La Prima Volta: a história das 5 coroas

La Prima Volta: a história das 5 coroas

novembro 5, 2009 6 História Nossa, Meninos Eu Vi

POR JOTA CHRISTIANINI

Antigamente era simples: mencionou  o Campeoníssimo e não havia quem questionasse. Falava-se do PALMEIRAS! Se o assunto eram as 5 Coroas também ninguém tinha dúvidas, era gloria das glórias do Campeoníssimo. Não eram apelidos dados por algum jornalista ufanista, eram títulos conquistados no campo, o que tratando-se do Palmeiras é redundância.

O tempo passou e alguns hoje perguntam por que o Palmeiras é o time das 5 Coroas?

Vamos, passo a passo, falar das cinco.
Ora da primeira ninguém nunca esquece – seja lá qual for o  assunto – mas normalmente, por ser a primeira, e como não se sabe quantas virão depois, não costuma numerá-la.

A primeira conquista do Palmeiras aconteceu em 1950.

A Taça Cidade de S.Paulo, patrocinada pela Prefeitura, era disputada pouco antes do único campeonato regular, o  estadual, e  disputada pelos 3 melhores do certame paulista do ano anterior.

Havia um tabu – quem ganhasse a Taça S.Paulo não haveria de ganhar o paulista.
Foi nessa taça que havia dois anos o Palmeiras goleou o leal adversário, 6×0 no derby.
Julho de 50, no primeiro jogo da Taça, o Palmeiras venceu o fantástico esquadrão da Lusa por 3×2. Foi uma batalha! Jair marcou para o Verdão aos 12, Nininho empatou e Pinga virou para a Portuguesa, ainda no primeiro tempo.

O segundo tempo foi uma luta só! Fiume machucou-se e como não permitiam-se substituições o Palmeiras ficou com dez jogadores; aos 16 Jair mandou a bomba! Diziam que ele não chutava falta com força se tirassem a barreira. Caxambu confiou na lenda. A bomba veio rasante no canto baixo. O goleiro luso nem se mexeu.

Era pouco, só a vitória interessava… afinal a Lusa e o time das camisas listradas haviam empatado no jogo anteiror.

Com um jogador a menos foi difícil, mas nada é impossível ao Palmeiras. Num golaço Aquiles decretou a vitória aos 36 do segundo tempo, 3×2.
Apenas o primeiro passo. No domingo seguinte com  o Pacaembu registrando mais de 60 mil pagantes o Palmeiras precisava apenas do empate diante do time que futuramente teria sede no Jardim Leonor.
O árbitro – o inacreditável Mário Vianna – foi obrigado a dar pênalti para o Palmeiras, afinal  o jogador do Verdão já tinha até driblado o goleiro. Cometer o pênalti era uma chance para o  goleiro.
Não teve chance: Turcão fez 1×0. No segundo tempo Jair ampliou e logo depois o SPFC fez o primeiro. No finzinho até empatou, mas a Taça Cidade de S.Paulo era do PALMEIRAS.

Discretamente comemorada afinal de contas ganhar taça desse time era muito bom, mas era corriqueiro, portanto pequenas festas. Mas persistia a dúvida.
Será que que o campeão da Taça não vai ganhar o campeonato, como  vinha acontecendo?

Essa é uma outra história que fica para a próxima vez.

43600cookie-checkLa Prima Volta: a história das 5 coroas

6 comentários em “La Prima Volta: a história das 5 coroas

  • JOTA CHRISTIANINI
    novembro 6, 2009
    Responder
  • Marco Túlio de Vasconcelos Dias
    novembro 5, 2009
    Responder
  • Raul Ricardi
    novembro 5, 2009
    Responder
  • Fernando Talarico
    novembro 5, 2009
    Responder
  • JOSELITO LUIZ GONÇALVES
    novembro 5, 2009
    Responder
  • marco antonio nishimura
    novembro 4, 2009
    Responder

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *