As chapas concorrentes em 2019

Como foi explicado no post anterior – a composição do Conselho Deliberativo, clique aqui e leia – a última revisão do estatuto definiu dentre outras duas mudanças fundamentais: o aumento do mandato do Presidente da Diretoria Executiva de 2 para 3 anos, e a diminuição da obrigatoriedade do número de candidatos por chapa de 90 para 60.

Com essa mudança, e também com a nova composição política as chapas tiveram que se adaptar.

Para sermos mais didáticos, dividimos em 3 seções:

  1. Como as chapas se estruturavam até 2017?
  2. O que é o “quociente eleitoral”?
  3. Quais são as novas chapas?

Como as chapas se estruturavam?

Na última eleição para o Conselho, aquela de fevereiro de 2017, tínhamos 4 chapas concorrendo.

Palmeiras Forte: chapa tradicionalmente coordenada pelo ex-Presidente Mustafa Contursi;
UVB: chapa do antigo Muda Palmeiras, coordenada por Wlademir Pescarmona;
Palestra: chapa que era considerada um “centrão”, onde a maioria de seus conselheiros apoiou as gestões desde Affonso Della Monica, passando por Belluzzo, Tirone e chegando até Paulo Nobre. Abrigava aqueles conselheiros que não ficavam na polarização Mustafá Contursi x UVB.
Academia: naquele momento era a chapa mais jovem, que cresceu durante a gestão do ex-presidente Paulo Nobre e que abrigou conselheiros do grupo político Fanfulla.

O quociente: a forma de alocação de vagas de conselheiros por chapa

Importante entender que a ocupação das cadeiras do Conselho Deliberativo segue a lógica do preenchimento de vagas nos parlamentos. Cada chapa contabiliza o total dos votos de seus candidatos, e esses votos serão divididos pelo total de votos entre todas as chapas. Esse é o “quociente” eleitoral.

Por exemplo, suponham que tivemos no total 4 mil eleitores votantes. E a chapa XIS tenha recebido 2 mil votos somando todos os seus candidatos. Dois mil votos divididos por 4 mil eleitores, teremos 50%. Logo, a chapa XIS terá 50% de “quociente” das 76 cadeiras em disputa, ou seja, 38 cadeiras. Então os 38 primeiros colocados da chapa XIS serão os candidatos eleitos.

Ou seja, quanto mais competitiva for a chapa, quanto mais votos seus candidatos tiverem, mais forte ela será e maior será seu quociente. O que lhe dará mais cadeiras. Por outro lado, a disputa dentro dela será mais acirrada.

As novas chapas

Dito isto, quais são as chapas que disputarão as 76 cadeiras do Conselho Deliberativo em 9 de fevereiro de 2019? Esta análise foi baseada em números das últimas eleições, além de percepções dentro do clube.

Chapa 1xx: Todos Palmeiras. Essa chapa tem candidatos ao conselho oriundos das antigas Palmerias Forte e Academia, além de outros candidatos que são oposição ao atual Presidente Maurício Galiotte. Mustafá Contursi é o principal mentor da Chapa, apesar da negativa de alguns representantes da Chapa.

Analisando os nomes dos candidatos dessa chapa e seu desempenho nas últimas eleições, temos a seguinte composição:

Dos 60 candidatos da chapa Todos Palmeiras…
14 candidatos já saíram pela Palmeiras Forte (6 deles buscando reeleição);
9 candidatos já saíram pela Academia (5 deles buscando reeleição);
8 candidatos já saíram pela Palestra (6 deles buscando reeleição);
4 candidatos já saíram pela UVB;
25 candidatos disputam pela 1a vez.

Chapa 4xx: União Verde e Branco UVB. A que apresenta menor movimentação de conselheiros entre 2017 e 2019. É a mais conhecida e antiga entre todas em disputa.

Analisando os nomes dos candidatos dessa chapa e seu desempenho nas últimas eleições, temos a seguinte composição:

Dos 60 candidatos da chapa UVB…
42 candidatos já saíram pela própria UVB (11 deles buscando reeleição);
2 candidatos já saíram pela Palestra;
1 candidato já saiu pela Palmeiras Forte;
15 candidatos disputam pela 1a vez.

Chapa 3xx: Palestra Italia. A herdeira da Chapa Palestra. Pelos candidatos parece a chapa mais forte e portanto a que demandará maior número de votos para o conselheiro se eleger. É a chapa dos candidatos que apoiam o Presidente Maurício Galiotte. Analisando os nomes dos candidatos dessa chapa e seu desempenho nas últimas eleições, temos a seguinte composição:

Dos 60 candidatos da chapa Palestra Italia…
21 candidatos já saíram pela Palestra (13 deles buscando reeleição);
10 candidatos já saíram pela Palmeiras Forte (9 deles buscando reeleição);
12 candidatos já saíram pela Academia (5 deles buscando reeleição);
7 candidatos já saíram pela UVB (4 deles buscando reeleição);
10 candidatos disputam pela 1a vez.

Chapa 2xx: Novo Palestra. Chapa nova, com maior número de novos candidatos. Aparentemente com apoiadores do Presidente Maurício Galiotte. Mas é difícil fazer alguma previsão sobre o desempenho dos seus candidatos uma vez que há pouca história deles nas últimas eleições.

Analisando os nomes dos candidatos dessa chapa e seu desempenho nas últimas eleições, temos a seguinte composição:

Dos 60 candidatos da chapa Nova Palestra…
9 candidatos já saíram pela Palestra (2 deles buscando reeleição);
3 candidatos já saíram pela Academia;
2 candidatos já saíram pela Palmeiras Forte;
1 candidatos já saiu pelo Fanfulla;
42 candidatos disputam pela 1a vez.

Do ponto de vista de posicionamento político, grosso modo, teríamos o seguinte:

Palestra Italia: a chapa com conselheiros que apóiam a gestão de Maurício Galiotte e a aliança com Leila Pereira da Crefisa;
UVB: a chapa com conselheiros que também apóiam a gestão de Maurício Galiotte, e historicamente alinhados com o Muda Palmeiras;
Todos Palmeiras: a chapa onde a maioria dos candidatos ao Conselho se posicionam ou se posicionaram nos últimos pleitos contra a gestão de Maurício Galiotte e à aliança com Leila Pereira.
A chapa Nova Palestra é aquela com candidatos menos conhecidos, mas que aparentemente estão ligados de alguma forma à atual gestão.

Importante

Importante… repito, IMPORTANTE destacar que nenhuma chapa tem o monopólio da razão. A intenção desse post não é “rotular” qualquer candidato ou as chapas.

Por isso o sócio comprometido com esse processo deve analisar, entender, consultar, e perguntar ao seu candidato:

  • Em caso de ser conselheiro, como se posicionou nos últimos debates e votações? vitalícios, dívida com Crefisa, mudança estatutária, ….
  • Como se posiciona hoje?
  • Por que escolheu a chapa em que está?
  • Quem são seus “aliados”?

Mas o mais importante: por que este candidato quer ser eleito ou reeleito? Para quê?

Ao sócio eleitor cabe saber escolher seu candidato analisando a árvore e também a floresta.

Saudações Alviverdes!

Posts antigos, Por Onde Anda, e Links Patrocinados