Jogo rápido, papo sobre a Arena

agosto 29, 2010 8 Allianz Parque

Por partes:

CADES: conversei com algumas pessoas neste fim de semana para entender o que está havendo. O CADES fez exigências consideradas absurdas por quem leu o documento. Foram 25 exigências. Uma delas reproduzo aqui:

20. Deverá ser indicado o número previsto para a realização de shows de
música e demais eventos/ ano, com as respectivas previsões de lotação
média e máxima de freqüentadores e períodos para a realização de tais
eventos. Deverá ser indicada a previsão do máximo horário noturno para
encerramento de tais eventos.

Dá prá estimar isso? Claro que sim. Mas requer tempo. Ao mesmo tempo a exatidão beira o ridículo. Como é possível saber os períodos dos eventos que nem foram contratados e dependerão de agenda de jogos? Como definir o máximo horário noturno para eventos que ocorrerão nos próximos 30 anos?

Como essa, existem outras tantas. Vão tomar tempo para serem respondidas. Enquanto isso não sairá alvará. Enquanto não sair alvará não começam as obras. Quanto tempo? Provavelmente dois meses, desde a resposta formal às 25 exigências, até a avaliação do próprio CADES e depois o envio à Prefeitura para a emissão formal do Alvará.

Alguns atribuem essa situação à inabilidade política da diretoria palmeirense na reta final para lidar com essas questões (todas previsíveis). Outros consideram que o CADES está respondendo a uma solicitação do Ministério Público e não pode fingir que não viu. Outros ainda acham que precipitou-se a publicação de algumas notícias (como por exemplo a história que Kassab teria dado como certa a emissão do tal alvará). Talvez todos tenham alguma dose de razão. O que parece ser um cenário mais provável é que após a formalização do novo estádio de Itaquera a ser pago com dinheiro sabe-se lá de onde, as coisas serão mais fáceis para o Palmeiras.

Ou seja, falhamos na articulação política. Mas no limite não isso deve abortar a Arena. Mas seguramente vai atrasar mais ainda.

ITAQUERÃO: Deve haver uma relação indireta nesse negócio. Há interesses cruzados nessa história. Enquanto o SPFC tomou um tombo por conta de sua incompetência em arrumar recursos privados para a reforma do Morumbi, o Palmeiras parece tomar um “tombo temporário” para evitar que seja considerado alternativa real para ser Sede da Copa do Mundo. Politicamente (e mesmo financeiramente) pode-se imaginar quanto há em jogo em ter uma abertura da Copa na cidade além de um estádio novo para o Corinthians. Sem falar no orçamento alocado aí. Logo acredita-se que tão logo o estádio seja formalizado na FIFA – quanto tempo? dois meses? coincidência com o prazo estimado para o Alvará ? – as obras começarão em toque de caixa.

Se sair esse estádio qual o impacto para a Arena Palestra? Pouco. Tirando o fato que vai atrasar (e isso é ruim) um estádio em Itaquera não deverá concorrer tão fortemente com a Arena nos shows e eventos. A Arena Palestra é um equipamento multiuso e por isso mais adaptável para shows (falo isso sem conhecer o projeto de Itaquera, apenas no chutômetro). Além disso a localização da Arena é comparável apenas ao Pacaembu.

Portanto em termos de geração de receitas, me parece que a concorrência não será tão perversa.

LOGO: eu ficaria frustrado mas não completamente desesperado com a situação toda. A WTorre não sairá do projeto, nem por isso, nem pela questão política (quanto mais passa o tempo mais a oposição fisiológica contesta a parceria). O projeto tenderá a ser aprovado nas esferas políticas, após a aprovação do estádio em Itaquera. Políticos e cartolas de plantão articulam bem. A imprensa finge que não vê. É a vida…

Agora ajudaria se o Palmeiras usasse os contatos que tem. No mínimo para não ser passado prá trás. E ajudaria mais ainda se tivéssemos boas relações com a CBF. Sabe como é, há sempre o risco daquela máxima “aos amigos tudo, aos inimigos a lei”. Parece ser esse o caso.

É isso aí! Saudações Alviverdes!

57230cookie-checkJogo rápido, papo sobre a Arena

8 comentários em “Jogo rápido, papo sobre a Arena

  • Rodrigo Bucciolli Pereira
    agosto 30, 2010
    Responder
  • Rodrigo Bucciolli Pereira
    agosto 30, 2010
    Responder
  • CARLOS RODOLFO DA SILVEIRA
    agosto 30, 2010
    Responder
  • CARLOS RODOLFO DA SILVEIRA
    agosto 30, 2010
    Responder
  • Junior Gottardi
    agosto 30, 2010
    Responder
  • Rodrigo Bucciolli Pereira
    agosto 30, 2010
    Responder
  • Ricardo Fassina
    agosto 30, 2010
    Responder
  • Valdir Almeida
    agosto 29, 2010
    Responder

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *