Sobre juízes, erros e estatísticas!

agosto 20, 2015 27 Futebol com Números

Juízes AlviVerdes, uma das coisas mais chatas no futebol brasileiro é o protagonismo que os juízes acabam tendo. Gastamos muito tempo reclamando dos erros dos juízes e esse tempo deveria ser dedicado a se falar de futebol.

O protagonismo dos juízes é fácil de se entender. O critério de arbitragem utilizado por aqui é bem diferente do critério Europeu e o número de faltas por jogo é sempre maior do que lá, então, a cada lance lá está o juiz parando (ou não) o jogo. E além disso, como o futebol se caracteriza por placares baixo – e onde a vitória pela margem mínima é comum – um único lance pode definir o resultado de uma partida e de um campeonato.

Mas existe um elemento que realmente falta em toda essa discussão sobre os erros dos juízes. Partindo-se do pressuposto que não há má-intenção dos juízos e que os erros são simplesmente erros, basicamente os programas de televisão dizem a mesma coisa “do mesmo jeito que o time aqui foi ‘ajudado’ por um erro do árbitro, certamente ele já foi ‘prejudicado’ em outras partidas”.

O que esse tipo de argumentação quer dizer? Que basicamente os erros deveriam se anular ao longo do campeonato e – no final das contas – ninguém seria ajudado ou prejudicado.

Esse tipo de argumentação só tem um problema: ela está errada!

Partindo do pressuposto que os erros são realmente apenas erros, a estatística não diz que para cada time os erros irão se anular. Pelo contrário seria estatisticamente esperado que alguns times fossem mais prejudicados e que outros fossem menos prejudicados!

O raciocínio seria mais ou menos esse. Imagine que você tem um baralho de cartas comum, onde existem 52 cartas, 26 vermelhas e 26 pretas. Se você for escolher aleatoriamente 6 cartas de vez, na média você teria escolhido 3 cartas vermelhas. Só que algumas vezes você teria as 6 cartas vermelhas e algumas vezes não teria nenhuma carta vermelha. Se os erros dos juízes forem aleatórios, é possível dizer que durante o campeonato Brasileiro alguns times teriam as 6 cartas vermelhas, alguns times não teriam nenhuma carta vermelha e – na média – os times teriam um número próximo de 3 cartas vermelhas cada.

Logicamente os times na parte de cima da tabela tendem (ênfase no tendem) a serem mais ajudados, afinal, se eles fossem mais prejudicados eles dificilmente estariam na parte de cima da tabela.

O Corinthians é um bom exemplo disso. Teve uma sequência de três jogos em que todos os lances polêmicos foram marcados (ou deixados de marcar) a seu favor. A não marcação de um pênalti garantiu um empate com o São Paulo, um pênalti discutível foi marcado ao seu favor contra o Sport e garantiu a vitória e um impedimento praticamente na mesma linha anulou o gol de empate do Avaí. Assim, esses três lances garantiram 5 pontos a mais para o Corinthians e se as três decisões fossem em sentido contrário o time ao invés de líder com 40 pontos teria 35 e ocuparia a quarta colocação. Tão simples quanto isso.

O leitor mais atento deve estar se perguntando: Mas, não é estranho que entra ano, sai ano, os times mais beneficiados parecem ser sempre os mesmos????

Pois é leitor, só posso dizer que talvez –ênfase no talvez – existam coisas que apenas a estatística não explique…rsrsssrrssrsrrs

Saudações AlviVerdes

* Luís Fernando Tredinnick escreve às sextas-feiras no 3VV explicando, a quem conhece e a quem não conhece, os números do futebol

211860cookie-checkSobre juízes, erros e estatísticas!

27 comentários em “Sobre juízes, erros e estatísticas!

  • Gustavo Aroni
    agosto 22, 2015
    Responder
  • HARLEY
    agosto 22, 2015
    Responder
    • Gustavo Aroni
      agosto 22, 2015
      Responder
      • Gustavo Aroni
        agosto 23, 2015
        Responder
  • Levi
    agosto 21, 2015
    Responder
    • Sérgio de Mauro
      agosto 22, 2015
      Responder
  • Zek
    agosto 21, 2015
    Responder
    • Mauser Zago
      agosto 22, 2015
      Responder
  • Diogo Belotto
    agosto 21, 2015
    Responder
  • Caio
    agosto 21, 2015
    Responder
    • Paulão
      agosto 22, 2015
      Responder
    • Marcos
      agosto 23, 2015
      Responder
  • lito
    agosto 21, 2015
    Responder
  • Levi
    agosto 21, 2015
    Responder
    • Paulão
      agosto 21, 2015
      Responder
  • andre
    agosto 21, 2015
    Responder
  • Marcos
    agosto 21, 2015
    Responder
  • lito
    agosto 21, 2015
    Responder
  • Gustavo Aroni
    agosto 21, 2015
    Responder
  • Lucas Ferraroni
    agosto 20, 2015
    Responder
    • 3vvAdmin
      agosto 20, 2015
      Responder
    • Renato Rocha-DF
      agosto 21, 2015
      Responder
      • Paulão
        agosto 21, 2015
        Responder
        • Lucas Ferraroni
          agosto 21, 2015
          Responder

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *