Análise da Arbitragem R38 Botafogo 2×1 Palmeiras – Um desabafo

dezembro 8, 2009 0 Jogos

Por
Danilo Cersosimo 

Fica
difícil falar de arbitragem com o abatimento e a melancolia que tomam conta de
mim.

De
que adianta falar se os cartões amarelos foram merecidos ou não, quando vemos
um time sem a menor estrutura técnica, tática e emocional em campo? 

De
que importa analisar os números da arbitragem, quando temos um futebol
comandado por vícios tão gritantes e temperado por tanto banditismo?

Nas
últimas semanas, desde o episódio “Simon”, o futebol vem perdendo a graça pra
mim. Na verdade, o futebol já não é a mesma coisa pra mim desde que me tornei
sócio do Palmeiras e comecei a participar, mesmo que modestamente, da vida
política do clube. Há 10 anos me arrependo profundamente por ter deixado de ser
um ingênuo torcedor de arquibancada… 

O
desabafo aqui não é pelo time patético em campo – infelizmente (e é duro dizer
isso) estou acostumado com as vergonhas dos últimos 10 anos. Sequer consigo
ficar frustrado com o resultado – de novo, talvez por já estar vacinado contra
essas coisas. 

A
dor maior é por ver tudo o que eu apreciava, desmoronar aos poucos: um clube
moribundo, recheado por gente medíocre da pior espécie, que joga num campeonato
protagonizado por STJD, Simon, Gaciba, Wilson Mendonça e que tem uma torcida
organizada que agora se acha no direito de agredir jogador. 

O
pouco que restava do encanto que eu sempre nutri pelo futebol, praticamente
acabou ontem, ao ver o espetáculo dantesco provocado por aqueles bandidos em
Curitiba – incluindo aí os que parecem ser diretores do Coxa. E é por essas e
outras, que presidente de clube não pode freqüentar quadra de torcida
organizada, muito menos dividir o palanque com indivíduos que têm ficha corrida
e histórico de agressões até contra funcionários do clube.

O
futebol morre um pouco mais quando assiste a resultados comprados, tribunais
manipuladores e torcedores violentos tomarem a cena. E ele morre ainda mais,
quando as poucas pessoas de bem parecem se confundir ao dar guarida a este tipo
de gente. 

O
futebol definha, quando jogadores de futebol pagam pedágio para a organizada
deixá-los em paz ou apoiá-los incessantemente. E ele definha ainda mais quando as
poucas pessoas de bem prestigiam o carnaval organizado dessa gente que vive de
viver do clube que nós mortais amamos (e pagamos caro para torcer por ele nas
arquibancadas).

Desculpem
o meu desabafo. Talvez um ano novo, com novas esperanças diminuam um pouco o
meu amargor, que foi acentuado pelos nossos próprios erros e equívocos. Quero
deixar claro que apesar de todos os trambiques ou esquemas que dominam nosso
futebol, apesar de todos os erros de arbitragem contra nós, os maiores culpados
pelo nosso vexame estão dentro do Palestra Italia – do Presidente ao
ponta-esquerda. E quem fica com cara de bobo somos nós, torcedores.

Também
quero deixar claro que esse desabafo não visa equiparar os atuais comandantes
do Palmeiras àqueles que o dirigiram no passado e nos enfiaram nas trevas. Não
tenho o menor apreço por 90% dos dirigentes e conselheiros do Palmeiras e
espero sinceramente que o Belluzzo marque sua gestão pela construção da Arena
Palestra (um marco para o renascimento) e pela viabilização de eleições diretas
para presidente (não faz sentido alimentar um conselho parasitário).

Perdão
por não ter falado da arbitragem desta última rodada do Brasileirão que
consagrou o Flamengo hexa-campeão, mas frente a tanta coisa errada tanto no
futebol brasileiro quanto no Palmeiras, isso me pareceu perder o sentido nesse
momento.

    

44880cookie-checkAnálise da Arbitragem R38 Botafogo 2×1 Palmeiras – Um desabafo

0 comentários em “Análise da Arbitragem R38 Botafogo 2×1 Palmeiras – Um desabafo

  • Jobert Leite
    dezembro 9, 2009
    Responder
  • Marco Túlio de Vasconcelos Dias
    dezembro 8, 2009
    Responder
  • Administrator
    dezembro 8, 2009
    Responder
  • Sérgio Modesto Frugis
    dezembro 8, 2009
    Responder
  • Raul Ricardi
    dezembro 8, 2009
    Responder
  • Alberto Cunio
    dezembro 8, 2009
    Responder
  • Danilo Cersosimo
    dezembro 8, 2009
    Responder
  • Fernando Talarico
    dezembro 8, 2009
    Responder
  • JOSELITO LUIZ GONÇALVES
    dezembro 8, 2009
    Responder
  • Andre Paciello
    dezembro 8, 2009
    Responder
  • Felipe Monteiro Virolli
    dezembro 7, 2009
    Responder
  • Rafael dos Santos de Bessa
    dezembro 7, 2009
    Responder
  • eduardo da silva caires bertucci
    dezembro 7, 2009
    Responder

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *