A Corneta do Cunio – Maremoto manual

outubro 16, 2009 26 Corneta do Cunio

POR ALBERTO CUNIO

Marujos alviverdes, após alguns dias do já
qualificado pelo nosso editor-chefe do 3VV “patético” Palmeiras ter aparecido
em Recife (apenas aparecido, já que jogar mesmo, só o Náutico jogou), ficaram
as perguntas no ar que recebi durante aquela partida ridícula. “Cunio, será
que…?” (entenda-se, “…a vaca estaria indo para o brejo?”). Ou, “Estaríamos
fazendo uma força danada para perder esse caneco?”. Pois é. Parece que as duas
perguntas podem ser respondidas com um “sim”.

Vamos tentar amenizar as coisas, apesar de
que aqui não é lugar para isso e sim para descer a lenha antes que o gado entre
em terreno alagadiço de vez. O Campeonato Brasileiro pode estar emocionante,
mas já mostrou efetivamente que a diferença entre os clubes é muito mais
eventual do que efetiva. Os mandos de campo têm tido efeito pleno para alguns
times, mas não para outros. O que faz qualquer resultado de jogo ser
imprevisível. Jogaremos contra um Flamengo invicto há 8 partidas, mas que tem
uma campanha fraquíssima fora de casa com apenas 2 vitórias. Mas… Lembremos
do Grêmio, que tinha campanha pior e nós conseguimos a proeza de empatar depois
de estarmos ganhando. Ou seja, incerteza total.

O resultado prático disso é o que foi
ressaltado aqui no 3VV esta semana: olhamos a coisa pela perspectiva de que
deixamos de disparar na liderança de vez, ou mantivemos 5 pontos na dianteira
pela incompetência dos adversários? Eu diria melhor: estamos sendo
incompetentes TANTO QUANTO nossos adversários. E o que isso significa? Que o
primeiro clube que deixar de ser um pouquinho só incompetente, fatura o caneco.
Pela vantagem (que eu considero pequena, mas significativa diante de tanto
equilíbrio negativo), o Palmeiras tem tudo para ser campeão. Mas precisará ser
o clube “um pouco menos incompetente” que os demais. Estávamos numa piscina e
passamos a causar um maremoto nela com nossas próprias mãos. Vejamos como.

Ganhamos apenas 1 pontinho nos últimos 2
jogos, contra times que estão tecnicamente abaixo do nosso. SE (detesto usar
este condicional) tivéssemos ganhado qualquer coisa a MAIS que isso, abriríamos
vantagem MAIS confortável e colocaríamos MAIS alguns dedos na taça. Mas não…
Para que facilitar? Entramos em Santos com um salto agulha, achando que poderíamos
resolver a parada a qualquer momento. Graças à incompetência dos peixeiros
saíamos de lá com a vitória. Graças a isso, sim. Porque se eles tivessem tido
mais brio, teriam matado o jogo quando estavam em vantagem. Contra o Avaí
conseguimos tomar dois gols de bola parada inaceitáveis (sendo que no segundo o
adversário estava praticamente sozinho). Aí tivemos que correr atrás. Contra o
Náutico, com aquele arremedo de time, bom… Não precisamos nem falar. Agora,
resta-nos comer carne de pescoço para compensar a picanha suculenta que
desprezamos.

E é por causa deste tipo de atuação, como a
de Recife, que nos credenciamos a morrer na praia, como eu já alertei semana
passada. Não gosto de crucificar ninguém, mas dedico com amor minha CORNETA na
orelha de dois cidadãos que foram brilhantes em Pernambuco: MARCÃO (por terem
saído “apenas” todos os gols em cima dele) e 
COALHADA, que ao invés de aproveitar as oportunidades que tem para
arrebentar como titular, mais parecia um bonecão de posto de gasolina. Como bem
disse nosso Assecla das Leis Fraudulentas do 3VV, Emerson Prebianchi, “Ortigoza
só joga quando entra no meio do segundo tempo e todo mundo está morto em campo”.
Desse jeito, vá tomar tererê em Assunção e não me cozinhe os miolos.

42360cookie-checkA Corneta do Cunio – Maremoto manual

26 comentários em “A Corneta do Cunio – Maremoto manual

  • Lucélia Batista de Almeida
    outubro 17, 2009
    Responder
  • Fernando Cesar Giélamo
    outubro 17, 2009
    Responder
  • Rodrigo Bucciolli Pereira
    outubro 17, 2009
    Responder
  • Marcio Zambon
    outubro 16, 2009
    Responder
  • Alvaro G Mucida
    outubro 16, 2009
    Responder
  • Lucélia Batista de Almeida
    outubro 16, 2009
    Responder
  • Daniel Seleguim Santos Moraes
    outubro 16, 2009
    Responder
  • Alberto Cunio
    outubro 16, 2009
    Responder
  • Lucélia Batista de Almeida
    outubro 16, 2009
    Responder
  • Andre Luiz Martins Oltemare
    outubro 16, 2009
    Responder
  • João Gomes Yzquierdo Neto
    outubro 16, 2009
    Responder
  • Daniel Seleguim Santos Moraes
    outubro 16, 2009
    Responder
  • Lucélia Batista de Almeida
    outubro 16, 2009
    Responder
  • Daniel Seleguim Santos Moraes
    outubro 16, 2009
    Responder
  • Daniel Seleguim Santos Moraes
    outubro 16, 2009
    Responder
  • João Gomes Yzquierdo Neto
    outubro 16, 2009
    Responder
  • João Gomes Yzquierdo Neto
    outubro 16, 2009
    Responder
  • João Gomes Yzquierdo Neto
    outubro 16, 2009
    Responder
  • Raul Ricardi
    outubro 16, 2009
    Responder
  • Lucélia Batista de Almeida
    outubro 16, 2009
    Responder
  • Lucélia Batista de Almeida
    outubro 16, 2009
    Responder
  • Sérgio Modesto Frugis
    outubro 16, 2009
    Responder
  • JOSELITO LUIZ GONÇALVES
    outubro 16, 2009
    Responder
  • Milton Nascimento Santos Nunes
    outubro 16, 2009
    Responder
  • Marco Túlio de Vasconcelos Dias
    outubro 15, 2009
    Responder
  • Marco Túlio de Vasconcelos Dias
    outubro 15, 2009
    Responder

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *