As Finanças do Palmeiras – 4

junho 26, 2014 12 Futebol com Números

Financistas Palmeirenses, neste quarto artigo sobre as (más) condições das finanças do Palmeiras o papo é sobre as dívidas de curto prazo.

Já vimos no artigo anterior que a nossa dívida total é de mais de R$ 280 milhões e que isso representa um ano e meio da nossa receita. Mas, como diriam alguns economistas, dívida não se paga, administra-se.

E uma dívida bem administrada é uma dívida que não asfixia o clube no seu dia a dia e – infelizmente – esse não é o caso do Palmeiras já que a dívida do clube é uma dívida que deve ser paga no curto prazo.

Em termos financeiros dívida de curto prazo é aquela dívida que deve ser paga no prazo de até um ano. Observem no gráfico abaixo como está a dívida de curto prazo dos clubes em relação à receita.

dívida curto prazo

Fica fácil observar que de 2010 para cá o Palmeiras começa o ano tendo dívidas a serem pagas que são maiores do que toda a receita do ano anterior.

Esse asfixia do clube se deve a basicamente dois fatores: (i) piora do perfil da dívida e (ii) falta de aumento de receita.

A dívida total do Palmeiras no período foi a que menos aumentou em termos absolutos: aumento “apenas” R$ milhões 87. O problema é que a dívida de curto prazo que era de R$ 44 milhões passou a ser de 208 milhões em 2013, enquanto a dívida de longo prazo caiu de R$ 151 milhões para 73 milhões.

Nesse mesmo período as receitas anuais do Palmeiras foram as que menos aumentaram: R$ 42 milhões, enquanto o Santos aumentou a sua receita em R$ 125 milhões e o São Paulo e Corinthians aumentaram suas receitas anuais em R$ 200 milhões.

Essa é a situação do Palmeiras hoje: ter que vender almoço para poder pagar o jantar! Então a principal preocupação financeira do Palmeiras nos últimos anos é sempre refinanciar a dívida de curto prazo e tentar deixar essa dívida para o(s) próximo(s) ano(s). Além de todo esforço que isso exige, esse tipo de refinanciamento é mais caro do que dívidas de longo prazo.

A solução para esse problema? Já cansamos de falar por aqui: alongar o perfil da dívida, ou seja, trocar dívida de curto prazo para uma dívida de longo prazo e ao mesmo tempo aumentarmos nossas receitas – algo que a Arena irá contribuir de maneira significativa da mesma maneira que um patrocínio máster…

Na próxima semana vamos discutir para quem os clubes devem no curto prazo!

Saudações AlviVerdes

* Luís Fernando Tredinnick escreve às sextas-feiras no 3VV explicando a quem conhece, e a quem não conhece, os números do futebol

158570cookie-checkAs Finanças do Palmeiras – 4

12 comentários em “As Finanças do Palmeiras – 4

  • Vitor
    junho 29, 2014
    Responder
  • HARLEY
    junho 28, 2014
    Responder
  • HARLEY
    junho 28, 2014
    Responder
  • Marcelo Vaccari
    junho 28, 2014
    Responder
  • Bruno Caloi
    junho 27, 2014
    Responder
    • Bruno
      junho 27, 2014
      Responder
  • Julio
    junho 27, 2014
    Responder
  • Felipe
    junho 27, 2014
    Responder
  • Carlos Alexandre
    junho 27, 2014
    Responder
    • Raphael Moura
      junho 27, 2014
      Responder
  • Claudio Longo
    junho 27, 2014
    Responder

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *