Felipão e a lógica financeira

junho 18, 2010 13 Futebol com Números

Amigos, vamos interromper um pouco a série de artigos sobre as finanças do Palmeiras para discutir um assunto que veio à tona sobre a contratação do nosso novo técnico:  o custo do Felipão não irá debilitar ainda mais as finanças do clube?

A situação do clube antes da contratação do Felipão:

O lado sombrio: a situação do Palmeiras em 2010 já era realmente preocupante não só em termos futebolísticos, mas também em termos financeiros: (i) temos que pagar as rescisões dos técnicos que foram sendo substituídos (Muricy e Zago), (ii) o pífio desempenho esportivo fez baixar drasticamente a receita de bilheteria tanto no Paulistão quanto na Copa do Brasil, (iii) temos uma baixa/nenhuma perspectiva de venda dos direitos econômicos de atletas que possa gerar uma receita significativa e (iv) não havia perspectiva do clube lutar pelas premiações dos títulos do campeonato Brasileiro e nem da Sulamericana e muito menos de se classificar para a Libertadores 2011.

As boas notícias: com a quebra de contrato da Samsung e a Fiat sendo a nova patrocinadora do clube, além do aumento dos valores de patrocínio, também temos a perspectiva de fechar novos acordos de patrocínio para as mangas e mesmo para o calção.  Os valores especulados por aí variam em torno de R$ 7 a 12 milhões a mais por ano (vou tentar apurar melhor os valores).

O dilema dos dirigentes do Palmeiras

Os dirigentes do Palmeiras tinham então o seguinte dilema: usar o dinheiro extra para equilibrar as finanças do clube (mesmo sabendo que o time que estava aí certamente não alcançaria a Libertadores e, talvez, tivesse mesmo alguma dificuldade para obter a classificação para a Sulamerica) ou usava o dinheiro para investir novamente no elenco e comissão técnica e tentar uma melhora esportiva que talvez também rendesse uma melhora esportiva.

A opção pelo risco

Como todos vimos os dirigentes do nosso clube optaram pelo risco!  Vamos buscar jogadores e contratar o líder de nossa maior conquista: Felipão! 

E não é que com essa decisão, até a Traffic parece mais animada a buscar mais reforços para o clube (reforços de verdade, bem entendido)

Como a conta fecha?

Primeiro, o Palmeiras conta com a ajuda de patrocinadores para pagar parte do salário do Felipão.  Como oficialmente não sabemos o quanto será pago, podemos apenas especular.

Segundo, com um time melhor, certamente teremos mais público no estádio. Como teremos cerca de 3 jogos como mandante por mês, podemos estimar que a renda desse novo time “sob nova direção” em comparação com o time que terminou o primeiro semestre, seria cerca de R$ 130 mil maior por jogo (lembrem que na Libertadores a rende por jogo foi de quase R$ 1 milhão), ou cerca de R$ 400 mil por mês.

Então, em teoria, com o dinheiro adicional do patrocínio e com a renda extra da bilheteria (em comparação com o que teríamos com o time do primeiro semestre, vale frisar) é possível pagar a nova comissão técnica e os novos jogadores.

Adicionalmente, pode ser que as finanças do clube ainda melhorem, com eventuais premiações por algum título conquistado.  Com o Felipão o título da Sulamericana seria bem factível, não?

Ou seja?

Na minha opinião os dirigentes do Palmeiras tomaram a decisão correta!

Evidentemente existe o risco de não jogarmos a Libertadores  ano que vem, e isso comprometeria profundamente as finanças do clube.  Mas como ser Palmeirense é lutar sempre contra as adversidades, tenho certeza que nos veremos na Libertadores ano que vem!  E olha, que ainda podemos gritar “É CAMPEÃO” este ano!

Saudações Alvi-Verdes

* Luís Fernando Tredinnick escreve às sextas-feiras no 3VV explicando a quem conhece, e a quem não conhece, os números do futebol

54430cookie-checkFelipão e a lógica financeira

13 comentários em “Felipão e a lógica financeira

  • Sergio Eduardo Pinheiro
    junho 19, 2010
    Responder
  • Luis Felipe Massola
    junho 18, 2010
    Responder
  • Marcio Zambon
    junho 18, 2010
    Responder
  • Sergio Eduardo Pinheiro
    junho 18, 2010
    Responder
  • Raul Ricardi
    junho 18, 2010
    Responder
  • Rogerio Rocha
    junho 18, 2010
    Responder
  • Valter Rodrigues de Freitas
    junho 18, 2010
    Responder
  • Marcio Zambon
    junho 18, 2010
    Responder
  • Rinaldo Russo Milito
    junho 18, 2010
    Responder
  • Yzquierdo
    junho 18, 2010
    Responder
  • JOSELITO LUIZ GONÇALVES
    junho 18, 2010
    Responder
  • Denis Dias de Lima
    junho 18, 2010
    Responder
  • Felipe Monteiro Virolli
    junho 18, 2010
    Responder

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *