A Corneta do Cunio – Crise de Identidade

junho 5, 2009 40 Corneta do Cunio

POR ALBERTO CUNIO

Pugilistas alviverdes, depois de ter sido
criado um verdadeiro “ringue” na coluna da última sexta-feira, derivado de
tantas polêmicas de nosso último jogo pela Libertadores, ainda me acontece um
resultado ridículo como este de domingo contra o Barueri legítimo. Jogando com
o time completo e ganhando de 2×0, que pretensões podemos ter em qualquer
campeonato cedendo o empate (e quase a virada) da forma como foi? Muito poucas.
Porém, vamos (mais uma vez) relevar e ver o ocorrido como casual.

Contudo, venho notando que estamos tentando
entender os problemas de nossa equipe através da ótica dos resultados,
escalações, substituições, elenco, quando na verdade vivemos seriamente um
problema conceitual.

Temos um recém-eleito presidente que
carrega com ele a esperança de nossos 15 milhões de torcedores e goza de um
prestígio até entre adversários, imprensa e políticos; uma comissão técnica de
primeiro mundo, com profissionais caros e reconhecidos; uma parceira que
contratou grandes promessas, vendeu outras antes do desejado, é bem verdade,
mas que muitos clubes gostariam de ter ao lado para AJUDAR na composição de um
elenco forte; elenco este com alguns jogadores bastante famosos, ganhando
salários altíssimos e que desfrutam de uma infra-estrutura de primeira linha no
país, onde praticamente nada é economizado. O que está errado, então?

Imaginem um pai e uma mãe, de bom nível
cultural, acadêmico e profissional, que têm um único filho que “toma pau” em
matemática no ensino fundamental. Devem estar se perguntando “o que está
errado?”, da mesma forma que vemos as informações do parágrafo acima e
comparamos com nosso desempenho futebolístico.

Como disse, vivemos um problema conceitual,
interpretativo. Ou seja, podemos até ter os ingredientes para fazer uma
deliciosa receita, mas não estamos colocando-os nem na quantidade certa, tão
pouco na ordem certa. Estamos nos preocupando demais com certas coisas e
esquecendo de outras fundamentais. Nossa comissão técnica trabalha com autonomia
DEMAIS, nossa parceira de investimentos IDEM, tudo sob o olhar complacente de
nossa diretoria, que se resigna a aparecer oportunamente para dar uma ou outra
desculpa. Não podemos ser reféns de um investidor para termos um clube de
futebol. Não podemos entregar as decisões do nosso futebol nas mãos de nenhum
Hugo Chávez que se sinta dono do clube. Não podemos assinar contratos com
nenhum profissional que sejam leoninos para nossa instituição. E poderia citar
aqui mais N coisas que justificam nossa crise de identidade, já que não sabemos
quem manda no que, quem planeja o que, quem é responsável pelo que, nem quem
somos mais, o que dá aos que dirigem o clube a péssima prerrogativa de falar qualquer
coisa para justificar qualquer coisa.

Faço uma ressalva de que não vivo os
corredores do Palestra, sou torcedor comum como todos vocês. Mas há uma
inversão de valores no ar. Tem gente achando que é maior do que nosso clube, ou
que não deve nenhuma explicação pelo seu trabalho. Gostaria eu de trabalhar
numa empresa em que meu trabalho dá errado e eu tenho uma lista de culpados
para apontar o dedo. Não citei nomes, fui indireto ao extremo. Mas se a
carapuça servir em alguém, fiquem à vontade para delatar.

Já que este assunto é muito longo, fico com
minhas idéias em suspenso por aqui. Não sem antes deixar o BARULHO DE 15
MILHÕES DE CORNETAS na orelha de todos que aqui se sentiram afetados pelo
comentário. Afinal de contas, o mínimo que exigimos é que profissionais dessa
natureza “SEGUREM o B.O.”, como se diz na gíria, quando a coisa não vai bem. E
repensem o seu PROJETO, se é que têm algum.

32920cookie-checkA Corneta do Cunio – Crise de Identidade

40 comentários em “A Corneta do Cunio – Crise de Identidade

  • Alberto Cunio
    junho 6, 2009
    Responder
  • Valter Rodrigues de Freitas
    junho 5, 2009
    Responder
  • Alberto Cunio
    junho 5, 2009
    Responder
  • Julio Coelho
    junho 5, 2009
    Responder
  • Raul Ricardi
    junho 5, 2009
    Responder
  • Marcelo Barbagallo
    junho 5, 2009
    Responder
  • Rodrigo Bucciolli Pereira
    junho 5, 2009
    Responder
  • Alberto Cunio
    junho 5, 2009
    Responder
  • Raul Ricardi
    junho 5, 2009
    Responder
  • Alvaro G Mucida
    junho 5, 2009
    Responder
  • Raul Ricardi
    junho 5, 2009
    Responder
  • Alberto Cunio
    junho 5, 2009
    Responder
  • Raul Ricardi
    junho 5, 2009
    Responder
  • Franco Domenico Ceravolo
    junho 5, 2009
    Responder
  • Alberto Cunio
    junho 5, 2009
    Responder
  • gilberto giangiulio Junior
    junho 5, 2009
    Responder
  • Eduardo Carraro Milagre
    junho 5, 2009
    Responder
  • gilberto giangiulio Junior
    junho 5, 2009
    Responder
  • Franco Domenico Ceravolo
    junho 5, 2009
    Responder
  • Marcelo Barbagallo
    junho 5, 2009
    Responder
  • gilberto giangiulio Junior
    junho 5, 2009
    Responder
  • Franco Domenico Ceravolo
    junho 5, 2009
    Responder
  • gilberto giangiulio Junior
    junho 5, 2009
    Responder
  • gilberto giangiulio Junior
    junho 5, 2009
    Responder
  • gilberto giangiulio Junior
    junho 5, 2009
    Responder
  • gilberto giangiulio Junior
    junho 5, 2009
    Responder
  • Rogerio Rocha
    junho 5, 2009
    Responder
  • Alberto Cunio
    junho 5, 2009
    Responder
  • Rodrigo Montes Roberto
    junho 5, 2009
    Responder
  • Raul Ricardi
    junho 5, 2009
    Responder
  • Ricardo Chabu Del Sole
    junho 5, 2009
    Responder
  • Arthur Azevedo Ribeiro
    junho 5, 2009
    Responder
  • João Gomes Yzquierdo Neto
    junho 5, 2009
    Responder
  • Marco Aurélio Novelini
    junho 5, 2009
    Responder
  • Irineu Constantino Curtulo Junior
    junho 5, 2009
    Responder
  • Fernando Talarico
    junho 5, 2009
    Responder
  • Marcio Zambon
    junho 5, 2009
    Responder
  • Andre Luiz Martins Oltemare
    junho 5, 2009
    Responder
  • Gaetano Misiti Neto
    junho 5, 2009
    Responder
  • Kaleb Forte Rodrigues
    junho 4, 2009
    Responder

Deixe um comentário para Eduardo Carraro Milagre Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *