A Corneta do Cunio – O muro é obsessão

agosto 28, 2009 25 Corneta do Cunio

POR ALBERTO CUNIO  

Alviverdes do lado de cá do muro (até mesmo porque do lado de lá não há
nada verde além da grama), hoje vou “descer a ripa” naqueles que fazem de nosso
dia a dia uma obcecada competição e perseguição aos vizinhos do outro lado do
muro. Em certa medida, eu me incluo nesse grupo, apesar de que temos visto
coisas absurdas nos últimos tempos. E o 3VV ficou longe de ser uma exceção.

Meus amigos mais próximos sabem o ódio que eu destilo por este clube.
Quando digo que prefiro ganhar um jogo deles a dar dez pauladas na cabeça dos
marginais sem número, muitos dizem que eu sou maluco. Mas tudo tem uma razão de
ser na vida.

Os colegas comentaristas 3VV que, como eu, são da geração anos 70, sabem
muito bem que naquele tempo os coitados da marginal estavam há duas décadas sem
ganhar absolutamente nada. Não havia como um palmeirense crescer querendo
rivalizar contra um time que era ainda resquício do “faz-me rir”. Ao contrário,
nossos mortais inimigos do muro, que já vinham perturbando nossa vida desde os
anos 40, eram mais que uma pedra no sapato. Não esqueço jamais o dia em que
ganhei de um amigo de meu pai um desenho para colorir: a figura tinha aquele
maldito homenzinho vestido de branco e de barbas longas (que de santo não tem
nada) manobrando um vistoso periquito no espeto da churrasqueira. Para bom
palmeirense (e aqui temos a maioria deles), eu que na época contava com pouco
mais de 3 anos de idade, aquilo foi um soco no fígado, que lateja (de raiva)
até hoje. E de lá para cá, escolhi como muitos a quem direcionar toda a minha
raiva futebolística.

O final dos anos 70 terminaram com uma fatídica partida em que fomos
eliminados por eles com um gol de cabeça nos últimos minutos da prorrogação da
semifinal do Campeonato Paulista de 1978. Como não poderia deixar de ser, o
fato me foi carregado de traumas, já que eu ouvia o jogo pelo rádio do carro,
na serra de Campos do Jordão, com o sinal falhando e eu não sabendo quem tinha
marcado. Tragédia. Como diria um grande amigo meu palmeirense, CHACINA. Credito
a este gol (embora o Santos tenha sido campeão), o início de nossas trevas
futebolísticas, que só acabariam em 1993.

Hoje, depois de viver mais e mais pesadelos com esse indigesto vizinho,
faço uma autocrítica e percebo que nós mesmos criamos este monstro. Desde o
“jogo das barricas” de 1938, até hoje, com nossa insistência em
desqualificá-los como sede da Copa do Mundo 2014, estamos muito mais
preocupados com o que acontece do lado de lá, do que com o lado de cá. A tão
propalada “pequenez” a que certos dirigentes nos reduziram, grande parte se
deve ao fato de que não tivemos postura para nos colocarmos diante deste
adversário. Nunca nos fizemos respeitar. Sempre criamos a síndrome do
vira-lata, como diria nosso patrão Criscio. Deixamos que eles enaltecessem suas
conquistas e menosprezassem as nossas. Como o Mundial de 1951. Demos
importância demais a quem não merece nossa atenção fora das quatro linhas.
Vivemos a era do “…a Taça Libertadores, obsessão…”, como diz o grito da
torcida. Tudo criado pela mente alheia nefasta. 

Há quem diga, como nosso colunista Emerson Prebianchi, que jogo contra
eles nem clássico é. Eu não chegaria a tanto. Mas acho que apenas deveríamos
tratá-los como um adversário qualquer. “Jason”? “Hulk”? Isso para mim é
palhaçada para vender jornal. Paremos de alimentar esse clube desafeto com
atenção e passemos a lhes dar indiferença. E CORNETA na orelha de quem abaixar
a cabeça para eles!

39630cookie-checkA Corneta do Cunio – O muro é obsessão

25 comentários em “A Corneta do Cunio – O muro é obsessão

  • Jobert Leite
    agosto 31, 2009
    Responder
  • Marcelo Breda Stocco
    agosto 29, 2009
    Responder
  • Andre Luiz Martins Oltemare
    agosto 29, 2009
    Responder
  • Alberto Cunio
    agosto 29, 2009
    Responder
  • Marcelo Breda Stocco
    agosto 29, 2009
    Responder
  • Sérgio Modesto Frugis
    agosto 28, 2009
    Responder
  • Marco Túlio de Vasconcelos Dias
    agosto 28, 2009
    Responder
  • Alberto Cunio
    agosto 28, 2009
    Responder
  • Lucélia Batista de Almeida
    agosto 28, 2009
    Responder
  • Marcelo Barbagallo
    agosto 28, 2009
    Responder
  • João Gomes Yzquierdo Neto
    agosto 28, 2009
    Responder
  • Paulo Cesar Juliani
    agosto 28, 2009
    Responder
  • Alvaro G Mucida
    agosto 28, 2009
    Responder
  • JOÃO CELSO MARCON
    agosto 28, 2009
    Responder
  • Daniel Seleguim Santos Moraes
    agosto 28, 2009
    Responder
  • Rodrigo Bucciolli Pereira
    agosto 28, 2009
    Responder
  • Núbia Tavares
    agosto 28, 2009
    Responder
  • João Gomes Yzquierdo Neto
    agosto 28, 2009
    Responder
  • João Gomes Yzquierdo Neto
    agosto 28, 2009
    Responder
  • Rogerio Rocha
    agosto 28, 2009
    Responder
  • Raul Ricardi
    agosto 28, 2009
    Responder
  • Fabio Patricio da Silva
    agosto 28, 2009
    Responder
  • Marcio Zambon
    agosto 28, 2009
    Responder
  • Marco Aurélio Novelini
    agosto 28, 2009
    Responder
  • JOSELITO LUIZ GONÇALVES
    agosto 28, 2009
    Responder

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *