A Proposta da CBF para os clubes

agosto 28, 2009 15 Futebol com Números

POR LUIS FERNANDO TREDINNICK 

 

Pessoal, vamos ter que interromper a série sobre as receitas dos clubes, devido à essa notícia que saiu no Estado de S.P. na terça-feira, comentando uma proposta de Ricardo Teixeira para as finanças do futebol.

 

Sem déficit esportivo

Vai dar confusão. Ricardo Teixeira, da CBF, enviou para análise de Lula projeto para tentar colocar ordem nas finanças dos clubes de futebol. Basicamente, ele torna obrigatório que cada um apresente plano orçamentário viável atrelado à sua arrecadação. “Só pude avançar nisso porque meu mandato vai até 2015”, explica. Punição aos clubes que apresentarem déficit? Perderão pontos… no Brasileirão.

Argumento do presidente da CBF à coluna: “A única coisa que dirigente de clube respeita, mesmo, é ponto no campeonato.”


Sem déficit 3

Sobre tranformar os clubes em empresas, como defende Luiz Gonzaga Belluzzo, do Palmeiras, Teixeira é reticente: “Vejo muitos economistas e empresários que, nas empresas, conseguem fazer o que pregam.

Mas, ao chegar no futebol, mudam. Futebol é um negócio emocional, não tem jeito. Só isto explica, por exemplo, o pagamento de R$ 700 mil por mês a um treinador.”

 

QUE TAL A PROPOSTA?

 

Bom, ainda que a proposta possa “moralizar” as finanças no futebol, ela vai contra três  princípios básicos do futebol.

 

Primeiro: os clubes de futebol, no mundo todo, costumam dar prejuízo!  Como já disse em outros colunas, dos 20 clubes ingleses da primeira divisão, na temporada 2007/2008  apenas 4 deram lucro.  Minhas informações é que o panorama é o mesmo na Espanha e na Itália.

 

Segundo: no futebol, o prejuízo financeiro em algumas situações é perfeitamente justificável.  Ênfase no “algumas”.  Aqui devo lembra-los que algumas empresas, em alguns anos em que é preciso ganhar mercado, também aceitam prejuízo financeiro.

 

No futebol às vezes é preciso investir para se obter resultados esportivos E financeiros.

 

Por exemplo, o campeão da Libertadores, deve arrecadar entre TV, prêmios e bilheteria algo próximo de R$ 18 milhões (lembre-se que esse valor é alto, pois é quase 16% de tudo o que o futebol do Palmeiras arrecadou em 2008).  Então, o clube monta um time que custa caro e tenta ganhar o título. Se ganhar, tem lucro. Se por algum acaso ficar na primeira fase, tem prejuízo.

 

Outro exemplo: se o clube tem lucro por quatro ou cinco anos seguidos, e chegamos ao ano do Centenário, não é razoável pensar que vale à pena ter prejuízo no ano do centenário para se conquistar títulos importantes?  Como o principal ativo do clube é a sua torcida, nada melhor do que ter a torcida lembrar os títulos conquistados no centenário, como forma de reforçar a imagem e portanto a “marca”do clube, não?

 

Terceiro: campeonato se ganha no campo!  Já imaginou se um clube tem mais pontos no brasileirão e perde o campeonato com um clube com menos pontos mas com um prejuízo menor?  É basicamente um pesadelo!

 

E TRANSFORMAR OS CLUBES EM EMPRESA?

 

Já escrevi muito por aqui que eu sou a favor, ainda que muitas questões precisem ser resolvidas.

 

Agora, não é minimamente estranho que um dirigente defenda a “austeridade financeira” e diga que não é a favor de transformá-los em empresas porque é “emocional”? Ué, um clube pode ser emocional, mas a empresa não?  É isso?

 

ENFIM?

 

Enfim, discussões como essas são saudáveis, mas a proposta parece ser mirabolante demais para ser levada a sério.

 

De qualquer forma, devemos nos preocupar em profissionalizar o Palmeiras para depois pensarmos em transformá-lo em empresa.  Profissionalizar e ganhar títulos, muitos títulos. A começar com o Brasileirão de 2009!!!

 

Saudações Alvi-Verdes



Luís Fernando Tredinnick escreve todas as sextas-feiras no 3VV, explicando a quem conhece e também a quem não conhece os números no futebol.


Divulgação autorizada mediante explícita citação do autor e do blog Terceira Via Verdão

39590cookie-checkA Proposta da CBF para os clubes

15 comentários em “A Proposta da CBF para os clubes

  • Neosnardo Barbosa Nunes
    agosto 29, 2009
    Responder
  • LOURENÇO CORSI NETO
    agosto 29, 2009
    Responder
  • Ivan Antipov
    agosto 29, 2009
    Responder
  • Rodrigo Bucciolli Pereira
    agosto 28, 2009
    Responder
  • Marco Túlio de Vasconcelos Dias
    agosto 28, 2009
    Responder
  • Marco Túlio de Vasconcelos Dias
    agosto 28, 2009
    Responder
  • Lucélia Batista de Almeida
    agosto 28, 2009
    Responder
  • Administrator
    agosto 28, 2009
    Responder
  • VERA LUCIA CLORETTI
    agosto 28, 2009
    Responder
  • João Gomes Yzquierdo Neto
    agosto 28, 2009
    Responder
  • João Gomes Yzquierdo Neto
    agosto 28, 2009
    Responder
  • Rogerio Rocha
    agosto 28, 2009
    Responder
  • Marcio Zambon
    agosto 28, 2009
    Responder
  • JOSELITO LUIZ GONÇALVES
    agosto 28, 2009
    Responder
  • Fernando Talarico
    agosto 28, 2009
    Responder

Deixe um comentário para Marco Túlio de Vasconcelos Dias Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *