Categorias de Base: utopia ou mentira?

dezembro 4, 2009 12 Futebol com Números

Pois é amigos, é difícil pensar em um tema interessante sabendo que no próximo domingo podemos contrariar as probabilidades e sermos campeões, mas enfim…

Semana passada vimos que entre os grandes clubes brasileiros, o clube que menos contratou, trouxe 11 novos jogadores por ano para o time: ou seja, um time inteiro.  Então, cabe a pergunta: essa história de categorias de base é utopia ou mentira?

Em uma resposta simples: utopia!

Não estou dizendo que elas não são importantes!  São! E muito!  Acontece apenas que elas estão longe de ser a solução para os problemas dos clubes ou suficientes para montar times campeões! 

QUAL A REAL IMPORTÂNCIA PARA O CLUBE DAS CATEGORIAS DE BASE?

Possivelmente, as categorias de base são a forma mais eficiente de se garantir receitas para os clubes.  Os grandes clubes investem oficialmente até R$ 9 milhões por ano em todas as categorias de base. Ou seja, com a venda de um bom jogador das categorias de base pode-se garantir todos os custos das categorias de base por quatro ou cinco anos. 

Cá entre nós, me parece difícil que com um trabalho sério, não se consiga revelar um bom jogador a cada quatro anos.

Outros fatores também podem entrar em consideração, como a identificação do jogador com o clube e com a torcida, a menor influência dos empresários (ainda que hoje eles já infestaram as categorias de base), etc.

Ainda que o Palmeiras não tenha exatamente tradição em revelar jogadores com consistência, se pensarmos um pouco, nos últimos anos temos vários nomes surgidos das categorias de base: Wilsinho (o fujão), Dayvid (o outro fujão), Maurício, Souza, Lovinho, etc.  Vocês se lembram de mais alguns nomes?

E POR QUE NÃO É SUFICIENTE?

Pensem um pouco, depois do Santos de Robinho e Diego que surgiu em 2002, quando existiu uma geração inteira suficiente para fazer um time campeão?   Se alguém se lembra, me avisa, pois eu não consegui lembrar de nenhum. 

Existem duas vertentes distintas que ajudam a explicar porque os times campeões acabam sendo times compostos na sua maioria por jogadores que não vieram da base!

Uma é estatística! Dado o número de times de futebol que existe por aí, no Brasil e no Exterior (no nosso caso, mais os países da América do Sul), que são provavelmente centenas, a possibilidade de um time revelar um jogador melhor do que o seu é muito grande.  Imagine o Palmeiras contra cem clubes no Brasil e América do Sul, qual vocês acham que é a possibilidade de UM desses times ter ao menos UM jogador melhor do que o do Palmeiras?

A outra vertente, acreditem se quiser, tem a ver com profissionalismo e tecnologia!  Vou explorar mais o assunto no próximo post, mas basta dizer que o desenvolvimento dos dois itens ajudou a mobilidade dos jogadores e facilitou tremendamente encontrar bons jogadores. (não que dizer que seja fácil contratar esses jogadores, que dizer apenas que é fácil encontrá-los).

ENTÃO?

Então, quer dizer que o Palmeiras tem que investir de duas maneiras distintas:

Primeiro: ter boas categorias de base que revelem jogadores e que consigam gerar uns quatro ou cinco titulares (e também gerem bons lucros para o clube).

Segundo: ter uma rede de “olheiros” e contatos eficiente e bem desenvolvida, que garanta ao clube acesso às principais revelações do futebol do Brasil e do exterior, preferencialmente a um preço acessível.

Não há outra solução, ter times campeões, implica necessariamente em revelar talentos e contar com jogadores formados em outros clubes!  Ou alguém acha que é possível, de forma consistente, montar equipes campeãs apenas  com jogadores da base?

Saudações Alvi-Verdes

 

Luís Fernando Tredinnick escreve às sextas-feiras no 3VV explicando a quem conhece, e a quem não conhece, os números do futebol

44660cookie-checkCategorias de Base: utopia ou mentira?

12 comentários em “Categorias de Base: utopia ou mentira?

  • Marco Túlio de Vasconcelos Dias
    dezembro 7, 2009
    Responder
  • Fernando Talarico
    dezembro 5, 2009
    Responder
  • Eduardo Forastiero
    dezembro 5, 2009
    Responder
  • LOURENÇO CORSI NETO
    dezembro 5, 2009
    Responder
  • Valter Rodrigues de Freitas
    dezembro 5, 2009
    Responder
  • Claudio Baptista Jr.
    dezembro 4, 2009
    Responder
  • Marco Bucci
    dezembro 4, 2009
    Responder
  • Andre Luiz Martins Oltemare
    dezembro 4, 2009
    Responder
  • Alberto Cunio
    dezembro 4, 2009
    Responder
  • Lucélia Batista de Almeida
    dezembro 4, 2009
    Responder
  • Andre Luiz Martins Oltemare
    dezembro 4, 2009
    Responder
  • Marcio Zambon
    dezembro 4, 2009
    Responder

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *