A Corneta do Cunio – Sejamos protocolares

abril 24, 2009 43 Corneta do Cunio

Por Alberto Cunio

Chusma
alviverde, seguindo a palavra por extensão do sentido, sejamos neste momento
protocolares. Não é momento para reflexões mais profundas, pois estamos com uma
bacia de gasolina atravessando o incêndio e o menor procedimento não cuidadoso,
a vaca atolada se afoga de vez no brejo.

Vamos
esquecer por um momento se a equipe deve trocar de treinador, se a Arena
Palestra Itália vai ser desenroscada dos ardis leonores da Prefeitura
Kassabenta, se o Fabinho Capixaba joga mais ou menos que o Wendell (desprezado),
o Sandro Silva (quebrado), o Marquinhos (Ala? Socorro!), o Polenta, o Mexerica
ou o Orelha do Zaratustra Futebol Clube, ou se o Belluzzo (coitado) se meteu na
maior roubada da vida dele. À realidade.

O
Campeonato Paulista serviu de lição para mostrar muitas coisas, não só para nós
palmeirenses, mas para outras pessoas que menosprezaram torneios e atletas
envolvidos na competição. O “Paulistinha” revelou-se mais difícil do que se
imaginava. O “Gorducho”, que já estava acabado (ex-jogador, como diria o leite
leco), sempre tem poucas oportunidades na partida, mas invariavelmente mete uma
para dentro (lógico, o cara é craque e só não vê quem não quer). E assim, nós e
a turma do outro lado do muro, que jogávamos por dois resultados iguais,
sentamos na geléia. Fomos literalmente varridos na bola pelos caiçaras e pelos
sem-número da Marginal Tietê. Viremos a página, nosso bi foi para o vinagre.

Mas
ainda estamos na Libertadores, mesmo que tenhamos feito todo esforço do mundo
para sermos eliminados. Ganhamos “daquele jeito” da LDU, com o time parecendo
um bando de búfalos famintos correndo dentro de um cercado, e esperamos
ansiosamente pelo resultado de Barueri NE x Senta no Colo, sem realmente saber
QUAL resultado esperar. No final, acredito que a única vantagem foi a de poder
AINDA depender de nós mesmos.

Vamos
então, seguindo meu conselho do primeiro parágrafo, ser protocolares (e
sonhadores): estudamos bem o adversário por uma semana, viajamos com tudo
programado, farinha e feijão trazidos do Brasil, hotel de primeira longe da
bagunça, fretamento com batedores, Estádio Nacional de Santiago, 4×0 para nós.
Oitavas-de-final garantidas. E agora? Caro leitor e comentarista do 3VV, isto
me dá gastura só de pensar. Mesmo sabendo que temos que andar um passo por vez,
quando entramos nas fases mata-mata da Libertadores e vendo Grêmio, Cruzeiro,
Boca, “os do muro”, todos pela frente, fico me questionando se não estamos
apenas prorrogando o sofrimento. Será que esta vitória contra a LDU (e
possivelmente contra os mapuches chilenos) não é a famosa “melhora da morte”?
Todo paciente terminal dá “aquela melhorada”, enche a família de esperanças
quando ela já não existia mais e… Bate as botas no dia seguinte. Estou
sentindo que vai abrir uma vaga na UTI. Será que é alta do paciente ou é IML?

A
coluna deixa hoje sua CORNETADA na orelha de todos que não acreditaram que o
“Gorducho” decidiria a parada quando fosse chamado a fazê-lo. Em especial do
leiteiro do outro lado do muro, que fez o favor de atiçar o leopardo com carne
crua. Mas que dava vontade de seguir o conselho do Barbagallo e tascar a
Corneta na cabeça de um XIDADÃO aí… ah isso dava!

28540cookie-checkA Corneta do Cunio – Sejamos protocolares

43 comentários em “A Corneta do Cunio – Sejamos protocolares

  • Eduardo Carraro Milagre
    abril 25, 2009
    Responder
  • Breno Battistin Sebastiani
    abril 25, 2009
    Responder
  • Alberto Cunio
    abril 24, 2009
    Responder
  • V Criscio
    abril 24, 2009
    Responder
  • V Criscio
    abril 24, 2009
    Responder
  • Dalla Valle
    abril 24, 2009
    Responder
  • Alvaro G Mucida
    abril 24, 2009
    Responder
  • Valter Rodrigues de Freitas
    abril 24, 2009
    Responder
  • Raul Ricardi
    abril 24, 2009
    Responder
  • Marcelo Barbagallo
    abril 24, 2009
    Responder
  • Andre Luiz Martins Oltemare
    abril 24, 2009
    Responder
  • Marco Aurélio Novelini
    abril 24, 2009
    Responder
  • Marco Aurélio Novelini
    abril 24, 2009
    Responder
  • Raul Ricardi
    abril 24, 2009
    Responder
  • JOSELITO LUIZ GONÇALVES
    abril 24, 2009
    Responder
  • Andre Luiz Martins Oltemare
    abril 24, 2009
    Responder
  • Jotacê
    abril 24, 2009
    Responder
  • Jotacê
    abril 24, 2009
    Responder
  • Franco Domenico Ceravolo
    abril 24, 2009
    Responder
  • Marcelo Barbagallo
    abril 24, 2009
    Responder
  • Raul Ricardi
    abril 24, 2009
    Responder
  • Dalla Valle
    abril 24, 2009
    Responder
  • João Gomes Yzquierdo Neto
    abril 24, 2009
    Responder
  • Rogerio Rocha
    abril 24, 2009
    Responder
  • Edvaldo Vieira
    abril 24, 2009
    Responder
  • Eduardo Carraro Milagre
    abril 24, 2009
    Responder
  • Eduardo Carraro Milagre
    abril 24, 2009
    Responder
  • Raul Ricardi
    abril 24, 2009
    Responder
  • Marcio Zambon
    abril 24, 2009
    Responder
  • Marcio Zambon
    abril 24, 2009
    Responder
  • Danilo Cersosimo
    abril 24, 2009
    Responder
  • Dalla Valle
    abril 24, 2009
    Responder
  • Marco Aurélio Pieritz
    abril 24, 2009
    Responder
  • Marco Aurélio Novelini
    abril 24, 2009
    Responder
  • Andre Luiz Martins Oltemare
    abril 24, 2009
    Responder
  • Dalla Valle
    abril 24, 2009
    Responder
  • Marcelo Barbagallo
    abril 24, 2009
    Responder
  • Ricardo Brito Teixeira
    abril 24, 2009
    Responder
  • Luiz Rogerio Napoleão
    abril 24, 2009
    Responder
  • Alvaro G Mucida
    abril 24, 2009
    Responder
  • Washington Rodrigues
    abril 24, 2009
    Responder
  • Marcelo Breda Stocco
    abril 23, 2009
    Responder
  • Eduardo Forastiero
    abril 23, 2009
    Responder

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *