A Corneta do Cunio – Galinhos e Amendoins

setembro 11, 2009 22 Corneta do Cunio

POR ALBERTO CUNIO 


 


Tifosi alviverdes, antes de entrar no meu assunto da semana, vou recordar a todos que esta coluna é um local para discussões, divergências e debates de alto nível. Para aqueles que leem ou colaboram com suas idéias nesta coluna peço apenas que o façam respeitando as regras de comentários do 3VV e principalmente respeitando as opiniões contrárias. É isso que enriquece esse espaço.

Há uns meses um de nossos leais colaboradores escreveu uma excelente coluna que tratava sobre os torcedores do Palmeiras e suas idiossincrasias. Na ocasião, prometi que voltaria ao assunto, já que é tema para lá de extenso e polêmico. Mas dou aqui meu testemunho de anos e anos de estádio, o que pode ser endossado por inúmeros de nossos leitores.


 


Realmente, a torcida do Palmeiras é única em diversos aspectos. Já tive a oportunidade de estar na torcida de nossos maiores adversários aqui de São Paulo (JAMAIS em jogos contra o Palmeiras), e posso lhes garantir essa unicidade. Porém, nada impediria que esta torcida fosse bastante heterogênea no seu interior. O que é realmente verdade.


 


Já fui torcedor de todos os tipos: pobre de arquibancada, quando era criança e tínhamos grana curta; torcedor de numerada coberta, quando a idade de meu pai já exigia maiores confortos; torcedor de numerada descoberta, quando já estava cansado do tumulto do cimento; torcedor uniformizado, quando eu queria ir para pular 90 minutos que nem maluco e ostentar a camisa da facção; torcedor do VISA, quando nem sair de casa para comprar ingresso eu queria; torcedor em qualquer lugar, quando viajava para o interior, outros estados e até no fatídico jogo de Tóquio, seguindo o Palmeiras até no inferno. Ou seja, já vivi e convivi com TODOS os lugares e ambientes possíveis. Já vi de tudo. Festa, choro, corre-corre, tiro, cacetadas, ignorância, vandalismo. A torcida do Palmeiras também tem tudo de bom e de ruim das outras torcidas. Já jogou tambor de 200 litros na cabeça de PM, já lançou uma velhinha no fosso do Palestra e até mordeu o cachorro da PM em Bragança Paulista (igual a esta, acho que nunca vai existir). Os anos idos de fila causavam uma espécie de “loucura” na nossa torcida, que até banca de jornais de cima do viaduto já lançou, em cima de ônibus da torcida do Flamengo.


 


Mas em quem eu venho meter a CORNETA aqui hoje é em dois tipos especiais de torcedores e que povoam ainda nosso Palestra Itália:


 


O AMENDOIM: quem pensa que é exclusividade das numeradas cobertas, parou no passado. Está infiltrado em todo e qualquer lugar. Os prediletos hoje são o VISA e a arquibancada-limão, antigo torcedor-família, setor novo ao lado das numeradas cobertas. É uma praga. Já começa a reclamar no hino nacional e quando sai a escalação no placar eletrônico já xinga o técnico de burro. O time pode estar ganhando de 1×0, jogando com 9, faltando 5 minutos e tomando a maior pressão, que ele mesmo assim quer que o time tenha 3 atacantes e 1 só volante. Não perdoa nada, nem falha do Marcos, nem chute para fora do craque do time. É acima de tudo, inconveniente.


 


O GALINHO DE BRIGA: este vai no estádio só para arrumar confusão. Depois de beber muito na entrada e/ou fumar coisas estranhas, nem olha para o campo e fica com um olho na PM e o outro passando pelo público, doido para ver quem ele vai provocar e quem vai cair na dele. Quer porrada, a todo custo. Nem adianta intervenção da turma do “deixa-disso”. Pior: arma o barraco e some. Depois quem sofre é um ou outro trouxa que foi na pilha e vai parar na delegacia.


 


Fui testemunha de ambas espécies, por curiosidade, no jogo passado contra o Barueri, quando estourou um quebra-pau danado no intervalo atrás do gol e até agora ninguém sabe quem começou o quê. Um amendoim deve ter aberto a boca, um galinho aproveitou a deixa. Para eles, peço apenas que se matem, mas fora do Palestra. Nem Palmeiras, nem nossa imensa torcida precisa de vocês. Que o galinho coma o amendoim e morra engasgado.


 


 —


 

40450cookie-checkA Corneta do Cunio – Galinhos e Amendoins

22 comentários em “A Corneta do Cunio – Galinhos e Amendoins

  • Alberto Cunio
    setembro 13, 2009
    Responder
  • Marcio Zambon
    setembro 13, 2009
    Responder
  • ROGERIO NOVAES PINTO COELHO
    setembro 13, 2009
    Responder
  • Kaleb Forte Rodrigues
    setembro 13, 2009
    Responder
  • Lucélia Batista de Almeida
    setembro 12, 2009
    Responder
  • Sérgio Modesto Frugis
    setembro 12, 2009
    Responder
  • Marco Túlio de Vasconcelos Dias
    setembro 11, 2009
    Responder
  • Cassiano Juliotti Amatuzzi
    setembro 11, 2009
    Responder
  • Cassiano Juliotti Amatuzzi
    setembro 11, 2009
    Responder
  • Washington Rodrigues
    setembro 11, 2009
    Responder
  • Alberto Cunio
    setembro 11, 2009
    Responder
  • Paulo Cesar Juliani
    setembro 11, 2009
    Responder
  • VERA LUCIA CLORETTI
    setembro 11, 2009
    Responder
  • Elio A Colombo Jr
    setembro 11, 2009
    Responder
  • LUIZ AMERICO SOUZA DE MARTINO
    setembro 11, 2009
    Responder
  • Victor Rogério Sbrighi Pimentel
    setembro 11, 2009
    Responder
  • JOSELITO LUIZ GONÇALVES
    setembro 11, 2009
    Responder
  • Emerson Prebianchi
    setembro 11, 2009
    Responder
  • Rodrigo Bucciolli Pereira
    setembro 11, 2009
    Responder
  • João Gomes Yzquierdo Neto
    setembro 11, 2009
    Responder
  • Andre Luiz Martins Oltemare
    setembro 11, 2009
    Responder
  • Fabio Patricio da Silva
    setembro 11, 2009
    Responder

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *