Série Arenas Esportivas – Conheça o mais elegante projeto de puxadinho da cidade

Série Arenas Esportivas – Conheça o mais elegante projeto de puxadinho da cidade

maio 29, 2009 20 Allianz Parque

Da Série Arenas Esportivas 
Recomendações e Exigências Técnicas FIFA
  
Por Claudio Baptista Jr.*

Um breve parêntese nas especificações e requisitos da FIFA, porém sem deixar de comentar a respeito.

Abaixo, uma entrevista do arquiteto e responsável pelo projeto do estádio do Morumbi para a Copa de 2014 para o Portal Copa 2014 ( http://www.copa2014.org.br/noticias/Noticia.aspx?noticia=263 ).

Meus comentários estão em azul.

Como no final deste mês serão anunciadas as cidades sedes para a Copa e sabendo que logo no dia seguinte já terá festinha lá pelos lados do Morumbi a fim de criar-se ainda mais a imagem de estádio da cidade de da Copa, aproveito para apresentar a tal entrevista junto com meus comentários.

Solicito a vocês, se puderem, que copiem esta entrevista com os comentários e enviem a quem puderem a fim aumentar um pouco mais a massa crítica àquele projeto inadequado.

Portal Copa 2014:
Em 31 de maio, a Fifa anuncia as doze cidades-sede da Copa 2014. Junto com elas, virá a definição dos estádios da competição. Responsável pela modernização do Morumbi, do São Paulo Futebol Clube, o arquiteto Ruy Ohtake acredita que o estádio não enfrenta concorrência na capital paulista.

“O Morumbi atende hoje a 84% das exigências da Fifa. É o estádio que está mais a frente na adequação para a Copa, pois as obras começaram em outubro do ano passado”. Além da necessidade de poucas intervenções, o arquiteto vê o compromisso do governo do estado e da prefeitura como garantias da escolha do estádio: “a prefeitura assinou um documento junto com o governo do estado, encaminhado para a Fifa, confirmando o Morumbi como o estádio que representa a cidade de São Paulo na Copa.”

84%? Prove!

Arquitetos envolvidos nos projetos de arenas para a Copa de 2014 sugeriram que São Paulo poderia construir um estádio novo para o torneio. Isso teria levado a Fifa a adiar o anúncio das cidades-sede. O senhor acredita que o Morumbi está confirmado como o estádio paulista da Copa 2014?

Ruy Ohtake:
Olha, isso são fofocas. O São Paulo quer a rápida definição das cidades. O Morumbi é uma instituição privada, diferente dos outros dez estádios que são do poder público e que podem fechar para as reformas da Copa. Já o São Paulo tem que fazer as adequações internas por conta própria. E para fazer com recursos próprios o São Paulo tem verba? Tem alguma verba, mas ela (a diretoria) quer fazer parcerias. E para fazer parcerias o São Paulo depende da definição da Fifa. O São Paulo queria definir em março, que era a primeira data.


Está pressionando a CBF e o Comitê Organizador?


PC2014: Em sua opinião, o Morumbi não tem concorrência em São Paulo?

RO: A prefeitura assinou um documento junto com o governo do estado, dirigido para a Fifa, confirmando o Morumbi como o estádio que representa a cidade de São Paulo na Copa.

Terá, desde que a abertura não seja aqui.

PC2014: O secretário municipal Walter Feldman afirmou que o Pacaembu poderia ser reformado para a Copa ou que outra arena poderia ser construída, o que não excluiria necessariamente o Morumbi…

RO: Exclui sim, porque a Fifa pede que cada cidade tenha apenas um estádio. Pacaembu, eu não sei bem a capacidade, mas acho que não chega a 40 mil pessoas.


E a futura Arena Palestra para 42 mil?

PC2014: Para o senhor, quais as chances de São Paulo receber a abertura da Copa, superando as cidades de Belo Horizonte e Brasília, que também estão no páreo?

São Paulo é a maior cidade do Brasil, a que tem a melhor rede hoteleira e é uma potência como cidade. Então ela tem todas as condições de pleitear a abertura. Tem as melhores condições de receber turistas e imprensa de forma adequada. O estádio do Morumbi é o que está mais a frente na adequação para a Copa, pois as obras começaram em outubro do ano passado.


Belo Horizonte e Brasília não teriam condições?


PC2014: O Morumbi precisa de muitas intervenções para atender às exigências da Fifa?

RO: O Morumbi atende hoje a 84% das exigências da Fifa. O restante foi colocado no caderno do São Paulo que foi entregue à Fifa em 15 de janeiro. Nós colocamos no projeto quais adequações são necessárias, como elas seriam feitas e apresentamos o cronograma. Tudo terminando em dezembro de 2012. Um cronograma tranquilo, porque quando o caderno foi mandado para a Fifa as obras já tinham começado. É claro que por uma estratégia de execução das obras as áreas com maior frequentação pública serão feitas mais para frente. Ou seja, não adianta arrumar toda parte de sanitários para o grande público agora porque em 2012 vai ter que fazer de novo.

Mais uma vez, prove os 84%! Como é feito esse cálculo? Existem ponderações e pesos para cada item respeitado?


PC2014: O que precisa ser feito?

RO: A área de imprensa. No caderno da Fifa é solicitada uma acomodação para 3.050 jornalistas. Isso começa no ano que vem. Colocaremos todo o cabeamento necessário para televisão, radiofonia, laptops… acho que até 2014 uma série de cabeamentos não serão mais necessários, mas não faz mal, nós vamos projetar como se fosse para hoje. Até o final do ano serão concluídos todos os camarotes do pavimento térreo e a área de circulação. Os camarotes do São Paulo são um orgulho. Nenhum estádio do mundo, nem o Emirates, o Wembley, o Allianz, o Estade de France, nenhum deles tem o camarote que o São Paulo tem. Para 2012, ficarão prontos os camarotes exclusivos da Fifa e todos os sanitários e os bares do estádio.

Camarotes são um orgulho? Por favor, menos. Os camarotes estão localizados no anel inferior do Morumbi, nos piores lugares de visão do gramado, enclausurados e no fundo das cadeiras do anel? É lá que se pretende instalar os convidados VIP, os parceiros da FIFA e os camarotes comerciais?


PC2014: Em sua palestra no fórum da ESPM sobre a Copa 2014, o senhor disse que algumas reformas do Morumbi seriam revertidas depois da Copa. Quais delas?

A área de imprensa. Em final de Libertadores e jogos nacionais importantes há, no máximo, 200 jornalistas. A Fifa exige espaço para 3.050. Então, cerca de 2.500, um pouco mais, vai voltar para o clube. Nós só terminaremos a parte de imprensa em dezembro de 2012, para a Copa das Confederações e depois para a Copa do Mundo. Elas estão no anel intermediário. Depois esta parte volta para o público. Aí a capacidade, que para a Copa é de 62 mil pessoas, passa para 67 mil.

Certo, então o SPFC aproveita a enorme quantidade de pontos cegos e míopes do Morumbi para instalar a imprensa, vide no seu projeto a imprensa instalada no anel inferior.


Aliás, a imprensa que é responsável pelas TRANSMISSÕES ao MUNDO TODO estará LOCALIZADA EM UM DOS PIORES LOCAIS de visão do campo de jogo.

PC2014: Também na sua palestra do fórum o senhor disse que o estádio não será fechado durante as reformas. Como isso funcionará?

RO: Isso funciona com uma grande logística. Porque diferentemente dos estádios municipais ou estaduais, como Maracanã e Mineirão, que podem fechar, o Morumbi é um dos únicos estádios particulares que não dá prejuízo. Então para o São Paulo é importante que o Morumbi continue funcionando. E isso exige um bom planejamento.

Verdade. O Morumbi é particular enquanto que os demais estádios públicos são passíveis de receberem verbas públicas. E o fato do SPFC estar pleiteando junto ao poder público que este viabilize funcionalidades para o Estádio do Morumbi e no seu entorno como, por exemplo, estacionamento em área pública?


PC2014: Torcedores e arquitetos criticam as arquibancadas do Morumbi por ficarem muito longe do campo, atrapalhando a visão do torcedor…

RO: Não atrapalha. Se você pega o caderno da Fifa, ela exige que a distância máxima da balisa de escanteio até o lado oposto do estádio seja 190 metros. Dentro disso, tudo bem.

OK, o Morumbi se enquadra no limite máximo. Para um estádio que pleiteia a ABERTURA DE UMA COPA não seria melhor se enquadrar em uma DISTÂNCIA IDEAL de até 90 metros em relação ao centro de campo metros como preconiza o caderno de encargos da FIFA? Vide figura abaixo.

PC2014: E o Morumbi tem quantos metros?

RO: Tem 191. Está no limite, mas só falta dizerem que por isso a Fifa está beneficiando o estádio.

Piadista.

PC2014: A inclinação das arquibancadas do Morumbi está dentro do padrão exigido?

RO: Qual a exigência da Fifa? Visibilidade do estádio, qualquer que seja a inclinação da arquibancada. Eu convido qualquer jornalista a dar um passeio pelo Morumbi para ver se há algum lugar sem visibilidade. A visibilidade é total. Há um ano eu visitei rigorosamente todos os pontos do Morumbi e constatei que não há ponto-cego.

E o anel inferior, atrás dos gols e atrás dos bancos de reserva? Porque em todas as transmissões que vemos do Morumbi aparecem os torcedores em pé no anel inferior?


PC2014: Por que o Morumbi não aproxima a arquibancada da área de jogo, como farão o Beira-Rio (Porto Alegre) e a Arena da Baixada (Curitiba)?

RO: Porque o São Paulo teria que demolir o estádio inteiro. Isso está fora de consideração. Se houvesse algum problema para corrigir, tudo bem, mas não tem. Tanto que os camarotes estão todos no pavimento térreo.

Misto de arrogância com reconhecimento. Arrogante ao falar que não existe problema e reconhecimento ao dizer que uma intervenção mais significativa é inviável no Morumbi.

PC2014: Há críticos dos projetos das arenas para a Copa 2014 que dizem que as coberturas não são necessárias para os estádios brasileiros. Elas seriam um modismo, uma cópia dos estádios europeus, que não corresponde à realidade dos clubes brasileiros. Em sua opinião, a cobertura é um item essencial?

RO: Mas e quando chove? A cobertura não é modismo, ela serve para dar conforto ao torcedor. A cobertura do Morumbi é projetada para cobrir 100% do público. Isso é modismo, coisa elitista? Não acho, até porque hoje 70% do primeiro e do segundo lances já são cobertos. O que está descoberto é a parte da “galera”, então vai beneficiar o grande público.

Uma bola dentro, se bem que a cobertura do anel inferior e intermediário conferem uma sensação de clausura e não permitem que os torcedores tenham visão completa do estádio, enfim, aquele negócio que a FIFA diz que é legal os torcedores integrados a todo ambiente do estádio.

PC2014: O Morumbi terá a cobertura?

RO: O São Paulo faz todo o esforço para que sim. Não é obrigatória a construção da cobertura. Mas o São Paulo está consciente de que é importante fazer. Ela deve ser construída em dois anos. E faremos de tudo para que o estádio continue funcionando nesse período.

No fórum recente da ESPM sobre a Copa 2014 o Sr. Rui Ohtake admitiu que a cobertura apresentada no projeto do Morumbi está com seu valor orçado acima do esperado e por isso esperam que até 2011 esse valor baixe. Então admitem que existe a possibilidade de ser revista a solução para a cobertura? Não é uma vergonha apresentar um projeto onde um dos principais itens não é certo de ser instalado ou feito conforme apresentado?

Por favor, não contrarie isso. Fui testemunha dessa declaração.

PC2014: Após as reformas, as despesas de manutenção do estádio aumentarão. Existe alguma estratégia para que o Morumbi arrecade mais?

RO: O uso múltiplo do estádio. Ele não será usado só para os jogos de futebol, que acontecem apenas aos domingos e quartas à noite. Um estádio super utilizado chega a 70 jogos por ano. Não é o caso do Morumbi. Então, o térreo terá os camarotes e uma área de circulação que ficará aberta todos os dias, das 10h às 10h, como se fosse um shopping. Seis ou sete camarotes estão prontos e todos os outros estão comprometidos. Serão usados por empresas, restaurantes, lojas. Até o fim do ano fechamos o anel. Chamamos esse projeto de Morumbi Concept Hall.

Sem dúvida, uma Arena tem que ser rentável e as soluções devem ser encontradas. Normal, nenhuma novidade.

RO: “O legado da Copa é um estádio que será usado todos os dias da semana. Também o estacionamento, que vai ajudar o estádio em dias de jogos, mas principalmente a cidade”

Então tá. Vou comentar nas perguntas abaixo.

PC2014: Qual a solução para melhorar o acesso ao estádio e amenizar o trânsito em dias de jogos?

RO: Há vários tipos de acesso. Tem o público que chega de carro próprio e o público que chega de metrô. Até 2010 será inaugurada a estação Morumbi de metrô, distante 1,1 km do estádio. Quando você tem transporte de massa de qualidade, as pessoas que moram longe do estádio vão para os jogos de metrô, e serão a maioria. Para quem vai de carro próprio, o SPFC está pleiteando junto à prefeitura e ao governo do estado a construção de um estacionamento, numa área desapropriada pela prefeitura há 40 anos em frente à praça Roberto Gomes Pedrosa.

Certo. O SPFC está pleiteando junto a prefeitura e ao governo do estado uma obra que É DE RESPONSABILIDADE DO SPFC HÁ MAIS DE 40 ANOS, PRECISAMENTE 56, CONFORME DOCUMENTO DA DOAÇÃO DE ÁREA ABAIXO.

PC2014: Como será o estacionamento?

RO: O estacionamento aproveitará o desnível da avenida João Jorge Saad, que fica numa parte mais baixa do bairro. As avenidas Giovanni Gronchi e Jules Rimet, que também atravessam a praça, não sofrerão intervenções, pois passarão por dentro do estacionamento. Terá quatro lajes para baixo, com 3.200 vagas. Na cobertura será feito um jardim de 40 mil metros quadrados. Então, temos dois ganhos para a comunidade: são 19 km de carros que normalmente ficam ao redor do estádio atrapalhando a vida dos moradores que agora estarão dentro do estacionamento, e também o jardim.

Jardim que se degradará rapidamente somente com o fluxo de torcedores nos dias de jogos do estádio. No dia seguinte seu filho vai brincar no gira-gira junto a algumas bitucas de cigarro, latinhas de cerveja e entre outras insalubridades.
Excelente solução para os torcedores do SPFC e para clube que através desta funcionalidade, poderá trazer uma maior quantidade de torcedores aos seus jogos proporcionando a esta ENTIDADE PARTICULAR MAIORES RENDAS ORIUNDAS DE RECURSOS E TERRENOS PÚBLICOS.

O PÚBLICO INVESTINDO NO PRIVADO!

PC2014: A Fifa recomenda pelo menos 10 mil vagas para estádios do tamanho do Morumbi. Isso desqualifica o estádio para a abertura da Copa?

RO: Se não tivesse metrô, sim. Mas com o metrô, não, porque se eu moro na Penha e vou ver a Copa, não vou de carro. Eu vou deixar o carro no estacionamento do meu bairro e vou de metrô.

Para uma abertura da Copa, o caderno da FIFA solicita um número aproximado de 2.400 vagas para a FIFA, seus parceiros comerciais, VIP, VVIP, Comitê Organizador Local (COL), imprensa, Confederação local, seus parceiros e convidados, delegações, prestadores de serviço…

Vejo que não sobrarão muitas vagas para torcedores comuns, não?

PC2014: O projeto também prevê a construção de um elevado na avenida João Jorge Saad ligando o metrô ao estacionamento…

É uma alternativa. O trajeto pode ser feito de van, com aquele microônibus usado em Barcelona, ou então as pessoas podem ir a pé, porque na hora que acaba o jogo, aquele tumulto de gente, se as pessoas chegam muito rápido ao metrô ele fica superlotado. Isso a Fifa chama de dissipar o público na saída.

Bacana, quanto tempo perdido. A pessoa terá que parar seu carro em um estacionamento a mais de 1km do metrô e ainda pegar uma van ou aero trem para acessá-lo, fazendo o caminho inverso no retorno do trabalho.


“Extraordinária” solução para a população que deveria ter um estacionamento AO LADO do metrô.

PC2014: O elevado, que servirá ao estádio, não é uma intervenção muito violenta para um bairro residencial?

ro: Mas não é só para o estádio. Só serve o estádio no domingo e na quarta à noite, o resto do tempo é para servir a comunidade. As pessoas deixam o carro no estacionamento e vão trabalhar de metrô. 90% do uso é para o metrô, não para o estádio.

Como disse acima, existe um fator desestimulante para o uso do estacionamento das pessoas comuns fora dos dias de jogos. A perda de tempo.

PC2014: Essas intervenções estimulam uma mudança de uso no bairro?

RO: Essa já é uma tendência. A João Jorge Saad eu acho que não tem mais nenhuma residência. Há consultórios, escritórios, uma escola. Então tem toda uma misturada de uso e pouquíssimas residências.

Então se pode degradar a área?


PC2014: Existe alguma alternativa para transformar o Morumbi em um estádio sustentável?

RO: Quando o projeto é novo você pode pensar desde o começo nesses aspectos. O Morumbi é um estádio pronto, que está acostumado com grandes eventos. Quando construirmos a cobertura, ela será adaptada para o reúso de água e captação de energia solar. Mas não com placas fotovoltaicas, que são muito grandes e interferem na leveza da cobertura.

Como o Sr. Ruy Ohtake diz isso em função das incertezas da instalação da cobertura que encontra-se fora do orçamento atual?

PC2014: Qual legado a Copa 2014 deixará para a cidade de São Paulo?

RO: O legado que vai ficar é um estádio que será usado todos os dias da semana. Também o estacionamento, que vai ajudar o estádio em dias de jogos, mas principalmente a cidade. Depois, a infraestrutura. O metrô leve que liga o metrô Jabaquara ao aeroporto de Cumbica e outros projetos.

No quesito estacionamento, a pessoa terá que pagar uma diária do mesmo. Vamos supor, hipoteticamente, a diária do estacionamento a R$10,00 com direito a bilhete do metrô e traslado estacionamento-metrô-estacionamento.


Economicamente só seria viável para quem trabalha a mais de 20 km do local. Isso sem contar com a perda de tempo citada acima.


E as seguradoras também agradecem, recebem dinheiro do cliente e este deixa o carro parado em estacionamento.

Até a próxima semana.

Abraço,
Claudio Baptista Jr.

*Claudio Baptista escreve todas as 5as feiras; o post acima foi baseado
em documento da FIFA que fala sobre recomendações e exigências
técnicas para arenas esportivas e adaptado para a realidade do nosso
mercado; reprodução permitida mediante  explícita divulgação do autor
do post, do site da FIFA e do blog Terceira Via Verdão e seu link.

31910cookie-checkSérie Arenas Esportivas – Conheça o mais elegante projeto de puxadinho da cidade

20 comentários em “Série Arenas Esportivas – Conheça o mais elegante projeto de puxadinho da cidade

  • Fabricio Cirelli
    junho 2, 2009
    Responder
  • Fernando Talarico
    maio 31, 2009
    Responder
  • Claudio Baptista Jr.
    maio 31, 2009
    Responder
  • Claudio Baptista Jr.
    maio 31, 2009
    Responder
  • Leandro Kiraly Bertini
    maio 30, 2009
    Responder
  • Denis Dias de Lima
    maio 30, 2009
    Responder
  • Denis Dias de Lima
    maio 30, 2009
    Responder
  • Alberto Cunio
    maio 30, 2009
    Responder
  • Marco Túlio de Vasconcelos Dias
    maio 29, 2009
    Responder
  • Kaleb Forte Rodrigues
    maio 29, 2009
    Responder
  • Kaleb Forte Rodrigues
    maio 29, 2009
    Responder
  • Kaleb Forte Rodrigues
    maio 29, 2009
    Responder
  • Claudio Baptista Jr.
    maio 29, 2009
    Responder
  • Administrator
    maio 29, 2009
    Responder
  • Alvaro G Mucida
    maio 29, 2009
    Responder
  • Junior Gottardi
    maio 29, 2009
    Responder
  • Claudio Baptista Jr.
    maio 29, 2009
    Responder
  • Marcio Zambon
    maio 29, 2009
    Responder
  • Fernando Talarico
    maio 29, 2009
    Responder
  • Alberto Cunio
    maio 29, 2009
    Responder

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *