Análise da Arbitragem R29

outubro 13, 2009 0 Jogos

Por Danilo Cersosimo

 

Na pior apresentação do Palmeiras neste Brasileiro vimos o time perder para uma das equipes mais frágies (técnica e fisicamente) deste campeonato. E de maneira incontestável – mesmo o 3º gol do adversário sendo em impedimento.

 

O árbitro Vagner Tardelli (RJ) atuou de maneira caseira, sempre apitando faltas para os donos da casa. Também amarelou por demais os jogadores – especialmente os do Palmeiras. Aliás, nossos atletas precisam aprender a se controlar um pouco mais, pois estamos levando muitos cartões desnecessários – para um elenco tão limitado isso é perigoso e pode trazer prejuízos.

 

Apesar da arbitragem truncada – que parou o jogo a todo momento, a partida de modo geral não foi violenta – a entrada de Sandro Silva em Vagner me pareceu um acidente do jogo não-intencional.

 

O mais negativo da arbitragem foi a auxiliar Marcia Lopes Caetano (RO-Fifa), que não viu impedimento claro de Bruno Mineiro no 3º gol – não mudaria muita coisa, dada a letargia do time.

 

***

No sábado, num Maracanã lotado o Flamengo (nosso próximo adversário) venceu o São Paulo com um pênalti polêmico.

 

Por mais que a maioria da crônica esportiva tenha visto falta no lance de Jorge Vagner sobre Zé Roberto eu confesso que não teria assinalado penalidade máxima naquela jogada. Pra mim foi um choque normal. Na Europa dificilmente seria pênalti. No Maracanã lotado, o árbitro não hesitou.

 

Na cobrança de Petkovic o auxiliar Marrubson Freitas (que já prejudicou o Palmeiras gravemente no BR07 contra o Paraná Clube) apontou falta de Rogério Ceni – este teria se adiantado. Novamente penso que a arbitragem errou em mandar voltar a cobrança. DESSA VEZ, o goleiro sãopaulino não se adiantou de maneira acintosa, como costuma fazer. Talvez o bandeira tenha invalidado a defesa exatamente pela fama do Rogério Ceni.

 

Na segunda chance, Petkovic como craque que é e com sangue frio marcou o segundo gol do Flamengo.

 

O mais engraçado dessa história é a gritaria contra a invalidação da defesa de Rogério – pouca gente lembrou que o Palmeiras foi desclassificado pelo tal do Ipatinga em pleno Palestra por conta de um bandeira que anulou uma defesa legítima de Diego Cavalieri numa Copa do Brasil – naquela ocasião os DOIS PÉS de Diego estavam ATRÁS da linha do gol.

 

Esse é o retrato da arbitragem brasileira: sem critérios, sem padrão definido e extremamente caseira. Fosse no Morumbi e a defesa teria valido.

 

***

42210cookie-checkAnálise da Arbitragem R29

0 comentários em “Análise da Arbitragem R29

  • Claudio Baptista Jr.
    outubro 15, 2009
    Responder
  • Felipe Monteiro Virolli
    outubro 14, 2009
    Responder
  • Danilo Cersosimo
    outubro 13, 2009
    Responder
  • Marco Túlio de Vasconcelos Dias
    outubro 13, 2009
    Responder
  • Danilo Cersosimo
    outubro 13, 2009
    Responder
  • Valter Rodrigues de Freitas
    outubro 13, 2009
    Responder
  • Andre Luiz Martins Oltemare
    outubro 13, 2009
    Responder
  • Luciano Stinchi
    outubro 13, 2009
    Responder
  • JOSELITO LUIZ GONÇALVES
    outubro 13, 2009
    Responder
  • João Gomes Yzquierdo Neto
    outubro 13, 2009
    Responder

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *