Série Arenas Esportivas – sistemas de telecomunicações

Série Arenas Esportivas – sistemas de telecomunicações

julho 24, 2009 7 Allianz Parque

Da Série Arenas Esportivas
Recomendações e Exigências Técnicas FIFA

POR CLAUDIO BAPTISTA JR

Pessoal,

Nada como umas férias para recarregar as
baterias e voltar dando mais umas bicudas.

Neste retorno me deparei com a notícia de um
projeto DO METRÔ para instalação de linhas de transporte de superfície em várias
regiões da cidade. Como algum tempo atrás assisti a uma palestra do responsável
pelo atual projeto de reforma do estádio do SPFC onde foi apresentada uma linha
de transporte que chegava até a porta do referido estádio, fui conferir o
trajeto proposto pelo METRÔ.

Era isso mesmo. A Empresa pretende levar uma
linha de transporte aéreo até a linha 4 do metrô passando na porta do Morumbi e
vejam só, no meio do pleiteado estacionamento em área pública na frente do
estádio.

Sensacional. Para quem não tinha nenhum
argumento plausível para a instalação daquele estacionamento, agora passa a ter
algo. Gastando o meu francês, mais um belo “cadeau”, o melhor, presentinho,
agrado, dos poderes públicos ao SPFC.

Sei que
muitos interlocutores e representantes formais e informais do SPFC alegarão que
esta é mais uma obra que beneficiará a população da cidade. Sim, inegável que
qualquer instalação de transporte pode trazer benefícios a população, só que
esta tem um diferencial, a população são paulina e o clube serão os maiores
beneficiados.

Gostaria de saber do palmeirense José Luiz
Portella Pereira, secretário da SECRETARIA DOS TRANSPORTES METROPOLITANOS, os
benefícios para a população COMO UM TODO, dessa linha passar na porta do estádio
.
Resposta só tem uma: para a torcida do SPFC e seu clube.

Que bacana. Transporte aéreo na porta do
estádio = mais justificativa para construção de estacionamento em terreno
público na porta do estádio = cumprimento de um requisito essencial da FIFA e solução
para um gargalo do projeto do Morumbi = maior atrativo a investidores na
reforma daquele estádio. Perceberam? Investimentos públicos claros e diretos em
benefício do SPFC.

O Sr. Portella, ao escrever no jornal o Lance
criticando a venda do Valdívia, parece-me aquela pessoa que se preocupa com as
formigas e deixa o elefante destruir a plantação.

E por favor, avisem a FIFA que dificilmente
esta funcionalidade estará disponível para a Copa de 2014. O Metrô diz que esta
linha entrará em operação no ano da Copa, deixando claro que hoje o cronograma
já é apertado e ignorando problemas inerentes deste tipo de projeto (questões
ambientais, desapropriações complicadas, etc…)  

Continuando com a parte final do documento da
FIFA, seguem os Sistemas de telecomunicações, aplicações e utilizações, mais as
Salas de telecomunicações e Concepção do projeto.

Abaixo em negrito o posicionamento dos temas
desta publicação perante o conteúdo total:

1  Decisões preliminares.
2  Segurança.
3  Orientação e estacionamentos.
4  Áreas de jogo.
5  Autoridades e jogadores.
6  Espectadores.
7  Hospitalidade.
8  Mídias.
9  Iluminação e alimentação elétrica.

10
Telecomunicações e espaços complementares.

10.1
– Condições necessárias em termos de telecomunicações.
10.2 – Concepção do programa.
10.3
– Sistemas de telecomunicações, aplicações e utilizações.
10.4
– Salas de telecomunicações.
10.5
– Concepção do projeto.

10.6
– Telefones.
10.7
– Espaços suplementares.
10.8
– Mastros.


10.3 – Sistemas de telecomunicações,
aplicações e utilizações

No momento da concepção do programa de
tecnologia e de arquitetura do estádio, é conveniente levar em consideração e
coordenar os sistemas de telecomunicações para as aplicações e utilizações
abaixo:

  • informática de gestão;
  • teledifusão;
  • sistemas de gestão de construção;
  • distribuidores automáticos de bilhetes;
  • sistemas de horários;
  • sistemas de alarme de incêncio;
  • pontos de serviço;
  • sistema de iluminação;
  • serviços de telefonia móvel;
  • rádios de polícia e bombeiros;
  • cabines telefônicas;
  • lojas;
  • controles da cobertura (se existir);
  • painéis eletrônicos;
  • sistemas de telefonia com segurança;
  • segurança eletrônica – controle de acesso;
  • segurança eletrônica – detecção de invasões;
  • vídeo vigilância;
  • sinalização;
  • sonorização;
  • serviço de telecomunicação;
  • sistema de telefonia;
  • bilheteria;
  • telões;
  • Internet e transmissões de dados sem fio.

 

10.4 – Salas de telecomunicações.

 


As salas de telecomunicações devem comportar:
salas de delimitação de serviços de telecomunicações; uma sala de conexão
principal de telecomunicações, salas de equipamento informático (centro de
tratamento de informações ou sala de servidores) e salas intermediárias (salas
de distribuições de informações).

A localização da sala de conexão principal é
determinada para garantir o respeito ao comprimento limite dos cabos
horizontais. As salas de telecomunicações devem ser situadas de maneira a
garantir que o comprimento total do cabo, não importando em qual tomada, não
exceda os 90 metros. É necessário o respeito a essa regra. Os seguimentos com
comprimentos superiores não funcionarão corretamente e possivelmente não
suportarão tecnologias futuras.

As salas de telecomunicação devem ser
específicas e distintas das salas elétricas. Devem ser alinhadas verticalmente
de um andar (piso) ao outro facilitando a instalação dos cabos verticais e da
instalação como um todo. É recomendado compartilhar as salas de telecomunicação
com outras de sistemas de baixa tensão. O tamanho de cada sala de
telecomunicação dependerá de seu tipo, dos equipamentos que serão instalados e
da densidade de distribuição.

A infra-estrutura dos cabos de telecomunicação
deve ser planejada para suportar as aplicações (sistemas) de dados e vozes via
uma rede de cabeamento multimídia incluindo fibras óticas e cabos em cobre de
pares trançados.

 

10.5 – Concepção do Projeto.

A equipe de conceptores do projeto deverá
avaliar e programar os sistemas tecnológicos em conjunto com os critérios de
desenvolvimento dos espaços. Discussões detalhadas devem ser conduzidas com
toda a equipe de projetos para que se possa definir o escopo dos trabalhos que
cobrem as especificações, a implementação, fornecimentos e responsabilidades
relacionadas.

Até a próxima semana.

Abraço,

Claudio Baptista Jr

 

Claudio Baptista escreve todas as 5as feiras; o post acima e as imagens foram baseados  em documento
da FIFA que fala sobre recomendações e exigências  técnicas para arenas esportivas e adaptado para a
realidade do nosso  mercado; reprodução permitida mediante  explícita divulgação do autor  do post, do
site da FIFA e do blog www.3vv.com.br

37090cookie-checkSérie Arenas Esportivas – sistemas de telecomunicações

7 comentários em “Série Arenas Esportivas – sistemas de telecomunicações

  • Renato Laghi De Luca
    julho 28, 2009
    Responder
  • Junior Gottardi
    julho 25, 2009
    Responder
  • Marcio Zambon
    julho 25, 2009
    Responder
  • Claudio Baptista Jr.
    julho 24, 2009
    Responder
  • Alberto Cunio
    julho 24, 2009
    Responder
  • Junior Gottardi
    julho 24, 2009
    Responder
  • Marco Túlio de Vasconcelos Dias
    julho 24, 2009
    Responder

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *