anos eu e um seleto grupo de amigos estudamos e pensamos sobre isso.

E terceiro: na última eleição, aquela de 2016, de Maurício Galiotte, eu poderia ser o candidato. Aliás, alguns amigos me desafiaram com essa ideia. Não quis sair candidato porque tive a convicção, em conversa com Maurício Galiotte – antes mesmo dele ser indicado a concorrer – que ele era a melhor solução para a transição entre Paulo Nobre (pra relembrar leia essa matéria de Jorge Nicola de 28/09/2016) e algum nome que deveria surgir após um ou dois mandatos dele. Eu poderia sair candidato? Sim! Ganharia? Provavelmente não! Seria legal pro ego? Talvez. Ajudaria o Palmeiras naquele momento: com certeza não! Então, não saí!

Portanto, com esse histórico, me auto credencio a falar sobre o atual momento político da SEP e a eleição para Presidente que teremos no próximo sábado, dia 24.

Primeiro, sobre o atual Presidente. Maurício é agregador, tem uma visão de Palmeiras menos centralizadora que seu antecessor, enxerga a necessidade de fazer a gestão com colaboradores, valoriza a profissionalização, e entende que estamos no meio de uma transformação. Aquela que levará o Palmeiras a um plano muito superior de seus adversários.

Hoje já somos protagonistas no futebol brasileiro. Disputamos em 2018 todos os títulos. Estamos prestes a ganhar um campeonato brasileiro. Campeão em 2015 da CB, em 2016 do Brasileiro, vice campeão em 2017, e se os deuses do futebol assim permitirem em mais 10 dias estaremos levantando a taça no Allianz Parque.

Parênteses: curiosamente esse desempenho vem depois de dois grandes eventos: Allianz Parque no final de 2014 e Crefisa em 2015. Voltemos ao texto!

Pegando o gancho sobre parceiros: o atual Presidente Maurício Galiotte não cria conflitos com parceiros de valor. Ao contrário: ele valoriza e sabe que temos que preservá-los e construir mais valor juntos, para todas as partes.

Ora, nossos adversários fariam fila na porta da Crefisa e WTorre para tê-los como parceiros. Vejam no futebol brasileiro. Quem é patrocinador da camisa dos grandes clubes? Quanto pagam para colocar a marca na camisa desses clubes? Quantos estão dispostos a colocar dinheiro novo para fazer o centro de treinamento mais moderno da América Latina? E sobre o Estádio? Qual o modelo do Itaquerão? Quem vai pagar essa conta?

Mas alguns palmeirenses não: veem mais riscos ou problemas do que oportunidades. Por esse motivo Crefisa e WTorre são tratados por alguns como “inimigos” da SEP.

Quer um exemplo? Leio hoje uma coluna do PVC (pvc.blogosfera.uol.com.br/…/o-grande-debate-sobre-o-futuro-do-palmeiras).

Se fosse aquela análise de certos jornalistas com viés clubístico contra o Palmeiras, eu até entenderia. Mas com enorme respeito que tenho pelo palmeirense PVC, a análise em questão é rasa, sem profundidade, feita da mesa do escritório, sem vivenciar o dia a dia de um clube da dimensão do Palmeiras. A análise não se aplica à nossa realidade.

Alguns não conseguem entender que a Crefisa é patrocinadora, coloca o maior investimento de marketing num clube de futebol na América Latina, é de palmeirenses apaixonados, reconhecem o valor que esse patrocínio traz para a marca, e por terem entrado na vida política compreendem bem os desafios que temos hoje e as mudanças que são necessárias.

Trazer o debate para “o bem contra o mal”, para “ter Crefisa ou não ter Crefisa”, é de uma ausência de conteúdo que vem da própria campanha da oposição. A Crefisa, diferente de Parmalat, é patrocinadora. SE e QUANDO um dia ela sair, os gestores palmeirenses terão que procurar um novo patrocinador master. Pode ser da própria rede de parceiros que está se desenhando. Pode ser fora dessa rede. E isso será tão desafiador quanto foi em anos anteriores. Porém, com uma diferença. Nossas receitas, graças ao Allianz Parque, e graças a ações que estão em andamento pela atual gestão, estão equilibradas. Não estão concentradas em uma fonte.

Outro engano que cometem: achar que o Avanti é a salvação de tudo. Não, não é. O Avanti tem um limite. E esse limite chegou antes do Presidente Maurício assumir a gestão. Ele sofre variações de inadimplência porque seu apelo está em ofertar cadeiras no Allianz para dias de jogos. Como a capacidade do estádio é limitada (42 mil MENOS camarotes MENOS espaço para torcida adversária MENOS 10 mil cadeiras da WT) o limite que temos para oferecer é de ~28 mil lugares. Já temos mais de 100 mil adimplentes. Não haverá um Avanti maior do que esse enquanto o apelo for “cadeira em dia de jogo”. Aliás, a discussão é muito mais profunda e não dá pra ser debatida em apenas um post.

Portanto as análises, cartas, desabafos, são rasas ou oportunistas. Usam o desconhecimento profundo da maioria dos torcedores (que não são obrigados a entenderem o “economics” do futebol) para transformar o pleito deste sábado numa discussão sobre “soberania” e modelo “auto sustentável”. Chega a ser estúpido! Perda de soberania é pegar dinheiro emprestado de presidente pra pagar as contas, porque ficamos sem patrocinador e doamos jogadores para outros clubes (remember Barcos e Kardec). Perda de soberania é quase ser rebaixado no ano de centenário.

Quero andar pra frente. Quero um futuro para o Palmeiras melhor do que o presente e muito melhor do que o passado.

Nesse pleito estamos muito próximos de darmos um novo salto. De sairmos do protagonismo (que já estamos) no cenário nacional, para o protagonismo no cenário internacional. De nos nivelarmos em termos de gestão e conquistas aos maiores clubes do mundo. O trabalho para transformar isso tudo é grande e levará anos. Mas estamos no caminho e temos que continuar na direção do futuro, e não voltar ao passado.

Eu neste sábado dia 24 vou votar na chapa 100 de Maurício Galiotte porque olho pro futuro e aquilo que o Palmeiras poderá ser de melhor.

Saudações Alviverdes!

65 respostas em “Votar pelo futuro”

Caros Palestrinos,

como meu sobrenome e de toda família já entrega, sou palestrino de coração, tendo descoberto isso somente 9 anos, pois me negava a assumir porque achava futebol coisa “boba”. Com o passar dos anos, as seleções de 93 e 94 plantaram um amor que sinto por algo, alguém, etc que sou incapaz de encontrar a raíz. Fato é que: sou o mais fanático de todos, leio o blog, o Verdazzo semanalmente, não fiquei um dia sem ver a câmera online da construção do Allianz e assim por diante…

Como palmeirense que sou, de 34 anos, conheço a história mais recente de nossa paixão, admirando o trabalho do vovô Belluzo (de economista veterano – sou formado em economia pela Unicamp – a quem assinou o contrato com a Parmalat e WTorre) ao de Paulo Nobre, que mesmo com o seu grande ego, nos possibilitou atrair olhares de grandes investidores dada a situação mais branda de nossas finanças que com sua entrega nos possibilitou chegar e não depender mais de RGTs da vida.

Galiotte vem sem sendo um excelente presidente. Muito criticado por assumir “dívidas” com a Crefisa soube se posicionar frente a eventos vexatórios (final do paulista, contrato com a RGT, etc) a traçar uma linha sucessória sábia e capaz de alinhar interesses pró Palmeiras.

Criscio, já via boas perspectivas com a continuidade, após sua análise de nossas entranhas estou convicto. 6 anos + outros prováveis 3 + 3 serão incríveis 9 a fiar de prosperidade, títulos e consolidação de um projeto que espero não ter mais volta. Tornei-me sócio Avanti (quando este nem se chamava assim) em agosto/2013 certo de que teria preferência para adquirir ingressos para nossa tão sonhada e merecida casa de 1º mundo, e lá estava no dia da inauguração. Lágrimas incrédulas que aquele monumento era nosso e feliz pelo sonho que se desenhava a frente.

Hoje, 4 anos após aquele dia, vivencio o sonho virando realidade. Mudo-me para São Paulo em janeiro e espero poder um dia contribuir politicamente com o clube que tanto amo.

Decacampeão e feliz da vida encerro meu post desejando o bi Deca em 10 anos daqui a frente, rs.

Saudações Palestrinas e um grande abraço a todos.

Luís Fernando Brugnerotto

Parabéns Luis. Lindo texto e linda história. Esperamos vc por aqui. Vamos ficar em contato. Abraços,

Olá, Vicente,
Há tempos não pisava por essas bandas,
Legal voltar a ler um texto aqui do 3VV.
Parabéns, opinião bastante sensata.
Abraços

Muito bem colocado, Criscio! Agora corre lá que a tia Leila vai pagar mais um rodízio de pizza!

Rsrsrs…. senti uma leve ponta de ironia no comentário…. faz parte.

Vicente, parabéns pelo excelente post. Fica o registro histórico, corajoso. Seria fácil se posicionar simplesmente como uma terceira via, ou então simplesmente não formalizar aqui uma posição, mas não, texto abrangente e conciso. Habilidade rara. Pode-se concordar, discordar, mas se todos se posicionassem desta forma, tudo seria muito mais fácil, não só no Palmeiras. Transparência, Lógica, Raciocínio, que fundamentam cada posição. Parabéns !! Sempre um convite ao debate, mas neste caso concordo 100% com o raciocínio e posição.

Mais uma vez, você foi cirúrgico. Sei reconhecer a grande ajuda que o Paulo Nobre deu a clube, inegável Palmeirense fanático, mas que tem um orgulho maior que a razão, o que as vezes é bom, mas muitas vezes passa do limite. Fiquei decepcionado que na reta final a discussão do Genaro (a quem respeito muito também) foi atacar o Mauricio, acusando de traição. Esse era o discurso. Não houve debate de novas idéias apenas acusações, porque a patrocinadora não deveria ser conselheira, como se isso fosse o fim do mundo. Como tudo na visa, o Palmeiras tem que seguir evoluindo, falta muito, mas acredito que estamos no caminho certo. Acho que todo o “novo” presidente demora um pouco para aprender como funciona o mundo do futebol, fora do clube. Vejo o Mauricio em franca evolução, a maneira como ele trata parceiros, arbitragem, como se posicionou frente a Globo, Federaçao, CBF etc etc. Espero que faça um grande 2o. mandato e espero que a oposição seja um contra ponto de idéias e trabalhe pró Palmeiras. Enquanto isso, vamos levar mais uma taça hoje e se concretizar como a grande potencia do Futebol Brasileiro.

O que vejo em alguns comentários e também pela mídia é que meia duzia de “palmeirense” se imaginam donos da SOCIEDADE ESPORTIVA PALMEIRAS, pelo contrário, nos tornamos um patrimônio cultural com histórias bonitas e valorosas. Mal eles sabem se forem direcionados para um caixão a caminho do cemitério já no dia seguinte só serão lembrados nos jantares destes pseudos donos enquanto que os verdadeiros donos da SOCIEDADE ESPORTIVA PALMEIRAS continuaram a externar suas alegrias, entusiamos, esperanças e até tristezas ………….VIVA A SOCIEDADE ESPORTIVA PALMEIRAS!!!

General, Antônio Carlos e Edu Dracena não, não, não. Já basta o Weverton. Dá lhes Dudu.

Vicente, caso o Dudu sai, sugiro que peça ao Matos que dê uma olhada com carinho no Casares (Atlético MG).
Vejo-o como um Dudu, rápido, driblador, armador e bate falta muito bem, algo que Dudu não tem.

Na boa, isso aí tá me parecendo aquela conversa dos gambás que iriam ter a empresa de aviação dos Emirados Árabes que pagaria a “conta” da arena(kkkkk) de Itaquera e no final foi conversa fiada. Vamos ser honestos porque uma empresa de energia alternativa, algo que hoje é para poucos pois é cara, iria patrocinar um clube de futebol?????

100 na cabeça!!!

Agora peçam pro Genaro apresentar a proposta milionária da tal Black Star Oil. Afinal, ele fez tudo isso pro bem do Palmeiras, não?

Até 2028, Paulo Nobre!!!

https://blogdojuca.uol.com.br/2018/11/river-x-boca-de-fato-o-fim-do-mundo/

A Libertadores dando 40 passos para trás. É por coisas como essa que eu defendo que os brasileiros se retirem dela. O Brasil sustenta esse torneio que tem organização criminosa. Para clubes que falam em gestão e ampliação da marca internacionalmente, até que ponto vale se misturar a isso? Pra mim não vale nada. Já não valia quando a torcida organizada do Corinthians matou um menino e o Corinthians não suspenso de competições internacionais por pelo menos 5 anos. É defenderia o mesmo se fosse a torcida organizada do Palmeiras

Pois é. É o eterno subdesenvolvimento.
Badalaram tanto esse jogo e deu nisso.

https://blogdojuca.uol.com.br/2018/11/river-x-boca-de-fato-o-fim-do-mundo/

A Libertadores dando 40 passos para trás. É por coisas como essa que eu defendo que os brasileiros se retirem dela. O Brasil sustenta esse torneio que tem organização criminosa. Para clubes que falam em gestão e ampliação da marca internacionalmente, até que ponto vale se misturar a isso? Pra mim não vale nada. Já não valia quando a torcida organizada do Corinthians matou um menino e o Corinthians não suspenso de competições internacionais por pelo menos 5 anos. É defenderia o mesmo se fosse a torcida organizada do Palmeiras.

Moro no interior , não tenho a menor idéia do que acontece nos bastidores políticos do Palestra e formo minha opinião baseado nas opiniões dos colegas aqui e pelo que leio na internet e vejo na TV. Sempre soube pela esmagadora maioria dos Palmeirenses que Mustafá é um ser maléfico para a SEP e qualquer um que se alie a ele merece toda desconfiança do mundo. Eu , na vida, já desconfio e muito de pessoas obsecadas pelo poder, que fazem qualquer coisa pra chegar onde querem e , sinceramente , não consigo encontrar boas intenções nesta mulher chamada Leila Pereira, nem sequer acredito que ela seja realmente palmeirense. Óbvio que a parceria com a crefisa é ótimo para o Palmeiras e uma patrocinadora dessa não aparece todo dia pra um clube grande mas tenho muito medo de no futuro o Palmeiras pagar caro por fazer parceria com pessoas que colocam seu ego e vaidade acima de qualquer outra Coisa, inclusive a Entidade Sociedade Esportiva Palmeiras. Pessoas assim geralmente são muito boas quando estão do seu lado e conseguindo alcançar o que almejam e são terríveis quando as coisas não dão tão certo pra elas. Nao tenho lado nessa história justamente por não saber realmente o que acontece lá dentro , Só espero que os conselheiros que votam e decidem a vida do clube estejam bem conscientes do que estão fazendo. E que a gente NUNCA MAIS viva aqueles anos de 2000 a 2014.

Não sei como tem gente que critica a patrocinadora!!! Eu só vejo boas intenções na Leila!!! Até porque em 2014 o Palmeiras era um péssimo produto para investir. Agora que deu certo é fácil falar!!!!
Não queria fazer analogia com política, mas sou obrigado!!!
Elegemos Bolsonaro porque sabemos do potencial que ele tem, mas cuidaremos com a opinião pública e o congresso para que a coisa não desvirtua!
Elegemos o Galiotte pelo potencial e tom conciliador que ele tem, mas cuidaremos com a torcida, sócio e conselheiros para que a coisa não desvirtua!!!
E para finalizar todos os torcedores do Curica que conheço estavam torcendo para a oposição com a esperança da Crefisa sair!!!
Pensem nisso antes de criticar esse patrocínio!!!!

O problema não é o patrocínio LGO, o problema é a Leila querer a qualquer custo se tornar presidente do clube, a ponto de forjar um documento para validar sua candidatura na próxima eleição. Não consigo entender essa obsessão dela pelo poder no Palmeiras.

Era justamente meu ponto mais cedo. O patrocínio da Crefisa é ótimo, e não devemos mesmo ficar brigando com parceiros comerciais. Mas também, temos de ter o cuidado de não deixar o parceiro fazer o quiser no clube. As atitudes da Leila hoje, trazem insegurança para o futuro. O que ele vai fazer quando encontrar novas barreiras na SEP? Vai articular de novo mentiras, ameaçar tirar o patrocínio, etc? É complicado, e até entendo que isso deva dar uma baita dor de cabeça para o presidente, mas ele precisa por um pouco de juízo na cabeça da tia Leila.

Criscio, a propósito, essa empresa que a oposição apresentou hj existe?
Outra dúvida, existe alguma coisa em andamento que venha a possibilitar nós, sócios torcedores, de votar?

Nem tenho uma opinião sobre os candidatos, mas gostaria de fazer uma pergunta a todos os comentaristas desse espaço. O que a Leila fez, juntamente com o Mustafá, com aquela carta que “dizia” que ela seria sócia desde 1996 e que por isso, poderia ser candidata ao conselho, na opinião de vocês foi correto ?

Foi um casuísmo e uma gambiarra, sem dúvidas, mas também seria uma estupidez perder um patrocinador desse porte. Não foi algo sujo ou desonesto, mas um típico jeitinho brasileiro. Cada um que julgue como quiser.

Eu considero, inventar uma mentira, com objetivo de driblar um regulamento na luta por poder, algo bem sujo e desonesto. Mas vai ver, fui criado com conceitos errados de honestidade…

Então, PCM 51, eu penso igual. Mas alguém assinou a carta, talvez com medo de perder o patrocínio…

Vicente, como sempre você foi preciso, didático e assertivo. Concordo plenamente com tudo. PARABÉNS pela análise e post. Abraços

Vicente, como sempre você foi preciso, didático e assertivo. Concordo plenamente com tudo. PARABÉNS pela análise e post. Abraços

Perfeito, Vicente, mais uma vez pautando pela modernidade e protagonismo que tanto sonhamos para o Palmeiras. Parabéns e forte abraço.

Perfeito, Vicente, mais uma vez pautando pela modernidade e protagonismo que tanto sonhamos para o Palmeiras. Parabéns e forte abraço.

Concordo com o post, sempre lúcido, do Vicente. Todas as decisões tomadas na condução de um empreendimento como o Palmeiras traz riscos. Devemos administrá-los e nos proteger com a continuidade da transformação do VERDÃO. O que não podemos é correr risco de cair, como no ano do centenário, de ser recusado por bons jogadores, ficar nas mãos das velhas práticas políticas, como o vazamento de documentos para expor parceiros, além de outros tantos riscos que corremos na época em que o Palmeiras tinha dono. Hoje devemos nos proteger, com profissionalização, para que o Palmeiras seja profissional e independente. PS. Não tenho qualquer preferência política.

Analisando a chapa de oposição vê-se que ela não é ruim. O Genaro Marino é um palmeirense de confiança e os vice-presidentes da chapa, também. Mas a “sombra” de Mustafá Contursi pairando sobre aquela chapa não traz bons augúrios. O Galiotte faz boa administração, também é confiável, tem bom relacionamento com os dois grandes parceiros e, portanto, não há motivos para mudar o presidente. Galiotte deve ser reeleito.

Não sei se concordo com algumas colocações contra WTorre e Crefisa nesse blog.
Quanto a Wtorre ate entendo as discussões pelas cadeiras, mas será que isso não é muito pequeno para uma parceria tão forte e para o bem que o Allianz está fazendo e continuará a fazer??? Será que não era possível sentar para discutir e ambas as partes cederem um pouco sem o assunto ser levado para a justiça????
Quanto a Crefisa concordo que eles tiveram muitas vantagens nessa parceria também, mas agora é fácil ver isso. Quando iniciamos a parceria o risco era todo da Crefisa e isso precisa ser levado em conta. Outra coisa não estou preocupado se ela será ou não candidata e com o estatuto. Quem elege são os sócios e conselheiros do clube e espero que eles avaliem bem o que é melhor para o Palmeiras.
E por último ainda em se falando de Crefisa e deixando um pouco o fanatismo de lado, eles poderiam muito bem ter escolhido um outro clube com uma politica interna mais simples e com tanto ou ate mais poder de Marketing que o verdão. Lembro a todos que foi a Crefisa que nos procurou como poderia ter procurado outro clube. Lembro a todos também que quando a Crefisa chegou estávamos numa draga profunda na política do bom e barato e disputando para não cair.
Portanto não podemos nem devemos vender o clube obviamente, mas também deveríamos (e não fazemos) valorizar ao extremo esses dois parceiros que nos ajudaram e continuarão ajudando ao Palmeiras ser protagonista como está sendo.

Não sei se concordo com algumas colocações contra WTorre e Crefisa nesse blog.
Quanto a Wtorre ate entendo as discussões pelas cadeiras, mas será que isso não é muito pequeno para uma parceria tão forte e para o bem que o Allianz está fazendo e continuará a fazer??? Será que não era possível sentar para discutir e ambas as partes cederem um pouco sem o assunto ser levado para a justiça????
Quanto a Crefisa concordo que eles tiveram muitas vantagens nessa parceria também, mas agora é fácil ver isso. Quando inciamos a parceria o risco era todo da Crefisa e isso precisa ser levado em conta. Outra coisa não estou preocupado se ela será ou não candidata e com o estatuto. Quem elege são os sócios e conselheiros do clube e espero que eles avaliem bem o que é melhor para o Palmeiras.
E por último ainda em se falando de Crefisa e deixando um pouco o fanatismo de lado, eles poderiam muito bem ter escolhido um outro clube com uma politica interna mais simples e com tanto ou ate mais poder de Marketing que o verdão. Lembro a todos que foi a Crefisa que nos procurou como poderia ter procurado outro clube. Lembro a todos também que quando a Crefisa chegou estávamos numa draga profunda na política do bom e barato e disputando para não cair.
Portanto não podemos nem devemos vender o clube obviamente, mas também deveríamos (e não fazemos) valorizar ao extremo esses dois parceiros que nos ajudaram e continuarão ajudando ao Palmeiras ser protagonista como está sendo.

O dinheiro da Crefisa é muito bem vindo. Mas certo é certo, errado é errado, não importa se estão envolvidos 10 ou 100 milhões de reais. Leila não é Palmeirense, é vascaína. Ela não era e nunca foi sócia desde 1996. Isso foi uma manobra mentirosa do sapo boi, pra deixar a Leila em condições de se candidatar logo. Rasgaram o estatuto, e se tomarmos isso como indício, ela nem chegou ao poder e já está “trapaceando”. Quanto as cadeiras, nenhum dos dois queria ceder, e o Palmeiras fez bem em levar pra arbitragem, se a WTorre tivesse todas as cadeiras, o Avanti não serviria pra mais nada, pois seria a Wtorre quem poderia comercializar as cadeiras, e repassaria pro Palmeiras o dinheiro da bilheteria, mas provavelmente, valores menores que os arrecadados com os planos Avanti.

Finalmente algum comentário lúcido aqui. Minha opinião é simples: está todo mundo cego pelos milhões investidos e os desvios éticos vão empurrando pra baixo do tapete.

Mustaphá que ama Nobre, que odeia Leila, mas amou Gagliote, que ama Leila, que amou Mustaphá, que amou Gagliote, e ama Marino; e todos amam o poder, e odeiam bom futebol..

Só não sejamos “ingênuos”, o dinheiro da dona Leila e suas empresas são bons , mas o retorno financeiro que o Palmeiras dá para a FAM e Crefisa é maior ainda. Basta fazer as contas. Quando algum dia a Crefisa sonhou em fazer propagando no intervalo mais caro da TV Brasileira que é o do Jornal Nacional? Ela é Palmeirense, o marido muito mais, mas sabemos muito bem qual é o interesse dela daqui a 3 anos. O Palmeiras não pode aceitar que ela saia por aí gargantendo que vai levar embora o patrocínio como se o Palmeiras dependesse deles para existir. Alguém precisa conversar com ela e pedir que baixe o tom. Basta fazer uma pesquisa séria de mensuração de marca, marketing, aumento de faturamento do grupo dela, e mostrar para a moça que o Palmeiras agregou valor no mínimo similar ao que foi investido por eles. E não foi só com ela. Foi assim com a Parmalat que era desconhecida no Brasil, com a Kia. A Fiat já era enorme no Brasil mas também faturou. E a Samsung, que ainda não era esse monstro que é hoje, e foi descartada de forma absurda se não me engano pela gestão ( e me decepcionou muito) Beluzzo. Acredito que ela não teria ambição política no Palmeiras, em compensação hoje é “só” a sexta marca mais valiosa do mundo. Até hoje não entendi porque foi retirada da camisa do Palmeiras. Não sou sócio do clube e não vivo a vida política do mesmo, mas adoraria entender o que justificaria a saída da Samsung da nossa camisa.

Cassio,
A Crefisa aumentou seu capital em quase 80%…
Eram 2,2 BI e após 3 anos no Palmeiras, saltou para 3,9 BI… por milagre?
A parceria é benéfica para ambos, somente entendo que não devemos ser reféns dos desatinos dela…

Pelo que eu me lembre, foi a Samsung quem não quis esticar o contrato. Ela achou que investir em futebol não era interessante, não trazia o retorno desejado, e encerrou o patrocínio no término do contrato. Pra ser justo, naquela época, acho que nem eu iria querer gastar com um time com os jogadores maravilhosos que nós tínhamos…

Plagiando meu irmão/xará… Simples, claro e objetivo. Não vê quem não quer! Ou não pode. Ou não consegue.

Concordo bastante com essa visão, no entanto, faço uma ressalva quanto a parte dos “parceiros”: um queria uma participação absurda nas cadeiras do Estádio, quando o texto claramente dizia outra coisa, e o outro parceiro passou por cima do estatuto que nem um trator em nome de um plano de poder, usando uma mentira deslavada para faze-lo (com a mão do sapo boi pra variar um pouco…). Não brigar com os parceiros ok, mas também não vamos vender a alma da SEP em troca de $$$.

Palmeiras deu muita sorte de não ser um Vasco. De ter tirado poder de velho retrógrado e evoluído.

Podemos não ter o melhor time disparado do Brasil, mas é gritante a diferença do Palmeiras 18 e Palmeiras 14.

Até do Palmeiras 16, quando ganhamos o Brasileiro mas não tinha uma perspectiva exatamente positiva…

Muito lúcido e necessario o comentario, pois como a coluna citada, existem outros na imprensa que estão balizando a eleição da mesma maneira, em vez de olhar para frente e esquecer (cada vez mais) nosso passado de mesquinharias, doações e cartilha do padrinho do bom e barato.

Só tenho um senão nessa questão do Avanti. Acho que a diretoria subestimou a torcida do Palmeiras. Sobretudo os de menor poder aquisitivo. E acredito que terá que corrigir no futuro. É claro que são tempos e realidades diferentes mas, o Allianz terá que comportar pelo menos 60 mil pessoas. Isso fora os camarotes e outras áreas mais nobres. Pensar em um Palmeiras Global é pensar em gente de várias camadas sociais e nacionalidades.Em um ponto obrigatório de visitação para quem vem a SP. Assistir a um jogo do Palmeiras no Allianz tem que ser passeio obrigatório no futuro. Como acontece com Boca, Real e Barcelona por exemplo.

Quem quer um Palmeiras na vanguarda, disruptivo, buscando crescer evoluir ano após ano. Disputando pra vencer todos os campeonatos importantes, como nessa temporada, não pode estar ao lado ou aceitar apoio do maior adversário do Palmeiras nos últimos 40 anos.Mustafá.

Mesmo ele tendo sido vital para a eleição da chapa Nobre/Galliote. Logo em seguida voltou a ser o encosto de sempre.

Simples, claro e objetivo. Não vê quem não quer! Ou não pode. Ou não consegue.

Mais uma vez, perfeito Vicente…. sem tirar, nem pôr! Palmeiras, Avanti!

“Perda de soberania é pegar dinheiro emprestado de presidente pra pagar as contas, porque ficamos sem patrocinador e doamos jogadores para outros clubes (remember Barcos e Kardec). Perda de soberania é quase ser rebaixado no ano de centenário.”

Esse trecho do texto do Vicente deveria constar em vários outdoors ao redor do clube neste final de semana de eleição, caso estes ainda fossem permitidos em São Paulo. Resume com precisão o meu sentimento e, acredito, o de muitos palmeirenses que sabem que as pessoas vão e vêm, mas o Palmeiras fica.

Óbvio ululante, mas pelo que se vê por aí, poucos são capazes de enxergar…

Concordo com o Vicente. Sempre expõe sua opinião, posicionamento e críticas com fundamentos.
Para mim, a questão se resume em preferir o lado que não tem apoio de Mustafá Contursi e Arnaldo Tirone. Coincidentemente, os dois presidentes que nos levaram a segunda divisão.

Vicente somos o futuro mas o Palmeiras tem una enorne turma do contra que precisamos desinfectar. ..aos poucos mas vai acabando

Concordo plenamente com o texto. É bom jair se acostumando, que o tempo do ‘Mumu’, não pode voltar nunca mais!

Pessoal,
Como alguém que não vive o dia a dia político do Palmeiras, tem uma regra que aprendi ao longo dos anos que deixo como sugestão a todos:
Quando em dúvida sobre qual posicionamento em determinado assunto é mais benéfico ao Palmeiras, basta seguir o Vicente e o Jota.

Simples assim (detesto essa expressão mas nesse caso se aplica perfeitamente).

Análise perfeita Vicente. Vamos continuar a modernização do Palmeiras e consolidar a evolução.

Galera, e com relação a centralização de poder que está se desenhando, numa posição de Presidente(a)/Patrocinador, não é um risco muito alto?….
PS. Antes de mais nada quero deixar claro que não tenho qualquer preferência política.

Eu também fico com a pulga atrás da orelha Ronaldo. Na prática, isso meio que já aconteceu na própria gestão do Paulo Nobre, com a diferença de que ele não era um patrocinador, e sim emprestou dinheiro para o clube. Outra diferença, o Paulo Nobre cumpriu todo o rito até a chegar na presidência. Já a Leila arrumou seus atalhos (ao que tudo indica, pelo menos).
Quero dizer aqui que também não tenho preferência política. E que dou meu voto de confiança na opinião do Vicente, que conhece muito bem o ambiente político do Palmeiras, e é uma pessoa da qual eu não duvido das boas intenções para o nosso Verdão.

Ronaldo a pergunta é boa e pertinente. Por enquanto a Crefisa patrocinadora negocia a cota (acima da média de mercado, como sabemos e podemos comprovar) com o Presidente e profissionais de marketing contratados pelo Palmeiras. Hoje ninguém da Crefisa faz parte da diretoria. Quando e SE um dia a Conselheira Leila Pereira for Presidente, aí sim concordo que deveríamos ter um modelo de governança bem rígido onde os profissionais da SEP deveriam negociar. Note que eu aqui no 3VV defendo há anos (e põe ano nisso) um modelo de governança e puramente profissional, do CEO ao mais humilde colaborador. Com um Conselho (não esse que a gente conhece) com condições de discutir e opinar sobre o futebol e decidir sobre temas estratégicos. Esse modelo precisará ser desenhado. Quando isso acontecer não é só o “risco” (eu acho que ele não existe mas respeito quem de forma construtiva aborda esse tema) com o atual patrocinador que é eliminado. É o risco (aí sim, ele existe) de qualquer presidente que assumir no futuro ou assumiu no passado a SEP tomar decisões CONTRA os interesses da instituição (por exemplo, doar Barcos ao Grêmio correspondeu a uma boa parcela de patrocínio; perder Kardec também; não fechar um mísero patrocínio no centenário também trouxe enormes prejuízos à SEP; será que isso não foi por erros ou caprichos de apenas uma pessoa? quem mitigava esse risco? qual a governança que existia na época?). Abraços,

Mas o atual presidente fez o quê por essa governança? Aliás, com que apoio ele foi eleito? Quando a Leila disse que iria para o flamengo que teria mais visibilidade do que na SEP, ela estava gritando contra o Nobre ou contra o Palmeiras? Me perdoem todos, não sou sócio e nem conheço da política das alamedas, mas os dois grandes conflitos com parceiros ocorreram em relação às cadeiras com a WTorre, com a justiça mostrando quem estava correto, e o outro em relação ao tempo de associada da senhora Leila, que foi avalizada por uma cartinha do tal Mustafá que todos dizem que é associado do Nobre, que não aceitou a tal carta, diferente do que fez o atual presidente. Acho que estão vendo o dinheiro e dizendo que é para o bem da SEP, mas há exemplos de que não é bem assim.

Cleiton, concordo em número, gênero e grau. A Leila é boa devido ao dinheiro que ela descarrega ( não só no Palmeiras), mas nessas ameaças recentes, ela queria denegrir a imagem do Palmeiras, dizendo que sem ela o clube não anda, uma doce mentira que a midia pontecializa e torná-a verdade. Eu não gosto dela, acho uma pessoa obssecada pelo poder e temo pelo futuro com ela na presidencia, afinal todos sabem que este será o nosso destino. Até que ponto saberemos separar o patrocinador do conselho, ai entra o que o Ronaldo mencionou, a centralização, viraremos um clube-empresa? Ou clube “ingles” vendido pra Oligarcas? Estamos em 2018, mas 2021 é logo alí. Não sou louco de achar ruim o seu patrocinio diferenciado, mas no conceito patrocinio entende-se que são duas instituições parceiras, sem relações internas em conselho, cada um com suas próprias pernas e tomadas de decisões.

Vicente, falando em ”parceiros”, ou ex-parceira, como anda o relacionamento Palmeiras x Globo hoje, 22/11/2018?

Estava escrevendo e parei ao ler o comentário do Mario, pois retrata toda minha opinião.
Paulo Nobre nos ajudou muito, mas passou. Brigar com Crefisa e WTorre é loucura. Qual a dificuldade de sentar na mesa e se acertar com dois parceiros tão importantes para o clube. O Galiotte tem seus defeitos, mas a gestão moderna precisa desse tom agregador e racional que ele possui, mesmo em se tratando de um clube de futebol.

Como dizia minha avó: concordo com você em grau, gênero e número…….E que me desculpem as “viuvas” do Paulo Nobre, hoje ele é passado, serei eternamente grato por tudo que fez, mas hoje Galiiotte é sim um diferencial a nosso favor, que se reeleja e continue com o excelente trabalho a frente do Campeão do Século XX.

Os comentários estão desativados.