Arenas – Erradicação da Política.

dezembro 5, 2013 34 Allianz Parque

Por Claudio Baptista Jr.
Peço licença para nessa semana não falar sobre Arenas que é o tema da coluna.
Gostaria da opinião de vocês sobre a erradicação da política em tudo o que envolve o futebol da S. E. Palmeiras,
Na última 2ªf, na reunião do conselho deliberativo do clube onde foram eleitos 06 vitalícios tive mais uma vez a convicção que o resgate da S. E. Palmeiras para uma volta ao cenário de destaque mundial de forma sustentável, passa necessariamente pela total eliminação da política que possa ter alguma influência sobre o futebol do clube.
Presenciei nessa reunião senhores vibrando com a obtenção deste tipo de cargo, que para mim é extremamente prejudicial ao clube pelo fato da meritocracia não ser vitalícia. O bom hoje não necessariamente permanecerá desta forma.
Enfim, esse é apenas um ponto, um simples exemplo. Inúmeros outros estão aí como o famigerado filtro que impõe acordos dentro do conselho para que uma chapa possa concorrer às eleições diretas, a farta distribuição de carteirinhas visando apoio nas eleições, as inúmeras sindicâncias inócuas, o desperdício de recursos do clube onde ninguém é responsabilizado eficazmente entre tantos outros. Tudo, tudo isso tendo como base as relações políticas do clube.
Nosso estatuto, o berço desse tipo de política deverá sofrer uma reforma. Mas até qual nível?
Duvido que saia do forno algo que elimine a política do futebol, que faça a sua gestão ser lastreada única e exclusivamente por profissionais, com critérios de governança corporativa e meritocracia efetivas.
O primeiro passo para tal, seria a completa separação do futebol e social do clube. Separação real conforme mencionado no texto do último domingo:
https://3vv.com.br/2013/12/os-separatistas-de-quebec/
A partir de uma recategorização dos sócios, a abertura de voto para o sócio torcedor e candidatos fora do berço do clube social, a extinção do CD e COF e em substituição por um órgão reduzido, com origens externas no mercado corporativo, multidisciplinar, remunerado e avaliado de forma tangível que por sua vez será responsável por toda a estrutura do futebol, e outras medidas que permitam a construção de um modelo tornando a gestão absolutamente blindada de qualquer política.
Acontece que a reforma estatutária não trará estas mudanças. Estas parecem bem distantes, até mesmo utópicas dependendo do grau de ceticismo.
O novo estatuto poderá trazer algo voltado ao sócio torcedor, tempos de mandato, para concorrer e outras, mas que serão pouco eficazes e passarão longe do problema central, maior, que é a eliminação da influência política no futebol do clube.
Ficaria muito grato em ver ações por parte da atual gestão neste sentido, de identificar claramente que o atual modelo e o que virá através da reforma estatutária não seja algo simplesmente cômodo no sentido da permanência no poder sendo que, no meu ponto de vista, o ideal seria um plano de quebra das estruturas.
A montagem de um bom elenco, o equilíbrio financeiro, o planejamento estratégico, um marketing são ótimos e necessários, porém aplicados dentro do atual modelo e o que virá através da reforma estatutária, tenho para mim que não trarão sustentabilidade, simplesmente porque se tornam frágeis quando é a política que dita os rumos do futebol da S. E. Palmeiras.
Qual é a opinião de vocês?
Abraço,
Claudio.
 

126830cookie-checkArenas – Erradicação da Política.

34 comentários em “Arenas – Erradicação da Política.

  • FC
    dezembro 7, 2013
    Responder
  • Marcos
    dezembro 6, 2013
    Responder
  • luiz sergio neto
    dezembro 6, 2013
    Responder
  • Luiz Alves
    dezembro 6, 2013
    Responder
    • Afonso de Campos Pinto
      dezembro 7, 2013
      Responder
      • Claudio Baptista Jr.
        dezembro 8, 2013
        Responder
  • Alberto Cunio
    dezembro 6, 2013
    Responder
  • HARLEY
    dezembro 6, 2013
    Responder
  • cassiano
    dezembro 5, 2013
    Responder
  • jose wilson serbino jr
    dezembro 5, 2013
    Responder
  • Pinho - Bauru, SP
    dezembro 5, 2013
    Responder
  • Vilmar
    dezembro 5, 2013
    Responder
  • Claudio Longo
    dezembro 5, 2013
    Responder
  • sergio marangão
    dezembro 5, 2013
    Responder
  • Jorge Pires
    dezembro 5, 2013
    Responder
  • aldo londres
    dezembro 5, 2013
    Responder
  • Rebelo
    dezembro 5, 2013
    Responder
    • Claudio Baptista Jr.
      dezembro 5, 2013
      Responder
  • PAULO H. FRANCESCHINI
    dezembro 5, 2013
    Responder
  • Odair Rossetto Junior
    dezembro 5, 2013
    Responder
  • Wlademir Gaino
    dezembro 5, 2013
    Responder
  • Regina Rodrigues
    dezembro 5, 2013
    Responder
  • Rodrigo
    dezembro 5, 2013
    Responder
  • Marcelo
    dezembro 5, 2013
    Responder
  • Rafael Sanches
    dezembro 5, 2013
    Responder
  • Luiz
    dezembro 5, 2013
    Responder
  • lito
    dezembro 5, 2013
    Responder
  • Clístenes Pavan
    dezembro 5, 2013
    Responder
    • Luiz Claudio
      dezembro 5, 2013
      Responder
      • Claudio Baptista Jr.
        dezembro 5, 2013
        Responder
  • Rodolfo
    dezembro 5, 2013
    Responder
  • mario luiz
    dezembro 5, 2013
    Responder
  • Marcelo
    dezembro 5, 2013
    Responder

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *